AgronegóciosNotícias
0

PRINCIPAIS NOTÍCIAS DA SEMANA (14/05/21 a 20/05/21)

Noticias Agro

Veja as principais notícias da semana no mundo Agro.

Acompanhe na integra as principais notícias do mundo agro no nosso Portal. Fique informado e compartilhe nas suas redes sociais.

Noticias Agro

GERAIS

O agronegócio brasileiro supera os US$ 13 bilhões em exportações em abril

A partir do desempenho de produtos como soja, carnes (bovina, suína e de frango) e produtos florestais, as exportações do agronegócio bateram recorde em abril, atingindo a cifra recorde de US$ 13,57 bilhões.

O crescimento foi de 39% em relação aos US$ 9,76 bilhões exportados em abril de 2020.

No mês passado, a venda de soja em grãos para o exterior somou US$ 7,2 bilhões, alta de 43,1% ante abril de 2020. Sendo a China o principal importador da soja brasileira.

As exportações de carnes foram recorde para o mês, com US$ 1,57 bilhões em abril 2021 (+22,7%). A China continuou sendo o principal país demandante da carne bovina brasileira, adquirindo US$ 309,29 milhões ou 43,9% do valor exportado (+7%).

Exportação de frutas registra alta superior a 20% em 2021

Nos primeiros meses de 2021, houve um incremento de 21,39% das exportações de frutas em relação o mesmo período de 2020. Os dados foram divulgados pelo 5º Boletim Prohort da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab).

A Europa é o principal mercado comprador das frutas brasileiras, sendo que os três maiores consumidores são Países Baixos, Reino Unido e Espanha.

Os destaques foram a maçã com um crescimento superior a 100% nas vendas, e a melancia com vendas 24,61% superiores ao acumulado do mesmo período de 2020.

Acesse o 5º Boletim Prohort clicando aqui.

Veja a apresentação do 5º Boletim Prohort clicando aqui

 Mato Grosso do Sul implantará sistema AnalisaCAR do Mapa

O primeiro estado a utilizar a nova ferramenta do Mapa, que possibilita uma análise dinâmica dos registros de propriedade rural e implantação do Código Florestal, será o Mato Grosso do Sul.

O Mapa e o governo de Mato Grosso do Sul, assinaram no dia 18 de maio um Acordo de Cooperação Técnica para implantação do AnalisaCAR.

O AnalisaCAR, lançado pelo Mapa, utiliza tecnologias de sensoriamento remoto e pode processar a análise de milhares de cadastros de imóveis rurais simultaneamente, dando mais rapidez à implantação efetiva do Código Florestal. Com a ferramenta, o estado vai agilizar a análise de mais de 100 mil registros.

Ouça a matéria na Rádio Mapa

Ceará e Rio Grande do Norte aumentam a área livre da mosca das frutas

A Portaria nº 305 do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa), reconhece a expansão da área livre da praga mosca das frutas (Anastrepha grandis) nos estados do Ceará e Rio Grande do Norte.

O estabelecimento e reconhecimento oficial de uma Área Livre da Praga (ALP) é condição essencial para que os produtos brasileiros acessem mercados internacionais para os quais a praga está ausente e apresenta importância econômica.

Municípios cearenses que integram a área livre são: Aracati, Fortim, Jaguaruana, Icapuí, Itaiçaba, Limoeiro do Norte, Palhano, Quixeré, Russas, Tabuleiro do Norte e o Distrito de Aruaru do Município de Morada Nova.

No Rio Grande do Norte, a zona inclui os municípios: Afonso Bezerra, Alto do Rodrigues, Apodi, Areia Branca, Assú, Baraúna, Caraúbas, Carnaubais, Felipe Guerra, Grossos, Governador Dix-Sept Rosado, Ipanguassu, Jandaíra, Macau, Mossoró, Pedro Avelino, Pendências, Porto do Mangue, Serra do Mel, Tibau e Upanema.

Para ter acesso à Portaria clique aqui

Programa Nacional de Crédito Fundiário: Parceria promete ampliar e agilizar o acesso de agricultores familiares

No dia 17 de maio de 2021, o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) assinou o Instrumento Específico de Parceria (IEP) entre a Agência Nacional de Assistência Técnica e Extensão Rural (Anater) e a Associação Riograndense de Empreendimentos de Assistência Técnica e Extensão Rural (Emater/RS) para a execução do Programa Nacional de Crédito Fundiário – Terra Brasil.

O objetivo é ampliar e agilizar o acesso de agricultores familiares ao programa federal e qualificar a execução dos serviços de Assistência Técnica e Extensão Rural (Ater) destinados às famílias beneficiárias desta política pública, promovendo o desenvolvimento sustentável de suas unidades produtivas.

Para execução desta iniciativa será aportado um valor total de R$ 1.492.743,60, sendo R$ 1.180.353,60 pela Anater/Mapa e, em contrapartida, R$ 312.390,00 pela Emater/RS. Os recursos serão utilizados no pagamento de horas técnicas dos extensionistas rurais envolvidos na execução das atividades de Ater e demais despesas necessárias. O Instrumento Específico de Parceria tem vigência até 31 de dezembro de 2022.

O Programa Nacional de Crédito Fundiário – Terra Brasil oferece condições para que os agricultores sem acesso à terra ou com pouca terra possam comprar imóvel rural por meio de um financiamento de crédito rural.

Podem acessar o programa trabalhadores rurais não-proprietários, preferencialmente assalariados, meeiros, posseiros e arrendatários que comprovem, no mínimo, cinco anos de experiência na atividade rural; e agricultores proprietários de imóveis cuja área não alcance a dimensão da propriedade familiar e seja comprovadamente insuficiente para gerar renda capaz de propiciar-lhes o próprio sustento e o de suas famílias.

Gostaria de saber mais sobre o Terra Brasil – Programa Nacional de Crédito Fundiário? Clique aqui

Cana-de-açúcar apresenta produção menor no ciclo 2021/22

Segundo relatório da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), a produção brasileira deve ser de 628,1 milhões de toneladas, volume 4% menor em comparação com 2020/21.

A principal razão para a redução é redução da área plantada nas principais regiões produtoras. Houve redução de 3% na área de colheita no Sudeste, principal região produtora do país, com 5,2 milhões de hectares. O Centro-Oeste também diminuiu em 0,8% a área destinada à cultura, atingindo 1,8 milhão de hectares.

Nas regiões Nordeste e Sul, a redução da área foi, respectivamente, de 0,5% e 2,1%. Já o Norte deve manter a área e aumentar 3,3% a produção.

O preço médio na bolsa de futuros de Nova Iorque em abril deste ano foi de 16,26 centavos de dólar por libra-peso, valor 61,8% acima do observado no mesmo mês em 2020. O movimento contribuiu para a exportação recorde e ampliação da venda antecipada na temporada 2021/22.

Em abril, o Brasil exportou cerca de 1,9 milhão de toneladas de açúcar, um aumento de 25,7% em relação a março/21.

PRODUÇÃO

Controle da Ferrugem Asiática na Soja tem nova regulamentação

No dia 14 de maio o Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou a Portaria nº 306 que revisa e atualiza os procedimentos previstos no Programa Nacional de Controle da Ferrugem Asiática da Soja (PNCFS).

As novas regras passam a vigorar a partir de 1º de junho de 2021.

Principais destaques:

  • O PNCFS será coordenado pelo Departamento de Sanidade Vegetal e Insumos Agrícolas, no âmbito da Secretaria de Defesa Agropecuária do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento, e executado pelos Órgãos Estaduais de Defesa Sanitária Vegetal, sob supervisão das Superintendências Federais de Agricultura, Pecuária e Abastecimento nas respectivas unidades da federação.
  • Os registros dos dados relativos ao monitoramento da ocorrência da praga deverão ser armazenados em sistema informatizado próprio, disponibilizado e publicado em sítio eletrônico pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento.
  • Fica instituída a estratégia de vazio sanitário como uma das medidas fitossanitárias para o controle da pragaPhakopsora pachyrhizi.

– Entende-se por vazio sanitário o período definido e contínuo em que não se pode semear ou manter plantas vivas de uma espécie vegetal em uma determinada área, com vistas a redução do inóculo de doenças ou população de uma determinada praga.

– A Secretaria de Defesa Agropecuária deverá estabelecer anualmente, em ato normativo próprio, os períodos de vazio sanitário em nível nacional, com pelo menos 90 (noventa) dias sem a cultura e plantas voluntárias no campo, incluindo a semeadura.

– Ficam mantidos os períodos de vazio sanitário previamente estabelecidos para o ano de 2021, na data de entrada em vigor desta Portaria.

  • Fica instituído o calendário de semeadura de soja, como medida fitossanitária complementar para racionalização do número de aplicações de fungicida e redução dos riscos de desenvolvimento de resistência do fungo Phakopsora pachyrhiziàs moléculas químicas utilizadas como fungicidas para o controle da Ferrugem Asiática da Soja.
  • Ficam proibidos a semeadura e o cultivo de soja em sucessão à soja, na mesma área e no mesmo ano agrícola.

Zoneamento agrícola do algodão herbáceo para safra 2021/2022

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento publicou dia 19 de maio as portarias com o Zoneamento Agrícola de Risco Climático (Zarc), ano-safra 2021/2022, para o cultivo do algodão herbáceo.

As Portarias indicam os Estados contemplados: Distrito Federal, Goiás, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, Bahia, Maranhão, Piauí, Acre, Rondônia, Tocantins, Espirito Santo, Minas Gerais, Rio de Janeiro, São Paulo, Paraná, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.

Entre as principais características climáticas para o perfeito desenvolvimento do algodoeiro destaca-se a precipitação pluvial, que deve ser de 700 mm a 1300 mm, sendo que 50% a 60% de suas necessidades hídricas devem ocorrem no período de floração e formação do capulho.

Vazio sanitário do algodão

Visando prevenir a proliferação de pragas e doenças, em especial o bicudo-do-algodoeiro, alguns estados têm legislação que proíbe a existência de plantas vivas de algodão em determinados períodos. O estudo de Zarc leva em conta essas janelas e procura compatibilizar o período de plantio e de colheita para não haver plantas vivas de algodão no período de vazio sanitário. Além disso, em estados onde não existe a regra do vazio sanitário, a metodologia do zoneamento foi estendida levando em conta a legislação dos estados que dispõem, de forma a preservar a eficácia do vazio em regiões fronteiriças.

Saiba como funciona o Zarc no vídeo abaixo.

Nova ferramenta para o monitoramento e controle da mosca das frutas

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) publicou, dia 14 de maio, a Portaria nº 299 com nova Especificação de Referência (ER) para o manejo da mosca das frutas.

A ER, 48ª da lista, traz as especificações e garantias mínimas para o registro de produtos fitossanitários à base de proteína hidrolisada da mucosa intestinal de suíno, ingrediente ativo, até então, inédito nesse tipo de regulamento. A publicação da ER 48 amplia o número de substâncias que evocam respostas comportamentais ou fisiológicas nos organismos receptores.

A proteína hidrolisada é colocada em armadilhas com a função de atrair as moscas que acabam sendo capturadas e morrendo no interior dessas estruturas. O monitoramento através das armadilhas é fundamental para o manejo racional dos produtos utilizados no controle da mosca.

Embrapa e setor industrial tentam expandir o trigo tropical no Brasil Central

Visando atender a demanda por tecnologias adaptadas ao cultivo de trigo tropical, em 2012, a Embrapa instalou em Uberaba, MG, o Núcleo Avançado de Trigo Tropical, onde uma equipe de pesquisadores e assistentes desenvolvem ações em melhoramento genético, manejo e transferência de tecnologia para trigo tropical. O trabalho envolve a parceria com produtores, indústria moageira e institutos federais de pesquisa.

De acordo com a Conab, a área com trigo tropical foi inferior a 300 mil hectares em 2020, somados os cultivos das regiões Centro-oeste (estados de GO, MS e DF), Sudeste (SP e MG) e Nordeste (BA). Contudo, estimativas da Embrapa indicam uma área superior a 4 milhões de hectares (ha) com potencial para o cultivo de trigo no ambiente do Cerrado, sendo 1,5 milhão de hectares disponíveis para o cultivo irrigado e 2,5 milhões para cultivo de sequeiro.

Achou interessante?  Conheça também a cultivar de Trigo BRS 394, desenvolvida para o Cerrado do Brasil Central, clicando aqui.

MERCADO

Exportação brasileira de café

O panorama das exportações de café foi divulgado pelo Relatório mensal (abril 2021) do Conselho dos Exportadores de Café do Brasil – Cecafé, o qual também está disponível no Observatório do Café, do Consórcio Pesquisa Café coordenado pela Embrapa Café.

Segundo o relatório, as exportações em doze meses (de maio de 2020 a abril de 2021), atingiram um volume físico total equivalente a 45,88 milhões de sacas de 60kg, com preço médio unitário de US$ 125,76, e receita cambial de US$ 5,77 bilhões. Desse volume, 41,82 milhões de sacas foram de café verde, 4,03 milhões o equivalente a sacas de café solúvel e 25,09 mil de café torrado e moído.

No mês de abril deste ano, foram exportadas 3,33 milhões de sacas de café de 60 kg, número que representou uma queda de 8,5% no volume exportado, quando comparado com o registrado no mesmo mês de 2020.

Indicadores Cepea – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada

Produto

Panorama da última semana

Arroz O preço do arroz em casca está em queda (1,74%), encerrando a R$ 83,12/sc de 50 kg na terça-feira, 18.

Este cenário é decorrente da elevação na oferta do Rio Grande do Sul, maior produtor brasileiro, que deve somar 8,2 milhões de toneladas, com aumento de 4,3%. Quanto à demanda, compradores seguem adquirindo apenas volumes para a reposição de estoques.

Algodão em pluma As cotações seguem em alta (0,93%), fechando a R$ 5,1970/lp nessa terça-feira, 18. No mês, o avanço é de 0,52%.

A disputa entre compradores e vendedores continua, com negócios envolvendo lotes de pequenos volumes para atender às necessidades imediatas e/ou para o cumprimento de contratos.

Etanol Semana de alta no estado de São Paulo, devido à demanda aquecida. O Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado fechou a R$ 3,0488/litro, avanço de 4,19%.

No caso do etanol anidro, a elevação foi de 5,59%, fechando em R$ 3,4935/litro. Os negócios de etanol anidro no spot seguem aquecidos em função das transferências de produto para o Nordeste, que está em entressafra.

Açúcar O açúcar cristal continua em alta (0,97%) no mercado paulista. A saca de 50 kg foi negociada por R$ 115,00/saca. As usinas continuaram restringindo a oferta para as vendas à vista, aumentando o preço.
Soja Os preços externos da soja em grão atingiram na semana passada os maiores patamares nominais desde setembro de 2012.

O movimento de alta esteve atrelado a expectativas de maior consumo de soja nos Estados Unidos e aos baixos estoques naquele país. Cenário que elevou a movimentação nos portos brasileiros.

Quanto aos preços, os Indicadores ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá e CEPEA/ESALQ Paraná da soja cederam ligeiro 0,37% e 0,94%, respectivamente, fechando a R$ 176,84 e a R$ 171,88/sc de 60 kg na sexta-feira, dia 14.

Milho As cotações se mantiveram em alta. Muitos compradores com necessidade de repor estoques de curto prazo, por sua vez, acabam cedendo aos maiores preços.

Relatório divulgado na semana passada pela Conab indica que a produtividade média nacional pode cair 3,3% nesta safra frente à anterior.

Precipitações foram registradas em algumas regiões produtoras na semana passada. Mas ainda foram insuficientes para sanar as preocupações quanto ao déficit hídrico, especialmente no Paraná, em Mato Grosso do Sul e algumas áreas do Sudeste.

Boi A grande demanda externa, principalmente chinesa, tem mantido as exportações mensais brasileiras de carne bovina acima de 100 mil toneladas.

Cenário que proporciona o aumento contínuo nos preços do boi gordo, da reposição e também da carne negociada no mercado atacadista nacional.

Em 2020 a arroba superou os R$ 300 e nos primeiros cinco meses de 2021, o boi gordo tem sido comercializado em torno de R$ 310. Já na B3, os contratos com vencimento no final deste ano operam na casa dos R$ 330.

Suíno A menor demanda interna desde o início deste mês, pressiona as cotações e reduz a demanda da indústria por novos lotes de animais.

As exportações tiveram forte recuo na segunda semana de maio, reforçando o cenário de baixa.

O receio de novas elevações nas cotações do milho e a dificuldade de aquisição no mercado spot faz com que suinocultores não consigam segurar animais na granja, ofertando-os a valores reduzidos para escoar a produção.

Fonte: www.cepea.esalq.usp.br

TECNOLOGIA

Cobertura de internet pode aumentar o Valor Bruto da Produção em até R$ 100 bilhões

O estudo desenvolvido pela Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz (Esalq/USP), “Cenários e Perspectivas da Conectividade para o Agro” apresenta cenários para a cobertura de internet no modelo telecom (sinal 2G, 3G, 4G) em um horizonte até o ano 2026.

Atualmente apenas 23% do espaço agrícola brasileiro possui algum nível de cobertura por internet e, mesmo assim, o Brasil consolidou-se como potência agroambiental no cenário mundial. Os resultados do estudo indicam que com a ampliação da conectividade nas áreas rurais, o Brasil passará por grande transformação na forma de produzir no campo e criará novos paradigmas para o setor.

Em um primeiro cenário seria aproveitada a capacidade de transmissão de 4.400 torres já existentes no Brasil. Isso permitiria ampliar a cobertura atual de 23% nas áreas rurais para 48% de iluminação de sinal no território agrícola nacional, proporcionando um aumento de 4,5% do Valor Bruto de Produção (VBP). Um segundo cenário compreende a instalação de 15.182 novas torres, que seriam suficientes para suprir uma cobertura final de 90% da demanda de conectividade no campo e traiam um acréscimo de 9,6% no VPB.

Com o VPB projetado de R$ 1,057 trilhão, atualmente, a conectividade rural pelo modelo telecom contribuiria para o incremento de R$ 47,56 bilhões e R$ 101,47 bilhões para o primeiro e segundo cenários, respectivamente.

Ouça a matéria na Rádio Mapa

SUSTENTABILIDADE

Sistema de produção Carne Baixo Carbono permite aumentar lotação no pasto

O protocolo desenvolvido pela Embrapa para produção de carne com baixa emissão de carbono, a Carne Baixo Carbono (CBC) ou Low Carbon Brazilian Beef (LCBB), possibilitou um aumento muito significativo tanto na lotação quanto no ganho de peso.

Os resultados do projeto indicam que utilizando o protocolo é possível uma lotação de 4,34 unidades animal (UA) por hectare contra 1,93 UA/ha no manejo convencional. Além disso, o ganho de peso também foi ligeiramente superior, com 154 kg obtidos por cabeça em um ano, contra 149 kg na área com manejo convencional.

Densidade maior também permitiu maior produtividade por área: crescimento de 163% em peso de carcaça produzido por hectare.

Desempenho é atribuído às boas práticas agropecuárias como a fertilização dos pastos, suplementação estratégica, manutenção da altura de manejo adequada e cobertura do solo da pastagem sempre acima de 80% da área.

De acordo com a pesquisadora da Embrapa Pecuária Sul (RS), Márcia Silveira, que coordena o trabalho de validação do protocolo, a CBC busca valorizar sistemas pecuários que não possuem o componente florestal, mas que apresentam potencial de mitigação das emissões de gases de efeito estufa por meio do adequado manejo da pastagem e adoção de boas práticas agropecuárias.

Ver mais: https://www.embrapa.br/en/busca-de-noticias/-/noticia/61446348/protocolo-inedito-carne-baixo-carbono-permite-aumentar-lotacao-no-pasto-com-sustentabilidade

 Floresta Nacional do Amana terá edital de concessão

O Serviço Florestal Brasileiro está preparando edital para a concessão florestal da Floresta Nacional (Flona) do Amana – Lote III, no Pará.

A proposta da concessão dessa Flona, pretende disponibilizar 228 mil hectares de florestas para a prática do manejo florestal, que será realizado por empresas do setor madeireiro, cooperativas e associações vencedoras de um processo de concorrência pública, baseados em critérios técnicos e de preço.

Estima-se que a concessão na Flona do Amana gere, anualmente, cerca de 470 empregos diretos e 940 empregos indiretos, todos formalizados, garantindo os direitos trabalhistas.

Ver mais: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/noticias/servico-florestal-apresenta-proposta-de-edital-para-concessao-da-floresta-nacional-do-amana

CLIMA

Previsão de chuva

De acordo com o modelo numérico do INMET, as chuvas deverão ser mais significativas em parte das regiões Norte e Sul do Brasil.

Região

Previsão

Sul São previstos acumulados de chuva em torno de 5 a 30 mm, podendo alcançar 60 mm em algumas áreas ao oeste do Rio Grande do Sul.
Sudeste Não há previsão de chuva significativa.
Nordeste Os maiores acumulados estão previstos para o norte dos estados do Maranhão com totais entre 20 e 60 mm. Também há possibilidade de ocorrer chuva em toda a faixa litorânea, entre os estados de Alagoas e Sergipe, porém com acumulados de no máximo 10 mm.
Centro-Oeste Os maiores acumulados de chuva, em torno de 20 mm, estão previstos para o norte do Mato Grosso. Nas demais áreas da região, as chuvas serão escassas.
Norte Previsão de chuva em praticamente toda região, com acumulados variando entre 20 e 100 mm. Os maiores acumulados de chuva estão previstos para os estados do Amazonas, Pará, Roraima e Amapá.
MATOPIBA Não há previsão de chuva.

 

 

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu