AlgodãoCuradoria
0

Uso de remineralizador de solo no manejo da adubação do algodoeiro

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Uso de remineralizadores de solo no manejo da adubação do algodoeiro

Hoje o tema da curadoria é o uso de remineralizadores de solo. Para abordar o assunto, trouxemos um trabalho de COSTA et al. (2023), que avaliou o uso de um remineralizador de solo formado por biotitaxisto e serpentinito na cultura do algodoeiro.

Os pós de rocha são remineralizadores de solo advindos das atividades de mineração. Esses subprodutos são ricos em nutrientes essenciais às plantas, como fósforo, potássio, cálcio e magnésio.

O princípio do uso dos remineralizadores é o de recuperar as propriedades químicas, físicas ou biológicas do solo, através da aplicação de uma ou mais rochas finamente moídas. Na verdade, trata-se da reprodução de um processo natural de formação do solo a partir de rochas matrizes, que ocorre naturalmente ao longo de milhares de anos. Mas que no caso dos remineralizadores, passa a uma escala de tempo agronômica.

São vários os benefícios trazidos pelo uso de pós de rocha na agricultura: são ricos em macro e micronutrientes; como disponibiliza os nutrientes de forma gradativa e contínua, reduz as perdas por lixiviação, aumentando a eficiência do uso; aumenta a CTC do solo; deixa o pH em torno da neutralidade; estimula a atividade bio- lógica do solo; deixa as plantas mais resistentes às pragas e doenças e são mais baratos do que os fertilizantes industrializados solúveis.

Há ainda co-benefícios potenciais que podem ser trazidos pelos pós de rocha: aumento do sequestro de carbono, uma vez que o intemperismo de minerais silicatados naturalmente consome CO2, o que regula o ciclo do car- bono no globo terrestre; redução nas emissões de nitrogênio, uma vez que os pós de rocha silicatados podem decrescer as emissões agrícolas de óxido nitroso (N2O) e amônia (NH4), ambos considerados comprometedores dos sistemas agrícolas sustentáveis; e fornece silício para a resistência das plan- tas aos estresses bióticos e abióticos, apesar do Si não ser considerado um elemento essencial e sim benéfico (Swoboda et al., 2022).

Pó de rocha – MB-4

O MB-4 é uma mistura de duas rochas: o biotitaxisto e o serpentinito na proporção de 1:1 (Pontes et al., 2005), contendo os minerais feldespato, an- tigorita, talco, clorita e quartzo (Chaves; Mendes, 2016). Consiste em um pó finamente moído que começou a ser comercializado em 1985 pela Mineração Barretos de Arapiraca, estado de Alagoas, sendo rico em silício, fósforo, po- tássio, cálcio, magnésio, enxofre e micronutrientes (Mendoza-Rodriguez, 2018). Conforme o catálogo da empresa, este produto aumenta o pH dos solos e a disponibilidade de nutrientes às raízes (Chaves; Mendes, 2016).

Tabela 1. Composição química do remineralizador MB-4.

Substância %
SiO2 39,73
MgO 17,82
Al2O3 7,100
Fe2O3 6,860
CaO 5,900
Na2O 1,480
K2O 0,840
S 0,180
P2O5 0,075
Mn 0,074
Cu 0,029
Co 0,029
Zn 0,030

Fonte: Chaves e Mendes (2016).

Aplicação do remineralizador

Para avaliar o efeito do remineralizador, foram aplicadas duas doses: 0 e 100kg/ha do remineralizador MB-4.

Antes da semeadura, ocorreu a primeira aplicação dos tratamentos seguida da abertura das covas e colocação de 4 sementes/cova.

A demanda hídrica da cultura foi totalmente suprida pelas chuvas.

Aos 80 dias após a emergência (DAE) ocorreu a segunda aplicação dos tratamentos e, aos 90 DAE, a tomada da altura das plantas da área útil de todas as parcelas do experimento. Para isso, utilizou- se uma trena simples, obtendo-se a altura do colo da planta rente ao solo até a posição do ápice.

Aos 93 DAE, realizou-se a colheita do algodão em caroço.

Resposta à aplicação do remineralizador

Tabela 2.  Altura, matéria seca total e produtividade do algodoeiro BRS 286 em função da aplicação do MB-4  cultivado em associação agroecológica com culturas alimentares e forrageiras no Território do Alto Sertão Alagoano.

 

Dose

 

Altura (cm)

Matéria seca total

(g/planta)

 

Produtividade (kg/ha)

0 kg/ha 21,32 b 7,30 a 152,57 b
100 kg/ha 29,55 a 10,15 a 237,47 a
  • A produtividade de algodão em caroço foi aumentada pela aplicação do pó de rocha MB-4.
  • O pó de rocha MB-4 é uma alternativa viável para a produção de algodão herbáceo em consórcios agroecológicos no Semiárido.

 

Adubação solúvel X Remineralizadores de solo

Os remineralizadores são altamente compatíveis com os fertilizantes solúveis convencionais. Muitos grupos (produtores, técnicos ou pesquisadores) tomam uma posição de incompatibilidade de uso, pois defendem aspectos ideológicos característicos de um sistema de produção específico (orgânica, agroecológica, convencional, etc…). Entretanto, uma das grandes vantagens dos remineralizadores é justamente potencializar o efeito dos fertilizantes solúveis. Essa sinergia geralmente contribui para a diminuição das doses de fertilizantes solúveis ao longo de vários cultivos.

Os fertilizantes sintéticos solúveis possuem como principal característica a pronta disponibilidade dos nutrientes, entretanto, isso pode causar grandes perdas dependendo das condições do ambiente. Por outro lado, os remineralizadores apresentam liberação lenta dos nutrientes e tendência de incremento da CTC (capacidade de troca de cátions) do solo. Desta forma, pode-se dizer que os dois tipos de insumos atuam de forma complementar, pois a combinação dos dois pode garantir o fornecimento de nutrientes de forma imediata, a médio e longo prazo e o aumento da CTC, ocasionada pelo remineralizador, reduz a perda dos nutrientes aportados pelos fertilizantes solúveis.

Solos remineralizados e equilibrados do ponto de vista de suas características químicas, físicas e biológicas, tornam-se altamente eficientes no aproveitamento dos fertilizantes aplicados, seja na forma de remineralizador ou de fontes altamente solúveis.

Um exemplo é o efeito dos silicatos (fornecidos por rochas silicatadas), que competem com o fosfato pelos mesmos sítios de fixação nos coloides da fração argila dos solos, fato que contribui para um aumento da disponibilidade de fósforo na solução do solo, uma vez que o silicato ocupa grande parte destes sítios deixando o fósforo disponível.

O estudo realizado por CARNEIRO et al. (2016), com doses do remineralizador siltito e do superfosfato triplo, indicou que os teores de P disponível resultante da aplicação de siltito com 30% de P2O5 e do superfosfato triplo foram iguais.

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

COSTA, M. M. M. N.; MEDEIROS, J. da C.; PEREIRA, J. R.; SABOYA, R. de C. C.; SANTOS, J. W. dos. Adubação com biofertilizante e pó de rocha para o algodoeiro herbáceo em consórcio agroecológico com culturas alimentares e forrageiras. Campina Grande : Embrapa Algodão, 2023. 20p.

ARAÚJO JÚNIOR, B. B.; MELO, A. E.; MATIAS, J. N. R.; FONTES, M. A. Avaliação de variedades crioulas de milho para produção orgânica no Semiárido potiguar. Holos, ano 31, v. 3, p. 102-108, 2015.

ARIF, M.; AHMED, W.; HAQ, T. U.; JAMSHAID, U.; IMRAN, M.; AHMAD, S. Effect of rock phosphate based compost and biofertilizer on uptake of nutrients, nutrient use efficiency and yield of cotton. Soil and Environment, v. 37, n. 2, p. 129-135, 2018.

BEZERRA, R. P. M.; LOSS, A.; PEREIRA, M. G.; PERIN, A. Formas de carbono em latossolo sob sistemas de plantio direto e integração lavoura-pecuária no cerrado, Goiás. Semina: Ciências Agrárias, v. 34, n. 6, p. 2637-2654, 2013.

CARDOSO, A. I. I.; JOVCHELEVICH, P.; MOREIRA, V. Produção de sementes e melhoramento de hortaliças para a agricultura familiar em manejo orgânico. Revista NERA, v. 14, n. 19, p. 162-169, 2011.

CARTAXO, W. V.; GUIMARÃES, F. M.; SOARES, J. J.; BELTRÃO, N. E. de M. Potencialidades da Produção de Algodão pela Agricultura Familiar do Nordeste. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2008. 28 p. (Embrapa Algodão. Documentos, 202).

CASTRO, P. R. C.; ANDRADE, J. F. Ácidos húmicos e fúlvicos: a resposta na citricultura. Campo & Negócios, 2019. Disponível em: https://revistacampoenegocios.com.br/acidos- humicos-e-fulvicos-a-resposta-na-citricultura/. Acesso em: 07 jul. 2021.

CELY, M. V. T.; OLIVEIRA, A. G. de; FREITAS, V. F. de; LUCA, M. B. de; BARAZETTI, A. R.; SANTOS, I. M. O. dos; GIONCO, B.; GRCIA, G. V.; PRETE, C. E. C.; ANDRADE, G. Inoculant of Arbuscular Mycorrhizal Fungi (Rhizophagus clarus) increase yield of soybean and cotton under field conditions. Frontiers in Microbiology, v. 25, 2016. Disponível em: https://www. frontiersin.org/articles/10.3389/fmicb.2016.00720/full. Acesso em: 06 jul. 2021.

CHAVES, L. H. G.; MENDES, J. da S. Interpretação das características químicas dos solos, submetidos à incubação com biocarvão e pó de rocha MB-4. Revista Espacios, v. 37, n. 30, p. 18, 2016.

COSTA, M. M. M. N.; FREIRE, R. M. M.; BARROS, M. A. L. Adubação para consórcios agroecológicos de algodão com culturas alimentares. Campina Grande: Embrapa Algodão, 2021. 30 p. (Embrapa Algodão. Documentos, 286).

GUAZZELLI, M. J. B.; RUPP, L. C. D.; VENTURINI, L. Biofertilizantes. Bento Gonçalves: MDA/IBRAVIN, 2012. 13 p. (MD/IBRAVIN. Publicação Técnica, 1).

MACIEJEWSKI, P.; RAMM, A.; OLIVEIRA, B. A. dos S.; MATTOS, M. G. de; SCHUCH, M. W.; ASSIS, A. M. de. Substâncias húmicas na propagação in vitro de marmeleiro ‘alongado’. In: ENCONTRO DE PÓS-GRADUAÇÃO, 21: SEMANA INTEGRADA, 5, 2019, Pelotas. Anais…Pelotas: UFPEL, 2019.

MACIEJEWSKY, P.; ASSIS, A. M. de; RAMM, A.; OLIVEIRA, B. A. dos S.; ESPINOSA, S. I. de L.; SCHUCH, M. W. Collection positions in the branch, humic substances and indolebutyric acid in ‘Arbequina’ olive minicuttings. Revista Brasileira de Fruticultura, v. 43, n. 6, e-803, 2021.

MENDONZA-RODRIGUEZ, E. Rochagem na Agricultura Biodinâmica. Botucatu: Instituto Elo, 2018. Disponível em: https://elo.org.br/blog2019/845-rochagem-na-agricultura- biodin%C3%A2mica. Acesso em: 22 jun. de 2021.

OLIVEIRA, S. R. M. de; ANDRADE JÚNIOR, A. S. de; RIBEIRO, V. Q.; MORAIS, E. L. da Desempenho produtivo de algodão em monocultivo e consorciado com feijão-caupi em resposta à disponibilidade hídrica no solo. Comunicata Scientiae, v. 4, 2012.

PEROZINI, A. C.; ALMEIDA JÚNIOR, J. J.; SMILJANIC, K. B. A.; MATOS, F. S. A.; SILVA, A. R. da; GOMES, J. P. S. Basalto “Gabro” como fertilizante na cultura do algodão em substituição ao fertilizante mineral. In: COLÓQUIO ESTADUAL DE PESQUISA MULTIDISCIPLINAR, 4; CONGRESSO NACIONAL DE PESQUISA MULTIDISCIPLINAR, 2, 2019, Mineiros. Anais…Mineiros: Unifimes, 2019.

PONTES, A. S. C.; ARAÚJO, F. P. de; ARAÚJO, J. F.; MOUCO, M. A.; VILLAS BOAS, R. L.; FERNANDES, D. M. Emprego do pó de rocha MB-4 sobre a produção do coentro. Brasília: Embrapa, 2005. (Publications). Disponível em: https://ainfo.cnptia.embrapa.br/digital/bitstream/ CPATSA/32387/1/OPB145.pdf. Acesso em: 22 jun. 2021.

ROMERO-PERDOMO, F.; ABRIL, J.; CAMELO, M.; MORENO-GALVÁN, A.; PASTRANA, I.; ROJAS-TAPIAS, D.; BONILLA, R. Azotobacter chroococcum as a potentially useful bacterial biofertilizer for cotton (Gossypium hirsutum): Effect in reducing N fertilization Azotobacter chroococcum como biofertilizante bacteriano potencialmente útil para el algodón (Gossypium hirsutum L.): efecto en la reducción de la fertilización nitrogenada. Revista Argentina de Microbiología, v. 49, n. 4, p. 377-383, 2017.

SILVA, G. dos S.; OLIVEIRA, R. A. de; QUEIROZ, N. L.; SILVA, M. N. B. da; SOUSA, M. F. de; SILVA, S. A. da. Desempenho agronômico de algodão orgânico e oleaginosas consorciados com palma forrageira. Revista Brasileira de Engenharia Agrícola e Ambiental, v. 17, n. 9, p. 975-981, 2013.

SWOBODA, P.; DÖRING, T. F.; HAMER, M. Remineralizing soils? The agricultural usage of silicate rock powders: A review. Science of the Total Environment, v. 807, n. 3, e-150976, 2022.

YUPENG, W.; YUFEI, L.; YI, Z.; YANMENG, B.; ZHENJUN, S. Responses of Saline Soil

Properties and Cotton Growth to Different Organic Amendments. Soil Science Society of China, v. 28, n. 3, p. 521-529, 2018.

ZHU, Y.; WANG, H.; LV, X.; ZHANG, Y.; WANG, W. Effects of biochar and biofertilizer on cadmium-contaminated cotton growth and the antioxidative defense system. Scientific Reports, v. 10, n. 1, p. 20122, 2020.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: algodão, Desenvolvimento sustentável, fertilidade do solo, Forragem, Nutrição Vegetal, Produção Agrícola, Produção de alimentos, seca

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  
LinkedIn
YouTube
Instagram