Notícias
0

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Fique informado e compartilhe nas suas redes sociais

GERAIS

Valor Bruto da Produção Agropecuária de 2021 está estimado em R$ 1,10 trilhão

O Valor Bruto da Produção Agropecuária (VBP) de 2021, estimado com base nas informações de setembro, atingiu R$ 1,103 trilhão. O número representa um crescimento de 10% em relação ao valor de 2020.

O valor das lavouras cresceu 12%, e a pecuária, 6,1%. Decompondo-se o VBP, verifica-se que

As lavouras respondem por 67,7% (crescimento de 12%), e a pecuária por 32,3% (crescimento de 6%). As maiores contribuições para obter esse resultado vieram de soja, milho, cana-de- açúcar, carne bovina e carne de frango. Juntos, sua contribuição foi de 72,4%.

Contribuições negativas ao VBP foram observadas em amendoim, banana, batata inglesa, cacau, café, feijão, laranja, tomate, mandioca e uva. Esse comportamento teve impacto expressivo no resultado final do VBP.

Os resultados do VBP deste ano carregam os efeitos de impactos climáticos ocorridos em 2020 e 2021.Falta de chuvas, secas e geadas afetaram produtos relevantes como milho de segunda safra, café, feijão e outros. Entretanto, as boas condições do mercado internacional, e os preços internos favoráveis, têm sido os principais fatores de crescimento do agronegócio em 2021. Quanto aos preços, podem-se destacar fortes elevações neste ano em algodão em caroço (27,4%), café arábica (22,2 %), cana -de-açúcar (10,0 %), milho (27,1%), soja (16,4%) e trigo (5,0%).

Os resultados regionais mostram a liderança do Centro-Oeste no faturamento neste ano, R$ 362, 87 bilhões, Sul R$ 309,2 bilhões, Sudeste R$ 250,9 bilhões, Nordeste R$ 98,3 bilhões e Norte 70,0 bilhões.

Fonte: Mapa

Mapa disponibiliza informações no Portal Brasileiro de Dados Abertos 

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) passou a publicar a Base de Dados Agenda de Autoridades – Legado, em cumprimento ao compromisso firmado no Plano de Dados Abertos (PDA/Mapa) para o biênio 2021 – 2023.

A base de dados traz os compromissos diários, reuniões, eventos, viagens e ações do dirigente máximo do órgão e das demais autoridades do Mapa (dados anteriores ao Decreto Nº 9.756/2019) e pode ser acessada no Portal Brasileiro de Dados Abertos.

O objetivo é consolidar a transparência e a cultura de dados abertos, possibilitando à sociedade o acesso e utilização dos dados e informações públicas livremente, estando sujeita, somente, às exigências que visem preservar sua proveniência e abertura.

Fonte: Mapa

Famílias assentadas de São Paulo recebem títulos de propriedade

O Governo Federal celebrou a emissão de 4.022 títulos definitivos e provisórios para famílias assentadas em São Paulo, nesta quarta-feira (13), em cerimônia no município de Miracatu, na região do Vale do Ribeira.

É a maior entrega de documentos em áreas da reforma agrária no estado em duas décadas. O total de documentos expedidos desde 2019 supera os 3.864 títulos do período de 2000 a 2018. O evento representa outra marca histórica, pois foram emitidos os primeiros títulos definitivos para 618 famílias em assentamentos do Incra em São Paulo.

Além dos títulos definitivos, já foram emitidos 3.404 Contratos de Concessão e Uso (CCU) no estado desde 2019. O documento transfere a propriedade do lote de forma provisória à família assentada e assegura o acesso às políticas de apoio à agricultura familiar em áreas de reforma agrária.

A expectativa do governo é ampliar a titulação nos 109 projetos federais de reforma agrária sob responsabilidade do Incra em São Paulo, onde vivem 9.539 famílias assentadas.

Fonte: Mapa

Conab indica aumento na produção de grãos na safra 2021/22

O 1º Levantamento da Safra Grãos 2021/22, divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab). A nova safra brasileira de grãos deve apresentar uma recuperação no ano agrícola 2021/22. A estimativa é que o crescimento seja em torno de 14,2%, o que representa um acréscimo de 35,87 milhões de toneladas em relação ao volume obtido no ciclo anterior.

Caso se confirme as previsões, a produção total deve ficar em 288,61 milhões de toneladas, atingindo um novo recorde para a agricultura nacional.

A soja continua como o grande destaque dentre as culturas. A oleaginosa apresenta tendência de aumento tanto de área cultivada como de produção. De acordo com os dados levantados pela Companhia, a área a ser semeada tende a passar de 38,9 milhões de hectares para 39,91 milhões de hectares, um ligeiro acréscimo de 2,5%. De acordo com os dados da Conab, o plantio já teve início nos estados de Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Santa Catarina e Paraná. As atividades seguem em ritmo mais acelerado em comparação ao mesmo período do ano passado. A expectativa é que a produção atinja 140,75 milhões de toneladas, o que mantém o país como o maior produtor mundial do grão.

Fonte: Mapa

PRODUÇÃO

Pode faltar insumos para o plantio da safra 2021/2022?

Segundo a avaliação da Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil), existe sim essa possibilidade. A entidade vem recebendo nos últimos meses informações de sojicultores sobre atrasos na entrega – e o que é mais preocupante – de cancelamento de contratos e de pedidos de compra de fertilizantes e defensivos, entre eles do herbicida glifosato, um dos mais utilizados no planeta.

Sem fertilizantes e defensivos, as lavouras perdem produtividade, que é vital para a garantia da renda dos produtores e da sustentabilidade social e ambiental, pois representa produzir mais alimentos com menor utilização de recursos e de área de plantio.

Para deixar a situação ainda mais crítica, o atraso na aplicação destes insumos nas lavouras de soja pode reduzir o período adequado para o cultivo do milho da safra verão e, consequentemente, resultar em desabastecimento do cereal e encarecimento dos preços do milho, carnes, ovos, leites e derivados.

Fonte: Aprosoja

Trigo safrinha  é alternativa

Conheça uma opção de cultivo após a soja ou o milho para o produtor do Brasil Central. É o trigo de sequeiro ou safrinha, que tem custo inferior ao do trigo irrigado e área potencial de plantio de até 3 milhões de hectares no Brasil Central. O trigo safrinha pode contribuir para a redução da dependência de importações de trigo.

As informações são apresentadas pelos pesquisadores Júlio Albrecht, da Embrapa Cerrados (DF), e Jorge Chagas, da Embrapa Trigo (Passo Fundo, RS), no Prosa Rural, programa de rádio da Embrapa. Eles abordam as vantagens do trigo sequeiro no sistema de produção, os desafios do plantio, além de indicarem cultivares como a BRS 404 e a BRS 264.

Fonte: Embrapa

Importância da conservação das abelhas para o fluxo da polinização

A pesquisadora da Embrapa Meio-Norte, Fábia de Mello Pereira, explica, no Prosa Rural (programa de rádio da Embrapa), sobre a preservação das abelhas e a importância da polinização, bem como orienta sobre como fazer um hotel para abelhas, utilizando material reciclado.

Fonte: Embrapa

Boas práticas de irrigação no cultivo de hortaliças

Conheça as orientações sobre as “Boas práticas de irrigação no cultivo de hortaliças em ambiente protegido”. Para isso, vamos ouvir o Analista de Transferência de Tecnologia, Admar Bezerra, da Embrapa Roraima. Bezerra vai dar orientações para a escolha do sistema de irrigação para quem quer implantar o cultivo de hortaliça em ambiente protegido propiciando o aumento da produtividade e da qualidade das hortaliças cultivadas nesse sistema.

As informações estão no Prosa Rural, programa de rádio da Embrapa.

Fonte: Embrapa

Cultivares de feijão recomendadas para a safra 2021/22

A escolha de cultivares para a safra é uma etapa estratégica e muitos critérios devem ser levados em consideração. Acompanhe no vídeo abaixo algumas recomendações e opções. O pesquisador Leonardo Melo, do programa de melhoramento de feijão, é quem comenta o assunto e dá algumas dicas importantes sobre as cultivares Embrapa, destacando as principais características e indicações de cultivo. Para mais informações, acesse também: “Catálogo de Cultivares de Feijão Comum”.

Fonte: Embrapa

Novo Zarc para o milho segunda safra e o consórcio com braquiária

O Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc) para a cultura de milho segunda safra foi publicado nesta quarta-feira (13).

“O ajuste do ciclo de cultivo do milho em função da variação das temperaturas neste período de segunda safra pode ser considerado o principal aperfeiçoamento deste estudo, especialmente para os estados das regiões Centro-Oeste, Sudeste e Sul (PR), onde se concentram as maiores produções”, afirma Balbino Evangelista, geógrafo e analista de Pesquisa da Embrapa no Tocantins. Ele é um dos líderes dos trabalhos com Zarc na empresa.

Ele explica que, por conta do grande efeito da temperatura no alongamento do ciclo do milho safrinha, foram realizadas avaliações de riscos para ciclos variáveis, com duração de 100 até 180 dias. No estudo anterior, essa análise estava restrita a ciclos de 100 até 120 dias. Como consequências, aumentou a quantidade de municípios contemplados dentro de níveis de riscos aceitáveis e foi possível ajustar as janelas de plantio em regiões críticas, seja para maior ou para menor período. Alguns municípios situados em regiões mais frias do Sul e do Sudeste do país tiveram a janela reduzida.

Fonte: Mapa

MERCADO

Indicadores Cepea – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada

PRODUTO COTAÇÃO
Soja Recentes chuvas e previsões indicando novas precipitações têm favorecido a semeadura da soja em importantes regiões do Brasil. Segundo pesquisadores do Cepea, no Sul do País, os trabalhos chegaram a ser interrompidos na semana passada pela alta umidade. No Sudeste e no Centro-Oeste, as chuvas ainda são irregulares, mas produtores têm avançado com os trabalhos.

Na região de Matopiba, a umidade esteve maior nos últimos dias, permitindo o início da semeadura da oleaginosa. No geral, os trabalhos de campo estão mais acelerados do que há um ano. Pesquisadores do Cepea ressaltam que, atentos aos trabalhos de campo, produtores reduziram o ritmo das negociações envolvendo o volume remanescente da safra 2020/21. A demanda também está menor, resultando em baixa liquidez.

Algodão Na segunda-feira, 11, o Indicador CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, superou os R$ 6 por libra-peso, recorde nominal da série histórica do Cepea, iniciada em 1996. No entanto, nessa quarta-feira, 13, o Indicador recuou para R$ 5,9957/lp, mas ainda com elevação de 5,81% na parcial de outubro.

De acordo com pesquisadores do Cepea, além do alto patamar externo, o movimento de avanço no spot brasileiro é reforçado pela restrição de vendedores, que tem levado algumas indústrias a pagarem valores maiores, sobretudo as que trabalham com baixos estoques. Porém, dificuldades logísticas e preocupações em relação ao crescimento chinês acabam limitando as elevações em todo o mercado. Apesar do aumento, a liquidez no spot esteve baixa, devido à disparidade entre os valores de agentes.

Milho A retração de compradores manteve baixo o ritmo de negócios envolvendo o milho no mercado spot ao longo da semana passada. Segundo pesquisadores do Cepea, esse cenário, atrelado à melhora das condições climáticas para a safra verão, resultou em queda nos preços do cereal na maior parte das regiões acompanhadas pelo Centro de Pesquisas. Já nos portos de Santos (SP) e de Paranaguá (PR), apesar da baixa liquidez, os valores do milho subiram, sustentados pela valorização do dólar frente ao Real.
Etanol As cotações dos etanóis hidratado e anidro voltaram a subir no estado de São Paulo. Entre 4 e 8 de outubro, o Indicador CEPEA/ESALQ do hidratado fechou em R$ 3,3411/litro, alta de 1,49% frente ao período anterior. No caso do etanol anidro, o aumento foi de 0,86%, com o Indicador CEPEA/ESALQ fechando em R$ 3,8432/litro. A elevação veio do aquecimento dos negócios envolvendo o hidratado até o meio da semana passada. Distribuidoras atuaram de maneira mais ativa no mercado spot, devido à proximidade do feriado de 12 de outubro (Dia de Nossa Senhora Aparecida). Além disso, a expectativa do aumento do preço da gasolina nas refinarias pela Petrobras também reforçou o comportamento de compradores, especialmente na sexta-feira, 8.
Açúcar As negociações do açúcar cristal de melhor qualidade estiveram em ritmo lento no mercado spot do estado de São Paulo no começo da semana passada. Ao longo do período, porém, a demanda se aqueceu. Esse cenário, atrelado à oferta ainda restrita, fez com que os valores voltassem a subir e, na segunda-feira, 11, o Indicador CEPEA/ESALQ fechou a R$ 144,67/saca de 50 kg, alta de 1,52% no acumulado desta parcial de outubro.
Arroz Enquanto o mercado interno segue com baixa liquidez, em um ambiente de queda na produção industrial e de consequente pressão de demandantes sobre as cotações, vendedores se voltam às exportações, que estão aquecidas e favorecidas pelo dólar alto.

O Indicador ESALQ/SENAR-RS do arroz 58% grãos inteiros caiu 1,26% entre 4 e 11 de outubro, encerrando a R$ 73,64/sc de 50 kg na segunda-feira, 11.

Em setembro, os embarques brasileiros de arroz somaram 130,2 mil toneladas, 13,7% a mais que em agosto/21 e expressivos 66,6% acima dos de setembro/20, segundo dados da Secex. Já as importações totalizaram 77,9 mil toneladas de arroz em setembro/21, volume 1,2% inferior ao de agosto, o quinto mês consecutivo de redução nas compras externas.

Boi gordo Os preços do boi gordo seguem em queda no mercado interno, pressionados sobretudo pela retração de compradores. Do lado vendedor, especialmente diante dos elevados custos de produção, pecuaristas evitam negociar novos lotes a preços mais baixos. Esse cenário, por sua vez, vem travando as negociações envolvendo o boi gordo. Nessa quarta-feira, 13, o Indicador fechou a R$ 270,50, queda de 7,24% no acumulado da parcial deste mês.

CLIMA

Previsão de chuva

De acordo com o modelo numérico do INMET, os maiores acumulados ocorrerão nas regiões Norte e Sul do Brasil.

REGIÃO PREVISÃO DE CHUVA
Sul A previsão indica ocorrência de temporais, com possibilidade de queda de granizo e rajadas de vento ao norte e oeste do Rio Grande do Sul, sul do Paraná e Santa Catarina. Acumulados de chuva próximos dos 80 mm, podem ocorrer no Rio Grande do Sul, centro de Santa Catarina e sul do Paraná, onde pode alcançar os 150 mm em áreas pontuais.
Sudeste Os maiores acumulados de chuva se concentram ao sul de São Paulo, Minas Gerais e Rio de Janeiro, com maiores acumulados próximos aos 80 mm.
Centro-Oeste A previsão indica chuvas para o oeste do Mato Grosso, com acumulados de até 10 mm, podendo alcançar aproximadamente 70 mm em áreas pontuais mais ao sul do Mato Grosso do Sul.
Nordeste e MATOPIBA Os maiores acumulados chuva se concentram ao norte do Maranhão e Recôncavo Baiano, contudo, inferiores a 5 mm.
Norte Os maiores acumulados de chuva concentram-se a oeste do Amazonas com acumulados de chuva previstos acima 50 mm, podendo alcançar aproximadamente 100 mm em áreas pontuais.

Fonte: INMET. Previsão de tempo para o período entre os dias 05 a 20 de Outubro de 2021.

Previsão de acumulado de chuva entre os dias 05 e 11 de outubro de 2021. Fonte: INMET

 

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , , , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

dezembro 2021
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu