Pesquisa identifica assinatura espectral da soja louca II

As mulheres na cadeia produtiva da soja

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

Pesquisa da Embrapa e da Unemat identificaram as características de reflectância de plantas de soja sadias e infestadas pelo nematoide Aphelenchoides besseyi, causador da doença da haste verde, também conhecida como “soja louca II”. A discriminação da assinatura espectral das plantas com sintomas é um primeiro passo para a produção de um sensor que poderá auxiliar o manejo das lavouras. No trabalho feito em casa de vegetação na Embrapa Agrossilvipastoril (Sinop-MT), plantas de soja em vasos foram inoculadas com diferentes populações do nematoide causador da doença. Usando a técnica da espectroradiometria, foram analisadas as características de reflectância dos diferentes grupos de plantas.

Vida Rural MT -

“Obtivemos assinaturas das plantas sadias e das plantas infestadas com diferentes intensidades populacionais desse nematoide. Essas assinaturas, ou esses registros nas folhas, são apresentados na forma de faixas”, explica a pesquisadora Valéria Faleiro. De acordo com a pesquisadora, este foi o primeiro passo em um trabalho de afinamento da tecnologia para futuramente se chegar a um sensor que possa ser usado nas lavouras de soja. “Essa metodologia vai contribuir de modo a acelerar o monitoramento no campo. Tornando mais ágil o processo de identificação de áreas infestadas pelo nematoide. Contribuindo assim para a melhoria do manejo”, prevê.

A continuidade da pesquisa depende agora da aprovação de um novo projeto, que permitirá novos testes em casa de vegetação e a validação em lavouras no campo.

Foto: Vida Rural MT

Haste verde da soja

O nematoide Aphelenchoides besseyi é o agente causador da doença que ficou conhecida como “Soja Louca II”. A doença ocorre em regiões quentes e úmidas como Mato Grosso, Pará, Amapá, Tocantins e Maranhão e pode causar até 100% de perdas na lavoura. Os sintomas incluem deformação de folhas, hastes e vagens. Observa-se afilamento e embolhamento das folhas; hastes apresentando caneluras e engrossamento dos nós e reduzido número de vagens. Como são sintomas observados na parte aérea da planta, o sensoriamento hiperespectral tem grande potencial de uso para identificação nas lavouras.

Mulheres na Ciência

Esta pesquisa foi financiada pela Fapemat por meio do Edital Mulheres e Meninas na Computação, Engenharias, Ciências Exatas e da Terra, que buscou fomentar a atuação feminina na ciência. Além de ser liderado por uma mulher, o projeto contou somente com meninas entre as bolsistas de iniciação científica.

QUER SABER MAIS? Assista ao vídeo abaixo:

 

 

Fonte: Embrapa 05/07/2024

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: assinatura espectral, haste verde, lavoura de soja, mulheres na ciência, Nematoides, pesquisa, soja louca

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

julho 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram