Principais doenças da cultura da videira: Míldio, Oídio e Ferrugem

Principais pragas e doenças da cultura da videira: Míldio, Oídio e Ferrugem

A vitivinicultura brasileira é uma atividade importante para a sustentabilidade da pequena propriedade no Brasil, que tem se tornado igualmente relevante no que se refere ao desenvolvimento de algumas regiões, grandes empreendimentos envolvidos no ramo também contribuem com a geração de emprego, tanto na produção de uvas de mesa e uvas para processamento. Entretanto, esta cultura apresenta elevada sensibilidade a patógenos que podem afetar negativamente à produção da cultura da videira, destacando-se os ligados às doenças.

Na cultura da videira (Vitis L.) ocorre uma série de problemas fitossanitários, causando prejuízos aos produtores e influenciando principalmente a produtividade, a estética dos frutos e a qualidade de vinhos, sucos, passas, geléias, etc. Entre esses problemas, destacam-se principalmente o míldio e o oídio como doenças foliares, e a podridão amarga e  o mofo cinzento em frutos.

1. MÍLDIO

Causado pelo Plasmopara viticola (Berk & Curtis) Berl & de Toni, o míldio é considerado a doença mais importante e destrutiva da videira. Ataca todos os órgãos verdes e tenros da planta, tais como ramos, brotos, flores, bagas e, principalmente, as folhas, nas quais, inicialmente, aparecem manchas encharcadas, que vistas contra a luz dão a impressão de mancha de óleo.

Posteriormente, essas manchas apresentam um crescimento pulverulento de cor branca, na face inferior da folha. Em condições favoráveis, os ataques podem ser intensos, provocando a desfolha generalizada das plantas, a deformação dos ramos, a seca e queda de flores. As bagas ficam recobertas por um pó branco constituído de frutificações  do patógeno.

Sintoma de míldio na folha. Fonte: Embrapa Uva e Vinho (Foto: O.R. Sônego)

A doença é favorecida por chuvas superiores a 10 mm durante um a dois dias e temperaturas entre 18 e 22ºC. A forma de condução baixa dos vinhedos, com vegetação densa e irrigação são fatores favoráveis ao aparecimento da doença, pois proporcionam um microclima ideal para o desenvolvimento do patógeno.

Controle:

  • Quando possível optar por cultivares com algum nível de resistência. De modo geral, as cultivares americanas e seus híbridos são menos suscetíveis que as europeias.
  • Instalar o vinhedo em áreas livres do acúmulo de umidade, neblinas, fontes de água, etc.
  • Utilizar adubações equilibradas evitando sempre o excesso de nitrogênio. Tecidos tenros são mais suscetíveis à doença.
  • Evitar plantios adensados e realizar podas adequadas, de forma a conter o acúmulo de umidade nas folhas e frutos, bem como facilitar a circulação de ar entre as plantas.
  • Fazer uso do tratamento de inverno (Calda sulfo-cálcica).
  • Eliminar e destruir restos de cultura.
  • Em cultivos protegidos, favorecer a circulação de ar no interior das estufas.
  • Utilizar os fungicidas: calda bordalesa, oxicloreto de cobre, hidróxido de cobre, clorotalonil, captana, folpete, ditianon, mancozebe sulfato de cobre + cal virgem (calda bordalesa), manebe, metalaxil, benalaxil, cimoxanil, famoxadona, fenamidona, piraclos- trobina, azoxistrobina, dimetomorfe, ciazofamida e fluopicolide, alternando sempre produtos sistêmicos com os de contato. Sempre observar se o registro do produto está atualizado.
  • Aplicação preventiva de fosfitos. Registrados como fertilizantes, os fosfitos apre- sentam propriedades sistêmicas e caracterizam-se por estimular o crescimento das plantas, por possuírem ação fungicida sobre oomicetos e estimular a produção de fitoalexinas (compostos produzidos pela planta capazes de reduzir ou inibir a infecção).

2. OÍDIO

É uma doença de relativa importância, causada pelo fungo Uncinula necator (Schwein.) Burril, ataca todos os órgãos verdes e tenros da planta. Nas folhas, ocorre a formação de um crescimento pulverulento de cor branco acinzentada em ambas as faces. A frutificação torna-se reduzida em consequência da queda de flores, os frutos se desenvolvem pouco e podem rachar.

Sintoma de oídio nas folhas. Fonte: Embrapa Uva e Vinho (Foto: O.R. Sônego)

É um parasita obrigatório favorecido por clima seco e ameno, com temperatura pa- ra infecção e colonização entre 20 – 27ºC. Temperaturas acima de 35ºC inibem o desen- volvimento do patógeno, bem como chuvas fortes, pois retiram os conídios da superfície do hospedeiro. A doença pode ser mais severa em cultivos protegidos.

Controle

  • O vinhedo deve ser instalado em locais ventilados e ensolarados.
  • Utilizar a poda, destruir os restos de cultura, juntamente com o tratamento de inver no (Calda sulfo-cálcica).
  • Utilizar pulverizações com fungicidas registrados à base, ciproconazol, cresoxim- metílico, piraclostrobina, boscalida, tebuconazol, tetracozanol, difenoconazol, tiofanato metílico, miclobutanil, triflumizol, fenarimol e enxofre. As pulverizações com enxofre devem evitar sempre temperaturas elevadas (25 a 30°C) ou abaixo de 18°C, caso contrário podem ser fitotóxicas. Sempre observar se o registro do produto está atualizado.
  • O controle biológico da doença pode ser feito com formulações de Bacillus umilus.
  • Extrato de folhas de Melaleuca altemifolia apresenta registro para o controle do oídio da uva.

3. FERRUGEM

A ferrugem, causada pelo fungo Phakopsora euvitis Y. Ono, pertence à Ordem Uredinales e está presente no Brasil desde 2001, quando foi confirmada sua ocorrência em Jandaia do Sul, PR, na variedade Itália.

No Brasil, o ciclo da ferrugem restringe-se às fases uredinial e telial, com a formação de urediniósporos e teliósporos, responsáveis pela disseminação e epidemias no campo. Os urediniósporos constituem o inóculo primário e secundário da doença e são disseminados pelo vento.

Os sintomas se caracterizam inicialmente por pústulas de coloração amarela na face inferior das folhas e na face superior, correspondente às pústulas, aparecem áreas necrosadas. As folhas jovens e maduras podem ser infectadas. Essas folhas tornam-se amarelas e secam, podendo causar desfolha precoce se o ataque for intenso, reduzir o crescimento do porta-enxerto e prejudicar a produção de frutos.

Sintoma de ferrugem nas folhas. Fonte: Embrapa (Foto: Renata Gava)

Folhas de videira infectadas são fontes de dispersão dos esporos, principalmente pelo vento. Essa facilidade em se disseminar resulta em ciclos repetidos de infecção na videira. Pesquisas revelaram que a temperatura ótima para a germinação dos esporos é de 24°C com um mínimo de 8°C e um máximo de 32°C, que associadas à alta umidade podem dar inicio às epidemias.

Em climas tropicais e subtropicais, o fungo persiste apenas no estado uredinial sem necessidade de um hospedeiro alternativo e podem sobreviver a condições desfavoráveis em gemas dormentes. Nas regiões mais frias, o fungo ocorre preferencialmente no final do ciclo da cultura.

Controle

  • Cultivares como a Itália ( vinifera), Isabel (Vitis labrusca x V. vinifera) e Niágara são suscetíveis à ferrugem, no entanto são as mais consumidas, necessitando, portanto, do uso de fungicidas para o seu controle.
  • Em regiões tropicais, durante a estação seca, deve-se podar a parreira, evitando-se o período de maior precipitação durante a fase de maturação da uva.
  • Em relação ao controle químico, até o momento somente os fungicidas meti- ram+piraclostrobina, tebuconazol e tetraconazol são registrados para controle da ferrugem da videira. Sempre observar se o registro do produto está atualizado.

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

CAETANO, B.S. et al. Principais doenças na cultura da videira. Revista Conexão Eletrônica, v.14, n.1, 2017.

NOGUEIRA, E.M.C. et al. DOENÇAS FÚNGICAS DA VIDEIRA: SINTOMAS E MANEJO. Documento Técnico 32, 2017, p.1-21.

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

agosto 2022
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu