Notícias
0

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Fique informado e compartilhe nas suas redes sociais

 GERAIS

Parabéns agricultor pelo seu dia!

No dia 28 de julho comemorou-se o Dia do Agricultor. Entre muitos méritos ele é responsável pelo plantio, cultivo e colheita dos alimentos que chegam até a mesa.

A data é comemorada desde 1960, ano do centenário da criação do Ministério da Agricultura. Além de abastecer o prato, o homem do campo também movimenta a economia, tanto na produção interna quanto nas exportações.

O agricultor brasileiro há muito deixou de ser aquela figura de enxada à mão e olhos ao céu à espera do tempo propício para “vingar” a plantação. A tecnologia e a ciência invadiram o campo, levando maquinários de alta tecnologia, desenvolvendo sementes resistentes e capazes de garantir a colheita ideal. No entanto, a tecnologia não substituiu o agricultor, apenas simplificou a vida desse grande responsável por conduzir a agricultura, gerar riqueza nas Bolsas pelo mundo e livrar um país continental como o Brasil da fome.

O produtor rural que, mesmo diante de dificuldades e desafios, produz o alimento que chega à mesa de cada cidadão, merece todas as homenagens por garantir ainda roupas (algodão), o etanol, o papel, matérias-primas para empresas e geração de empregos no Brasil.

Fonte: Conab

Mapa completa 162 anos

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) comemora nesta quinta-feira (28) 162 anos de existência. Data em que se celebra também o Dia do Agricultor.

Em comemoração, foi inaugurada exposição de livros publicados pelo Ministério nos últimos anos e que fazem parte do acervo da Biblioteca Nacional da Agricultura (Binagri).

O ministro da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, Marcos Montes, agradeceu o trabalho e dedicação dos servidores, que executam com profissionalismo a missão do Ministério, de promover a transformação e valorização da agropecuária nacional.

Em homenagem aos agricultores, o ministro ressaltou que o setor tornou o país uma das maiores potências mundiais produtoras de alimentos. “Homens e mulheres que diuturnamente trabalham, com sol raiando ao anoitecer, pela agricultura brasileira. Nossos agradecimentos e respeito pelo excepcional trabalho que coloca o Brasil na vanguarda da produção de alimentos”.

Fonte: Mapa

Presidente da Abramiho projeta crescimento da demanda global de milho

PRODUÇÃO

Monitoramento das lavouras de algodão

A safra de algodão está 33,6% colhida. Em MT, as condições climáticas são favoráveis à colheita, que segue em ritmo intenso. No Extremo-Oeste da BA, as lavouras de sequeiro seguem em fases de maturação e colheita, e as lavouras irrigadas em fase de formação de maçãs e maturação. No Centro-Sul, a colheita das lavouras de sequeiro está finalizada, e as lavouras irrigadas seguem em fase de maturação e colheita. Em MS, o clima é excelente para a execução da colheita do algodão, permitindo a obtenção de fibras de alta qualidade. No MA, a colheita está em andamento, nosmunicípios de Tasso Fragoso e Balsas, com leve atraso, mas sem prejuízo para a cultura. As lavouras estão alcançando boa produtividade. Em GO, a colheita avança nas regiões Leste e Sul. Problemas de qualidade na fibra em algumas lavouras no Extremo-Sul devido a geadas e chuvas tardias. Na região Leste, algumas áreas apresentam menor produtividade em função do estresse hídrico ocorrido na fase reprodutiva.

Fonte: Conab

Monitoramento das lavouras de trigo

96,6% semeado. No RS, as chuvas do início da semana no Sul do estado e Campanha mantiveram a umidade do solo elevada dificultando o avanço da semeadura. No Noroeste e Planalto-Médio, a implantação das lavouras está praticamente finalizada. No PR, a semeadura está completa. As lavouras das regiões Norte e Oeste estão em estágios mais avançados. As chuvas das últimas semanas

foram favoráveis para manutenção das condições das lavouras, no entanto, verifica-se baixa disponibilidade de água no solo no Norte do estado. Em SC, as condições climáticas contribuíram para a evolução da semeadura. As áreas cultivadas estão, em sua maioria, em desenvolvimento vegetativo. Em MS, as chuvas que ocorreram na região produtora de trigo estão garantindo a umidade para as lavouras progredirem adequadamente. Em GO, a colheita das lavouras de sequeiro está finalizada. A cultura irrigada segue com boa sanidade e algumas áreas estão em fase de maturação.

Fonte: Conab

Monitoramento das lavouras de milho 2ª safra

A safra encontra-se 59,6% colhida. Em MT, a colheita alcança 90% da área semeada e os rendimentos continuam elevados na maioria das

regiões. No PR, as condições climáticas favoreceram a operação de

colheita, que alcançou 30% da área. O ataque de cigarrinha está impactando nas  produtividades das lavouras. Em MS, o clima favoreceu a queda de umidade dos grãos, acelerando os trabalhos de

campo. Em GO, os danos causados pelo deficit hídrico e ataques de

cigarrinhas tornam-se mais evidentes com a evolução da colheita. Em SP, a colheita segue lenta e o impacto causado pelo ataque de

cigarrinhas preocupa. Em MG, o clima seco favoreceu o avanço da colheita, com as produtividades refletindo o deficit hídrico e o ataque de cigarrinhas ocorrido. No TO, a colheita está finalizando. No PI, 60% das lavouras encontram-se em maturação e 40% já foi colhida, com boas produtividades. No Sul do MA, a colheita se aproxima do final e bons rendimentos vêm sendo alcançados.

Fonte: Conab

Grão-de-bico pode ser utilizado na Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF)

Cultura ainda incipiente no Brasil, o grão-de-bico, leguminosa rica em proteína, pode ser uma alternativa de uso em sistemas de Integração Lavoura-Pecuária-Floresta (ILPF), inclusive por agricultores familiares e médios produtores rurais.

Vantagens dos sistemas de integração

O pesquisador Luiz Adriano Maia Cordeiro e o analista Luiz Carlos Balbino, apresentaram o conceito, as modalidades e os benefícios dos sistemas de ILPF. A Integração Lavoura-Pecuária-Floresta é uma estratégia de produção sustentável, que integra atividades agrícolas, pecuárias e/ou florestais realizadas numa mesma área em cultivo consorciado, em sucessão ou rotação de culturas, constituindo-se num único sistema. São quatro modalidades possíveis de integração: lavoura-pecuária (ILP ou sistema agropastoril), pecuária-floresta (IPF ou sistema silvipastoril), lavoura-floresta (ILF ou sistema silviagrícola e SAFs) e lavoura-pecuária-floresta (ILPF ou sistema agrossilvipastoril). A área onde foi realizado o dia de campo se encontra, no momento, na etapa silviagrícola, com a lavoura de grão-de-bico e as árvores de eucalipto.

Fonte: Embrapa

Do campo à indústria: publicações abordam inovações tecnológicas para a cajucultura

O óleo da castanha-de-caju é rico em ácidos graxos insaturados, apresenta sabor e aroma característicos da amêndoa e, assim como o azeite de oliva, é fonte de ácido oleico

Do campo à indústria, a Embrapa atua no desenvolvimento de processos agroindustriais sustentáveis. Para as atividades no campo, o estudo “Inseticidas registrados para controle de pragas do cajueiro e sugestões de manejo”, elaborado por pesquisadores da Embrapa Agroindústria Tropical, aponta os insumos para o controle de pragas do cajueiro registrados no Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa). De acordo com o estudo, atualmente existem cinco inseticidas registrados para o controle de sete pragas do cajueiro. Os defensivos, com seus diferentes princípios ativos, apresentam ação de contato, ingestão, sistêmica e fumigação. Das sete pragas com registro de inseticidas, seis ocorrem em condições de cultivo no campo e uma ocorre na pós-colheita em condições de armazenamento.

Para as atividades na indústria, o estudo “Recomendações para Avaliação Rápida da Qualidade de Castanhas-de-caju Destinadas ao Beneficiamento Industrial” aponta os procedimentos para auxiliar e tornar mais ágil o processo de compra de castanha-de-caju, pelo aumento da eficiência do processo de análise qualitativa da matéria prima.

Fonte: Embrapa

Farinha do sorgo BRS 305 pode promover a redução da gordura no fígado

Pesquisa da Embrapa e da Universidade Federal de Viçosa (UFV) demonstrou que a farinha integral feita com o sorgo BRS 305, desenvolvido pela Embrapa, reduziu o acúmulo de gordura no fígado em ratos, uma condição médica conhecida como esteatose hepática. Os cientistas ainda registraram vários outros efeitos benéficos promovidos pelo alimento, como o auxílio no controle do excesso de gordura no organismo (adiposidade) e a redução de triglicérides e de ácido úrico. O sorgo também promoveu melhora na sensibilidade à insulina e na tolerância à glicose. Os animais analisados receberam dieta rica em gordura e em frutose, conhecida pela sigla HFHF.

Fonte: Embrapa

Dia de campo apresenta estratégias de manejo em sistema agroflorestal agroecológico e biodiverso

Os SAFs são sistemas agrícolas que misturam no mesmo espaço e tempo, os cultivos agrícolas com espécies arbóreas. É reconhecido como uma importante estratégia para se alcançar sistemas de produção sustentáveis e incorporar componentes florestais aos ativos agrícolas. Devido ao crescente interesse pelo tema é cada vez mais evidente a necessidade de formar agentes multiplicadores capazes de disseminar técnicas e métodos agroflorestais e agroecológicos para um maior número de agricultores.

O Dia de Campo foi uma iniciativa da Embrapa Meio Ambiente, por meio da equipe do projeto OtimizaSAF em parceria com a ONG Mutirão Agroflorestal e a Fazenda São Luiz.

Fonte: Embrapa

Laranja da Região de Tanguá (RJ) é a 100ª Indicação Geográfica registrada no Brasil

Na última terça-feira (26), o Brasil alcançou a marca de 100 Indicações Geográficas (IG)  reconhecidas para produtos nacionais e internacionais. A IG de número 100 foi concedida, na espécie Denominação de Origem, para a laranja da Região de Tanguá, do estado do Rio de Janeiro, reconhecida pelo Instituto Nacional da Propriedade Industrial (INPI). O registro foi publicado na Revista da Propriedade Industrial.

As laranjas da região de Tanguá são da espécie Citrus sinensis das variedades Seleta, Natal Folha Murcha e Natal Comum e detêm doçura maior, cor pronunciada e suculência. Essas características são relacionadas a fatores de produção específicos, como o conhecimento dos agricultores de citros da região, que costumam colher os frutos com o pedúnculo (“cabinho”) para manter algumas folhas da laranjeira.

As lavouras estão localizadas integralmente nos municípios de Itaboraí, Tanguá, Rio Bonito e Araruama.

A chegada de um registro de Indicação Geográfica para uma região traz benefícios não só para o produtor, que está ligado diretamente com o saber-fazer, mas também para a economia local. Trazendo, por exemplo, mais turistas, geração de empregos, valorização da gastronomia regional e promoção do desenvolvimento rural.

Das 100 IGs registradas no país, 32 são Denominações de Origem (23 nacionais e nove estrangeiras) e 68 Indicações de Procedência (todas nacionais).

Fonte: Mapa

Portaria institui Programa AgroHub Brasil

Com objetivo de apoiar os ecossistemas e ambientes de inovação do agro brasileiro, bem como a divulgar ações e iniciativas de inovação agropecuária, foi instituído o Programa AgroHub Brasil. A Portaria nº 461, publicada na última quarta-feira (27), entra em vigor em setembro.

Entre as finalidades do programa está o incentivo e a promoção de criação e amadurecimento de startups, desenvolvendo iniciativas de inovação para a agropecuária, apoiando eventos e desafios e aproximando as startups de potenciais oportunidades de captação de recursos públicos e privados, nacional e internacionalmente.

O programa também busca inserir o produtor rural em ambientes de inovação para a agropecuária, buscando aproximá-lo dos desenvolvedores de tecnologias, propiciando oportunidades de acesso e adoção de novas soluções tecnológicas, melhoria da qualidade dos processos e produtos, a redução de custos e a ampliação de receitas no agronegócio.

O Programa será promovido pela secretaria por meio de parcerias com instituições públicas e privadas, com a possibilidade de transferência de recursos, na forma da lei.

O apoio às ações de fomento à transformação digital da agropecuária brasileira vem ocorrendo por meio da criação e fortalecimento de ecossistemas regionais de inovação, que envolve ações de articulação e apoio ao empreendedorismo de base tecnológica, criação de startups do Agro, também conhecidas como Agtechs, peças importantes para levar novas tecnologias ao produtor rural.

Hoje, o Brasil tem mais de 1.500 startups ligadas às atividades e mais de 50 ambientes de inovação distribuídos por todo país, especialmente em regiões de vocação agropecuária.

A dinâmica de levantamento de demandas, geração de soluções e transferência dessas tecnologias é um processo complexo e envolve diversas etapas e interação de diferentes instituições. Para acelerar esse processo, a inovação aberta tem sido uma das estratégias e para que isso ocorra é fundamental que existam ambientes que promovam essa interação entre os beneficiários do programa.

Portal de pesquisa

O portal AgroHub Brasil reúne informações sobre o ecossistema de inovação da agropecuária brasileira e as principais iniciativas em curso no país. Além de informações sobre agricultura digital, conectividade em áreas rurais e aplicativos de celular com soluções para o dia a dia no campo, a página traz explicações sobre linhas de apoio e fomento público e privado para as startups.

Fonte: Mapa

MERCADO

Conjuntura do mercado do algodão

Mercado Interno

Mercado com baixa liquidez. Compradores e vendedores ainda tentam equalizar seus preços. Apesar de permanecer em queda, os preços mostram tendência de estabilidade, haja vista a escassez da oferta, enquanto não chega ao mercado a safra atual que está no início da colheita. O ingresso da nova safra só deve influenciar os preços a partir de outubro/2022.

No Mato Grosso os preços da pluma caíram 1,01%, ficando cotada a R$ 195,58/@, em média. De acordo com levantamento da Conab, na Bahia os preços tiveram alta de 2,68%, cotada a R$ 172,50/@, ficando ligeiramente abaixo do patamar de 12 meses atrás. Os preços do algodão ainda estão a quem do valor de paridade de exportação.

As exportações brasileiras de algodão no mês de julho ficaram em 16,66 mil toneladas, até a presente data, 62,4% menor que julho/2021. Já o preço médio exportado foi de US$ 2,487,40/t, 49,4% maior.

Mercado externo

Bolsa de Nova Iorque – Após diversas quedas seguidas, diante de uma menor aversão ao risco, a cotação da pluma de algodão na bolsa de Nova Iorque, teve uma recuperação técnica, mas ainda apresenta uma tendência baixista. Principalmente, devido a queda nos preços das comodities, com destaque para o petróleo. O mercado está com o temor de uma recessão global e sensível ao risco.

Conjuntura do mercado internacional da soja

Mercado Internacional

A média das cotações de soja na Bolsa de Valores de Chicago (CBOT) fecha a semana em forte queda de -7,87%. Recessão mundial e menor crescimento com redução de consumo chines continuam a pressionar, para baixo, os preços de soja em grãos. Além disto, mesmo com o clima atual de altas temperaturas, o mercado ainda acredita que as chuvas no cinturão de produção norte americano continuem dentro da normalidade e a safra 2022/23

seja elevada. Queda dos preços de petróleo e a liberação de exportação de grãos da Ucrânia também pressionaram queda dos preços internacionais.

Fonte: Conab

Conjuntura do mercado do milho

Com a evolução da colheita, com destaque para o estado do Mato Grosso, que já atinge 90,3% da área colhida, e com os preços internacionais em queda, preços nacionais apresentam viés de baixa. Elevações das taxas de juros mundiais, projeção de desaquecimento econômico e expectativa de boa safra norte-americana têm corroborado o cenário de enfraquecimento dos preços internos.

Fonte: Conab

Indicadores Cepea – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada

 Soja

Os preços da soja caíram no Brasil e nos Estados Unidos nos últimos dias. Segundo pesquisadores do Cepea, a desvalorização doméstica esteve atrelada à menor demanda externa, sobretudo da China, ao enfraquecimento da procura por parte de indústrias internas e à queda dos prêmios de exportação. No caso da demanda interna, representantes de esmagadoras indicam que adquiriram maiores lotes do grão na primeira quinzena de julho, sem necessidade de realizar novas aquisições na última semana. Além disso, esses compradores estão atentos à menor demanda externa. Vale lembrar que, no primeiro semestre de 2022, o Brasil embarcou 53,07 milhões de toneladas de soja, a menor quantidade para o período desde 2019. O recuo na exportação brasileira, por sua vez, se deve à diminuição dos embarques à China e aos Países Baixos (Holanda), que registraram respectivas quedas de 11,53% e de 19,8% no comparativo entre os primeiros semestres de 2021 e de 2022 – de acordo com dados da Secex. No spot nacional, de 15 a 22 de julho, os Indicadores ESALQ/BM&FBovespa – Paranaguá (PR) e CEPEA/ESALQ – Paraná da oleaginosa caíram 2,7% e 2,3%, com respectivos fechamentos de R$ 185,06/sc e de R$ 179,28/sc de 60 kg na sexta, 22.

Milho

As cotações do milho seguiram recuando nos mercados interno e externo na última semana. Na região de Campinas (SP), o Indicador ESALQ/BM&FBovespa voltou para a casa dos R$ 80/saca de 60 kg, fechando a sexta-feira, 22, a R$ 80,06/sc, queda de 2,9% em relação ao dia 15 e o menor valor nominal desde 30 de dezembro de 2020. Segundo pesquisadores do Cepea, as desvalorizações estão atreladas ao avanço da colheita da segunda safra, que tem mantido consumidores retraídos, apostando em maiores desvalorizações. Além disso, a melhora do clima nos Estados Unidos pressionou os vencimentos futuros, o que reduziu os valores nos portos brasileiros. Compradores também estão atentos à limitação de armazenagem – relatos já indicam armazéns lotados no Sudeste e produto a céu aberto no Centro-Oeste, cenário que pode reduzir a qualidade do grão.

Algodão

As cotações do algodão em pluma registraram apenas pequenas variações nos últimos dias. Entre 19 e 26 de julho, o Indicador CEPEA/ESALQ, com pagamento em 8 dias, subiu ligeiro 0,27%, fechando a R$ 6,0204/lp nessa terça-feira, 26. De acordo com pesquisadores do Cepea, com a disponibilidade ainda baixa, cotonicultores têm priorizado o cumprimento de contratos a termo – a colheita, o beneficiamento e a classificação dos lotes da temporada 2021/22 ainda estão no início. Quanto à liquidez, a disparidade entre os valores pedidos e ofertados segue limitando novas negociações no spot.

Trigo

As cotações internacionais do trigo foram pressionadas de forma expressiva nos últimos dias, devido ao acordo para o embarque de grãos ucranianos, além da maior estimativa da safra russa. O acordo entre Rússia e Ucrânia vai permitir a exportação de 22 milhões de toneladas de grãos ucranianos e outros produtos agrícolas, o que não era verificado desde o início do conflito – a Ucrânia é um importante exportador de milho e trigo. MERCADO BRASILEIRO – Segundo pesquisadores do Cepea, as negociações internas de trigo seguem ocorrendo de forma pontual, cenário que deve permanecer até a entrada do cereal da safra que está sendo semeada, quando há expectativa de redução mais expressiva de preços.

Etanol

As cotações do etanol hidratado ficaram praticamente estáveis no mercado paulista na semana passada, segundo informações do Cepea. O Indicador CEPEA/ESALQ semanal do biocombustível foi de R$ 2,9344/litro de 18 a 22 de julho, valor líquido de impostos (ICMS de 9,57% e PIS/Cofins – alíquota zerada), pequena alta de 0,15% frente ao período anterior. No caso do anidro, o avanço foi de 0,71%, com o Indicador CEPEA/ESALQ fechando em R$ 3,5198/litro, valor líquido de impostos – PIS/Cofins (alíquota zerada). Pesquisadores do Cepea afirmam que o movimento firme dos preços reflete a postura retraída do vendedor em meio a um cenário de menor produção de etanol (de acordo com números da Unica até a segunda quinzena de junho) e o foco na produção de açúcar neste momento da safra.

Açúcar

As cotações do açúcar cristal no mercado spot do estado de São Paulo subiram na semana passada e voltaram ao patamar nominal médio de R$ 131,00/saca de 50 kg, observado em maio deste ano, o segundo mês oficial da temporada, de acordo com dados do Cepea. De 18 a 22 de julho, a média do Indicador CEPEA/ESALQ, cor Icumsa de 130 a 180, foi de R$ 131,33/saca de 50 kg, alta de 3,38% em relação à da semana anterior (de R$ 127,04/sc). Segundo pesquisadores do Cepea, a alta dos preços foi atribuída à postura firme das usinas paulistas, que se atentaram à maior remuneração das exportações frente ao mercado interno.

Boi

Os preços da arroba do boi gordo tiveram pequeno acréscimo nos últimos dias, enquanto as cotações da carcaça casada registraram queda. Entre 20 e 27 de julho, o Indicador do boi gordo CEPEA/B3 avançou 0,42%, fechando a R$ 325,05 na quarta-feira, 27. Esse cenário esteve atrelado sobretudo à postura firme de pecuaristas diante dos valores menores quem vêm sendo ofertados pela indústria. Quanto à carne negociada no mercado atacadista da Grande São Paulo, houve desvalorização de 0,2% da carcaça casada do boi de 20 a 27 de julho, comercializada a R$ 20,23/kg nessa quarta. Agentes do setor consultados pelo Cepea indicam que a demanda pela proteína segue enfraquecida.

CLIMA

Previsão de chuva

Previsão de chuva – De 26 de julho a 01 de agosto de 2022

De acordo com o modelo numérico do INMET, os maiores acumulados são previstos para a Região Norte do país.

Região Norte

São previstos acumulados de chuva que podem superar os 70 mm no extremo norte de Roraima e do Amapá, e também no noroeste do Amazonas e do Pará. Nas demais áreas, os acumulados de chuva previstos serão inferiores a 10 mm.

Região Nordeste

Não são previstos volumes de chuva significativos, porém o tempo segue instável especialmente no leste, onde não se descarta a ocorrência de chuva de forma isolada.

Centro-Oeste e Sudeste

A predominância de uma massa de ar seco durante a semana não irá favorecer a formação de nuvens de chuva nas regiões, contribuindo para ocorrência de baixos índices de umidade relativa do ar nestas áreas.

Região Sul

No país, a passagem de uma frente fria irá contribuir com áreas de instabilidade no Rio Grande do Sul, Santa Catarina e leste do Paraná no dia 29/07 (sexta-feira). Os acumulados previstos deverão ficar na faixa de 30 mm.

Figura 1. Previsão de chuva para 1ª semana (26/07/2022 e 01/08/2022). Fonte: INMET.

Previsão de chuva – De 2 a 10 de agosto de 2022

De acordo com o modelo de previsão numérica, a semana poderá apresentar volumes de chuva significativos no noroeste da Região Norte, na costa leste do Nordeste e no leste da Região Sul.

Região Norte

São previstos acumulados entre 50 e 80 mm no noroeste do Amazonas. Nas demais áreas, os acumulados de chuva previstos não deverão ultrapassar os 40 mm.

Região Nordeste

Por sua vez, são previstos acumulados de chuva que podem ultrapassar os 80 mm na costa leste da região. Enquanto, na faixa norte da região são previstas chuvas em torno de 30 mm. Nas demais áreas, os acumulados de chuva previstos não deverão ultrapassar os 20 mm.

Região Centro-Oeste

Previsão de totais de chuva em torno de 20 mm no Mato Grosso do Sul e em áreas do Mato Grosso.

Região Sudeste

Não há previsão de acumulados significativos de chuva. Entretanto, em áreas do litoral de São Paulo e do Rio de janeiro, podem ocorrer baixos acumulados de chuva em pontos isolados.

Região Sul

São previstos acumulados de chuva em grande parte da região, podendo ultrapassar 100 mm na faixa leste.

Figura 2. Previsão de chuva para 2ª semana (02/08/2022 e 10/08/2022). Fonte: GFS.

CURSOS E EVENTOS

Selecionamos uma série de eventos importantes no mundo Agro e que podem interessar você. Todos online!

IrrigaFácil: uso e manejo de irrigação

Instituição promotora: Embrapa

Data: 11/07 a 19/08/22

Inscrição: Clique aqui

Controle biológico: enfoque em manejo de lagartas com bioinseticidas

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 Qualifica Mulher

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 Medidas de Prevenção, Monitoramento e Controle da Vespa-da-Madeira

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

 RENIVA – Introdução às estratégias de produção de materiais de plantio de mandioca

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

Apicultura para Iniciantes

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

 Produção e Tecnologia de Sementes e Mudas

Instituição promotora: Embrapa

Data: 17/02/22 a 31/12/22

Inscrição:Clique aqui

Produção de mudas de cajueiro – enxertia

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

Viticultura Tropical no Semiárido

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 Apicultura para Iniciantes

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , , , , , , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu