AgronegóciosProf. Dr. Omar Sabbag
0

Taxa pré ou pós-fixada?

Noticias Agro

(Transcrição Vídeo)

Olá! Tudo bem?

Sou o professor Omar Sabbag da Unesp de Ilha Solteira e atuo na área de economia e gestão do agronegócio, e estou fazendo uma série de vídeos curtos sobre a importância das finanças a quem produz. E hoje eu vou falar um assunto muito importante.

Imagina aquele produtor, aquele gestor rural, que vai lá no seu gerente do banco, e o gerente propõe aí um investimento com uma rentabilidade. Mas essa rentabilidade muitas vezes o produtor fica pensando: O que é uma taxa pré e o que é uma taxa pós?

Então imagine então que o gerente ofereça uma taxa de 7,3% ao ano num produto e um outro produto com 210% de CDI, isso num prazo de três anos. Aí algumas pessoas podem perguntar: Pô, mas 210% é muito expressivo, provavelmente deve ser muito mais atrativo do que os 7,3% ao ano. Será?

Então vamos ver, a princípio, o que que representa a diferença entre prefixado e pós-fixado. Uma taxa prefixada, a gente já sabe que é uma rentabilidade pré definida, a gente já sabe quanto que vai render o dinheiro, desde o seu início. Só que tem um detalhe, pode perder para inflação, imagina se aumentar a inflação, a taxa já é fixa, ou seja, já é pré-fixada então não tem como mudar. Claro que é um pouco mais arriscado, sem dúvida né, porque se aumentar muito inflação você vai perder para inflação e geralmente a sua unidade é percentual ao ano, como é o caso que eu mencionei aqui para vocês, 7.3%.

Já no caso de uma taxa pós-fixada, a rentabilidade ela varia por um determinado indexador, neste caso, aqui em particular foi o CDI. CDI é um indexador muito utilizado pelos bancos em alguns produtos, evidentemente de investimento. Só que é claro, você só vai saber realmente o rendimento de fato ao final desse período, no caso aqui, de 3 anos. A vantagem que é difícil perder para inflação, muitas vezes, além do percentual ser pelo CDI, mas também pode ser pelo IPCA, que é um outro indexador de inflação, pode ser o indicador da taxa básica de juros, que é a Selic, então tudo vai depender.

Então vamos imaginar o seguinte, o gerente então coloca para vocês dois produtos, um produto é a Letra de Crédito do Agronegócio que é o LCA, lembrando que o LCA é isento de imposto de renda,  então ele te oferece um LCA de 7,3% ao ano, ou então um CDB que pague 210% do CDI no período de três anos. Assim vamos saber qual é o melhor.

O primeiro ponto, a gente precisa enxergar, tem uma fórmula básica e simples para tudo isso. Nós temos que pegar a taxa, no caso do CDB pré, então imagina que seja 7,3% nesse CDB, e divide pela taxa do CDI. Então eu pego os 3.84 que seria a razão 7.3/1.9 x 100 = 384% do CDI. Detalhe, duas vantagens nós temos aí, o LCA não tem imposto de renda, o CDB tem imposto de renda regressivo e outra vantagem, o LCA deu 384% do CDI, significa que esse CDI, a princípio atrativo, ele deveria chegar aos 384% do CDI para compensar essa taxa pré-fixada. Só para vocês terem uma ideia de valores.

Aí eu fiz uma simulaçãozinha simples aqui, considerando a nossa taxa Selic de 2% ao ano, então nós temos alguns produtos aqui de renda fixa, o mais clássico é a poupança lembrando que em R$ 10.000 após um ano a 1.4% eu vou ter R$ 140 de juros. Um produto com 100% do CDI eu vou ter 10.157, ou seja, é um rendimento de 1.57 já descontado a dedução de 17,5% do imposto de renda. Para você ter uma ideia nós temos aqui nessa tabela, conforme você amplia o seu período de investimento, a alíquota reduz por isso que é um imposto de renda regressivo. Então no caso aí, passou aí de um ano já 366 dias, 17,5%. Tá bom? Para 120% do CDI, olha para você ter uma ideia, para 120% do CDI, isso em relação ao valor de poupança, dá 41% a mais no rendimento final.

Então imagine se a gente for ver aí esse LCA. Claro que esses valores aqui se vocês forem observar hoje, com essa taxa Selic, eles não são tão atrativos assim nos bancos comerciais né, mas nós temos as fintechs, que são os bancos digitais e que nesses bancos digitais vocês acabam certamente achando rentabilidades muito próximas desse exemplo que eu coloquei aqui para vocês. Por isso que é bom a gente poder conhecer quando a gente trabalha com finanças, quando a gente trabalha no nosso dia a dia no campo, o quanto que a gente consegue evidentemente guardar e quanto que a gente consegue investir. Mas também conhecer onde investir, qual é a rentabilidade, qual é o tipo de taxa e qual é mais atrativo ao final. Eu sei que são muitas informações, eu só coloquei apenas esse único exemplo para vocês.

Então a gente não pode de imediato enxergar aquela taxa que o gerente nos mostra, a gente precisa conhecer a conversão de uma taxa pré em relação a uma taxa pós-fixada, e a partir daí também, enxergar se este produto é isento ou não de imposto de renda, e detalhe, as vezes alguns produtos também que tem a incidência do imposto de renda, mesmo assim, eles acabam sendo até mesmo os mais atrativos do que alguns que são isentos. Tudo isso vai depender em função da rentabilidade da taxa que é correspondente àquele período.

Tá bom pessoal? Fica essa dica para vocês! Espero que tenham gostado e sigamos aí com novos vídeos.

Um grande abraço a todos e até o próximo vídeo!

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

setembro 2021
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu