Notícias
0

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Fique informado e compartilhe nas suas redes sociais

GERAIS

Caravana Embrapa vai orientar o uso eficiente dos fertilizantes no RS e em SC

Nos meses de julho e agosto, a Caravana Embrapa vai percorrer oito municípios nos estados do Rio Grande do Sul e de Santa Catarina, levando ao setor produtivo tecnologias e conhecimento para aumentar a eficiência no uso de fertilizantes, enfatizar a importância do manejo sustentável dos solos e melhorar a produtividade.

O principal objetivo da caravana é tornar mais eficiente o uso dos fertilizantes e insumos no campo. Para isso, são apresentadas tecnologias e boas práticas de manejo de solo e de plantas para melhor aproveitamento das adubações. Os conteúdos técnicos foram organizados em cinco módulos: Planejamento agrícola, Boas práticas para o uso eficiente de fertilizantes, Novos fertilizantes e insumos, Agricultura digital e Manejo de solo para sustentabilidade agrícola.

De acordo com o pesquisador Fabiano Daniel De Bona, da Embrapa Trigo, coordenador regional da Caravana Embrapa, a programação foi adequada à cada evento para contemplar temas associados à realidade regional, tais como: culturas de grãos no norte e noroeste do RS e centro-sul de SC; arroz na região central do RS; propriedades de agricultura familiar, tabaco, pastagens e fruteiras no sul do RS; arroz irrigado pré-germinado e outras culturas de grãos no sul de SC; propriedades de agricultura familiar, pastagens para gado leiteiro e culturas de grãos no oeste de SC; propriedades de agricultura familiar, tabaco, batata-inglesa e ervais no norte de SC.

A agenda conta com quatro eventos no RS (Três de Maio, Passo Fundo, Santa Maria e Pelotas) e outros quatro em SC (Criciúma, Campos Novos, Chapecó e Canoinhas).

A Caravana Embrapa é destinada a técnicos, extensionistas, professores, estudantes, consultores e agricultores. As inscrições são gratuitas e podem ser realizadas no site https://www.embrapa.br/caravana-embrapa.

Fonte: Embrapa

PRODUÇÃO

Monitoramento das lavouras de algodão

Área 16,3% colhida. Em MT, a colheita avança em ritmo intenso. O clima seco favoreceu a maturação final, o que proporcionou aumento das áreas no ponto de colheita. Na BA, as lavouras de sequeiro estão,

principalmente, em fase de maturação, e a colheita segue evoluindo. As lavouras irrigadas encontram-se em fase de formação de maçãs e maturação. Em MS, o clima está favorável para os cultivos que estão em maturação e colheita. No MA, segue a colheita das lavouras de primeira safra. As áreas de segunda safra iniciaram a colheita. Em SP, na região Sudoeste a colheita está finalizada e o beneficiamento está em etapa final. No Oeste e Noroeste do estado a maioria das lavouras está colhida.

No PI, as condições climáticas estão favoráveis para a continuidade da colheita. Em GO, a colheita avança nas principais regiões produtoras, principalmente no Extremo-Sul do estado. Na região Leste, as área estão em pré-colheita, sendo realizada a dessecação.

Fonte: Conab

Monitoramento das lavouras de milho 2ª safra

A colheita está em 39,8%. Em MT, houve evolução expressiva na colheita durante a semana, resultando numa das safras mais adiantadas da série histórica. A ausência de chuvas aliadas a maior capacidade de colheita foram fatores determinantes para o avanço. As produtividades se mantêm dentro do estimado. No PR a colheita segue lentamente, devido às chuvas e ao atraso fenológico.

Em MS, os produtores aguardam melhores condições de umidade dos grãos para intensificarem a colheita. Em GO, a colheita alcança 24% da área, com melhoria da qualidade e do peso dos grãos. Em SP, a colheita segue lenta devido à alta umidade dos grãos. No Noroeste de MG e no TO, a colheita iniciou nas áreas que tiveram melhores condições de desenvolvimento e apresentam bom rendimento.

No Sul do MA, a colheita evolui com boas produtividades e deverá se estender até agosto. No PI, a maioria das lavouras encontram-se em maturação. As áreas colhidas apresentam boas produtividades.

Fonte: Conab

Monitoramento das lavouras de trigo

A semeadura das lavouras de trigo estão em 88,1%. No RS, a baixa precipitação e a melhora das condições do solo proporcionaram condições favoráveis à semeadura, que estão em fase inicial na região da Serra e mais adiantadas no Noroeste. As lavouras estão, majoritariamente, em fase de desenvolvimento vegetativo. No PR, a semeadura está quase completa. Nas regiões Norte e Oeste do estado, as lavouras estão em estágios mais avançados, inclusive em floração no Extremo-Norte. As condições das lavouras estão boas. Em SC, as condições climáticas proporcionaram o avanço na semeadura.

Em MG, lavouras se desenvolvem normalmente e as mais adiantadas estão em fase de maturação. Áreas pontuais no Sul sofrem com o ataque da lagarta do cartucho. Em GO, a colheita avança nas lavouras de sequeiro, com produtividade variável devido ao estresse hídrico. Em MS, noites longas e frias têm preservado a umidade no solo, permitindo que as lavouras evoluam seu ciclo adequadamente. A baixa umidade relativa do ar tem colaborado para a manutenção da sanidade das plantas.

Fonte: Conab

Ferramenta digital vai facilitar avaliação da conformidade de lavouras orgânicas

Um sistema digital, que deverá facilitar o processo de certificação de alimentos orgânicos, foi desenvolvido pela Embrapa e já possui uma versão beta testada por produtores. A tecnologia ganhará versões para celular e para computador e poderá ser acessada off line. A ideia é que a ferramenta torne mais simples para o produtor rural o preenchimento dos documentos de avaliação da conformidade orgânica. A ferramenta também vai proporcionar um ambiente seguro para sistematizar os dados coletados dos usuários e dos ambientes de produção, a fim de promover a certificação participativa e permitir o uso restrito pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa).

Fonte: Embrapa

Implantação do trigo na Região Sul

O mês de junho concentra as operações de semeadura do trigo na Região Sul. Quais os cuidados no preparo da área? Como reduzir infestação de azevém no trigo? Ajustes nas máquinas e insumos para o melhor resultado. Esses são alguns dos assuntos apresentados neste podcast.

Fonte: Embrapa

Cotonicultores apresentam a embaixadores de diversos países, como produzir fibra com eficiência

A cidade de Cristalina foi a primeira parada do grupo de Embaixadores, convidados pela Associação Brasileira dos Produtores de Algodão (Abrapa) para divulgar o sistema de produção e a cadeia da fibra no Brasil. Representantes da Coreia do Sul, Vietnã e Turquia conheceram os padrões operacionais da Fazenda Pamplona, desde a lavoura até o beneficiamento e armazenagem. A produtividade estimada na safra 2021/2022 é de 309 arroba por hectare.

Os anfitriões aproveitaram a passagem da comitiva na Pamplona para mostrar também as áreas de florestas preservadas, o pátio de armazenagem e, sobretudo, as condições de trabalho dos funcionários, tudo em observância à legislação ambiental e trabalhista do Brasil.

Hoje 84% do produto tem o ABR, baseado nos pilares social, ambiental e econômico, de acordo com protocolo estabelecido. “O programa foi um grande passo que o setor deu e que posicionou o algodão em relação à forma de produzir no Brasil”, observou. O ABR é gerido pela Abrapa, conjuntamente com as estaduais e os produtores.

Produção eficiente e responsável

Os embaixadores foram escolhidos levando em conta os mercados que importam a fibra do Brasil e o potencial de futuros negócios. “É uma satisfação mostrar como é produzir algodão no Brasil. Temos eficiência, somos produtivos e responsáveis. A atividade ajuda a estreitar laços, creio que conseguimos apresentar um panorama muito bom da cotonicultura”, disse o presidente da Abrapa, Júlio Cézar Busato, ao recepcioná-los, na sede da associação, em Brasília.

Para Busato, esse tipo de atividade se mostra estratégica para divulgar a cotonicultura brasileira globalmente. “É uma forma de fortalecer o algodão brasileiro e desmistificar a imagem de não respeito ao meio ambiente. Produzimos com qualidade, somos sustentáveis e damos condições de nosso produto ser rastreado do início ao fim do processo”, observou.

Pham Thi Kim Hoa, embaixadora do Vietnã, destacou a pujança do sistema produtivo visitado e do País. “Ficamos impressionados com o que vimos, com o processo de produção sustentável e com a qualidade da fibra”, ressaltou. O Vietnã é o segundo maior importador de algodão brasileiro com pouco mais de 270 mil toneladas (safra agosto/21 a julho/22). Segundo a embaixadora, é um mercado que está em expansão e a tendência é ampliar os negócios com o Brasil.

Além de Pham Thi Kim Hoa, integraram o grupo o embaixador da Turquia (Murat Yavuz Ates), o adido comercial da Coreia do Sul (Hyunjin Kim), o chefe da Divisão de Política Agrícola do Ministério das Relações Internacionais (MRE), Luiz Fellipe Flores Schimidt, e o diretor de Promoção Comercial e Investimentos do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), Marcelo Moreira, produtores e dirigentes da Abrapa.

Progresso da Safra Norte-Americana de milho e soja

As lavouras de milho e soja nos EUA avançam para as fases críticas, entrando respectivamente em floração e frutificação.

Até 3 de julho, com as condições climáticas desfavoráveis, a qualidade dos cultivos continuou apresentando baixas em relação ao mesmo período do ano anterior. Para o milho, 7% da área plantada atingiu o estágio de espigamento, 2% menor que o ano passado e 4% inferior à média de 5 anos. 64% das lavouras de milho apresentam condições excelentes ou boas e 27% estão em condições regulares.

Para a soja, na mesma data, 16% estão em florescimento, 11% atrás do ano passado e 6% atrás da média dos últimos cinco anos. 3% da área plantada atingiu o estágio de frutificação, posição igual a do ano passado e à média dos 5 anos. As condições das lavouras foram classificadas em 9% excelentes, 54% boas, 28% regulares, 7% ruins e 2% muito ruim.

Fonte: Conab

MERCADO

Indicadores Cepea – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada

Soja

Preocupações relacionadas a uma recessão econômica global e elevação de juros estão afastando investidores dos mercados futuros, cenário que tem resultado em desvalorizações de commodities de forma geral, inclusive da soja.

A pressão sobre as cotações internacionais da oleaginosa foi reforçada na semana passada pela menor demanda de grão norte-americano por parte da China e pelas desvalorizações do óleo de soja e do petróleo.

No Brasil, o mercado sentiu a pressão externa e os preços também caíram ao longo da semana passada. Ressalta-se que a queda no valor doméstico foi limitada pela valorização do dólar frente ao Real.

Milho

Com o avanço da colheita na maior parte dos estados e diante de novas estimativas oficiais indicando oferta recorde na temporada 2021/22, os preços do milho seguem em queda. Inclusive, em algumas praças acompanhadas pelo Cepea, os atuais valores são os menores desde o início do ano passado. Nem mesmo as exportações aquecidas ao longo de junho e as valorizações externas a partir de meados da semana foram suficientes para interromper o movimento de queda nas cotações domésticas. Pesquisadores do Cepea indicam que, à espera de novas desvalorizações, compradores diminuíram o ritmo de aquisição de novos lotes. Esses agentes estão atentos à necessidade de vendas por parte de alguns agricultores, que começam a não ter espaços nos armazéns – muitos ainda detêm parte da soja. Assim, vendedores estão mais flexíveis nos valores de negociação, sobretudo os do Centro-Oeste.

Algodão

Os preços do algodão em pluma estão em queda no mercado brasileiro há algumas semanas. A pressão sobre os valores vem sobretudo das desvalorizações externas do produto, já que, no Brasil, a disponibilidade de pluma da nova safra ainda não é expressiva e boa parte dos lotes tem sido destinada ao cumprimento de contratos. Assim, os atuais preços domésticos da pluma são os menores desde novembro de 2021 e já operam abaixo da paridade da exportação. Ressalta-se que negociar a pluma no mercado brasileiro vinha sendo mais vantajoso do que exportar desde também novembro do ano passado.

Trigo

Os valores externos do trigo avançaram ao longo da semana passada, influenciados pela piora das condições das lavouras argentinas, por preocupações relacionadas à oferta mundial e por correções das quedas expressivas em semanas anteriores. Já no Brasil, as cotações apresentaram leves variações na semana passada nas regiões levantadas pelo Cepea. Em algumas praças, os valores foram pressionados pela desvalorização do dólar frente ao Real. No campo, a Conab reajustou positivamente as estimativas de área e de produtividade e, consequentemente, da produção da temporada deste ano do Brasil (safra 2022/23, que deve ser iniciada oficialmente em agosto/22). A colheita está prevista para atingir recorde de 9,03 milhões de toneladas, alta de 17,6% em comparação à temporada anterior (2021/22). A produtividade deve crescer 10,3% frente a 2021/22, indo para 3,092 toneladas/hectare. A área com o cereal deve aumentar 6,6%, somando 2,92 milhões de hectares.

Etanol

Os preços dos etanóis hidratado e anidro caíram no spot do estado de São Paulo na semana passada, mesmo diante do aquecimento na demanda. Os recuos estiveram atrelados à flexibilidade por parte de algumas usinas paulistas que, com necessidade de “fazer caixa”, aceitaram negociar os biocombustíveis a valores menores.

Do lado das distribuidoras, as compras foram motivadas pela volta da boa vantagem competitiva do etanol frente à gasolina. Até então, os negócios vinham sendo feitos de forma pontual e envolvendo volumes pequenos. Assim, entre 4 e 8 de julho, o Indicador CEPEA/ESALQ semanal do hidratado do estado de São Paulo foi de R$ 2,9013/litro, queda de 2,1% frente ao do período anterior. No caso do anidro, a baixa foi de 3,54%, com o Indicador CEPEA/ESALQ fechando em R$ 3,3986/litro.

Açúcar

Os preços do açúcar cristal vêm registrando pequenas quedas diárias no mercado spot do estado de São Paulo. Alguns compradores estão dando andamento à produção apenas para cumprir contratos negociados anteriormente, tendo, assim, pouca necessidade de compras adicionais no spot.

Somente em casos esporádicos foram captadas vendas de maiores volumes. Usinas paulistas seguiram firmes nos valores de suas ofertas para o cristal Icumsa 150, mas parte das unidades realizou vendas do cristal Icumsa 180 a preços mais baixos.

Boi

As vendas externas de carne bovina somaram volume recorde no primeiro semestre e esse resultado foi ancorado pelos envios da proteína à China e aos Estados Unidos. Considerando-se o comportamento das exportações verificado nos últimos anos – em que os envios da proteína brasileira tanto ao país asiático quanto ao norte-americano se intensificam no segundo semestre –, os embarques nacionais podem se manter aquecidos nos próximos meses e renovar, portanto, o recorde anual. E, para reforçar estes envios externos, o dólar está operando em elevado patamar, ao passo que as vendas no mercado doméstico seguem enfraquecidas, contexto que deve manter frigoríficos exportadores focados neste canal de escoamento.

CLIMA

Previsão de chuva

Previsão de chuva – De 11 de junho a 27 de julho de 2022

De acordo com o modelo numérico do INMET, os maiores acumulados são previstos para a Região Sul do país.

Região Norte

São previstos acumulados de chuva que podem superar os 70 mm no extremo norte de Roraima. No noroeste do Amazonas e norte do Pará, os acumulados de chuva deverão ficar na faixa de 20 e 50 mm. Nas demais áreas, os acumulados de chuva previstos serão inferiores a 10 mm.

Região Nordeste

Não são previstos volumes de chuva significativos, porém não se descarta ocorrência de chuva de forma isolada, principalmente na faixa norte e leste.

 Centro-Oeste e Sudeste

A predominância de uma massa de ar seco durante a semana não irá favorecer a formação de nuvens de chuva, favorecendo a redução da umidade nestas áreas.

Região Sul

A passagem de uma frente fria irá contribuir para formação de áreas de instabilidade no sul do Rio Grande do Sul, no dia 12/07. Enquanto no final de semana, uma nova frente fria avança pelo sul do país, se mantendo estacionária no estado do Paraná no dia 18/07, com previsão de acumulados de chuva significativos. Os volumes previstos ficarão entre 60 e 90 mm. No restante da região, os acumulados de chuva deverão ser inferiores a 30 mm.

Figura 1. Previsão de chuva para o período entre 11/07/2022 e 18/07/2022. Fonte: INMET.

Previsão de chuva – De 12 de junho a 19 de julho de 2022

De acordo com o modelo de previsão numérica GFS, a semana poderá apresentar volumes de chuva significativos em grande parte do norte da Região Norte e costa leste do Nordeste.

Região Norte

São previstos acumulados entre 60 e 100 mm nos estados de Roraima, norte do Pará, noroeste do Amazonas e extremo leste do Amapá. Nas demais áreas, os acumulados de chuva previstos não deverão ultrapassar os 50 mm.

Região Nordeste

São previstos maiores acumulados de chuva, entre 70 e 100 mm, principalmente na costa leste da região. Enquanto na faixa norte da região, são previstos chuvas entre 30 e 50 mm. Nas demais áreas, os acumulados de chuva previstos não deverão ultrapassar os 20 mm.

Regiões Centro-Oeste e Sudeste

Não são previstos acumulados de chuva.

Região Sul

Os acumulados de chuva previstos serão inferiores a 10 mm.

Figura 2. Previsão de chuva para o período entre 19/07/2022 e 27/07/2022. Fonte: GFS.

 

CURSOS E EVENTOS

Selecionamos uma série de eventos importantes no mundo Agro e que podem interessar você. Todos online e sem custos!

Implantação e manejo do Consórcio Milho-Braquiária – Turma 2

Instituição promotora: Embrapa

Data: 20/05/2022 a 20/06/2022

Inscrição: Clique aqui

 

Controle biológico: enfoque em manejo de lagartas com bioinseticidas

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 

Qualifica Mulher

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 

Medidas de Prevenção, Monitoramento e Controle da Vespa-da-Madeira

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

 

RENIVA – Introdução às estratégias de produção de materiais de plantio de mandioca

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

 

Apicultura para Iniciantes

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

 

Produção e Tecnologia de Sementes e Mudas

Instituição promotora: Embrapa

Data: 17/02/22 a 31/12/22

Inscrição:Clique aqui

 

Produção de mudas de cajueiro – enxertia

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição:Clique aqui

 

Viticultura Tropical no Semiárido

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 

Apicultura para Iniciantes

Instituição promotora: Embrapa

Data: Contínuo

Inscrição: Clique aqui

 

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu