Perspectiva para as exportações do Agro brasileiro

Brasil amplia as exportações de milho

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Na curadoria de hoje, trouxemos um texto da plataforma Visão de Futuro do Agro Brasileiro, sobre a perspectiva das exportações do agronegócio brasileiro.

Crescimento das exportações brasileiras e atendimento a novos mercados

O comércio tem papel crucial no fornecimento de alimentos para os consumidores em todo o mundo. Além disso, amplia a oferta de bens aos consumidores e tem papel na redução da insegurança alimentar ao redor do globo. Desde os anos 2000, o comércio de produtos do agro tem crescido fortemente, aproximadamente 8% em termos reais entre 2001 e 2014. Os mercados mundiais passaram a responder mais a um ambiente regulado, de tarifas em decréscimo, bem como de reduções nos auxílios aos produtores, as quais distorcem o comércio. A agricultura global também continuou a crescer, impulsionada pelo rápido crescimento nas regiões em desenvolvimento, particularmente na Ásia e na América do Sul (OECD, 2021).

A tendência é de crescimento no comércio internacional do agro, e também está se tornando cada vez mais global. Produtos consumidos em uma única região são oriundos de diversas partes do mundo, e o volume de comércio entre os países emergentes e em desenvolvimento está aumentando. Há uma integração mais profunda do sistema agroalimentar mundial, considerando que uma parcela crescente do comércio está ocorrendo nas cadeias globais de valor – as cadeias de valor processadoras estão espalhadas em vários países – conectando os setores do agro a outros setores da economia mundial (OECD, 2021).

O comércio com países de outras partes do globo é chave para o sucesso do agro latino-americano, fazendo com que os choques exógenos tornem o setor menos vulnerável e também reduza riscos econômicos dentro da região. A participação do comércio no mercado global aumentou consistentemente, e projeta-se que na próxima década o valor líquido das exportações se expanda em 31% – valor abaixo do da década anterior, em razão da desaceleração prevista nas exportações brasileiras e argentinas, os maiores exportadores da América Latina (OECD; FAO, 2021).

Brasil

O Brasil continua relevante na produção e exportação no agro mundial. Houve crescimento das exportações até 2013 (99,9 bilhões de dólares), e, a partir daquele ano, certa estabilidade. Entretanto, em 2021, as exportações do agro brasileiro alcançaram 121 bilhões de dólares: um incremento de 19,7% em relação ao ano anterior. É importante considerar que esse valor indica a totalidade, e, portanto, é necessária análise da sua composição setorial.

Os principais produtos da pauta de exportações brasileiras do agro são: soja, complexo sucroalcooleiro, carnes, produtos florestais, café e cereais, farinhas e preparações (em conjunto, aproximadamente 86% do total das exportações do agro em 2021). Importante mencionar que as exportações de produtos florestais se concentram em celulose e papel. Produtos de madeira sólida têm perdido espaço e requerem profissionalização e abertura de novos mercados, fundamental na conservação das florestas naturais brasileiras. A pandemia de Covid-19 teve um impacto negativo na atividade econômica e afetou diversos segmentos industriais, no entanto, o setor de base florestal, numa perspectiva de longo prazo, tem se mantido aquecido.

As projeções do Mapa (Brasil, 2021) apontam tendência de alta nas exportações em produtos específicos e na participação brasileira nesses mercados: as exportações de soja deverão crescer 33,6% entre 2020/2021 e 2030/2031; as de milho, 43,8%; e café, 23%, (Tabela 1). Projeções do Usda (Estados Unidos, 2021) apontam que, em 2030 e 2031, o Brasil será o principal exportador mundial de soja, com participação de 55,5% do mercado mundial, e o segundo maior exportador de milho, com participação de 26%.

PRODUTOS 2020/2021 2030/2031 Variação (%)
Soja (milhões de toneladas) 85,3 116,0 33,6
Milho (milhões de toneladas) 29,5 42,4 – 61,0 43,8
Café (milhões de sacas) 29,7 38,9 23,0
Algodão em pluma (milhões de toneladas) 2,2 2,8 29,0
Açúcar 26,6 32,7 22,8

Fonte: Adaptado Brasil (2021)

Considerando apenas os seis principais setores (que abrangem 85% do valor total das exportações do agro), o complexo soja foi o único a apresentar nítida tendência de crescimento no total das exportações brasileiras do agro. Em 2010, esse setor era responsável por 18% das exportações do agro e, em 2020, atingiu 35%. A tendência é que haja elevação na próxima década, atingindo algo em torno de 120 milhões de soja em grão na safra 2030/2031 (Brasil, 2021; Estados Unidos, 2021).

A extensão da abertura mundial do comércio terá consequências importantes para o agro da América Latina e do Caribe. O atendimento a novos mercados também depende da implementação de acordos comerciais como o do Mercosul–União Europeia (OECD; FAO 2021). A ampliação de novos mercados pode permitir também a diversificação da pauta exportadora, e, com isso, frutas frescas poderão ter o mercado consumidor ampliado.

Outro exemplo vem do setor de carne bovina – com parcela significativa na pauta exportadora brasileira –, o qual passou por mudanças nos destinos internacionais. Os mercados asiáticos, africanos e árabes passaram a responder por maior parcela das exportações brasileiras entre 2010 e 2018 (Menezes; Bacha, 2020). Em 2019, o governo brasileiro negociou a abertura do mercado indonésio. A União Europeia recebeu menores volumes do produto brasileiro, o que indica que novos mercados estão ganhando maior relevância para o destino da carne bovina brasileira.

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

VISÃO de futuro do agro brasileiroIntensificação Tecnológica e Concentração da Produção. Brasília, DF: Embrapa, 2022. 8 p., 2022.

AGROSTAT. Estatísticas de Comércio Exterior do Agronegócio Brasileiro. Disponível em: https://sistemasweb.agricultura.gov.br/pages/AGROSTAT.html. Acesso em: 20 ago. 2021.

BRASIL. Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento. Projeções do Agronegócio 2020/21-2030/31. Disponível em: https://www.gov.br/agricultura/pt-br/assuntos/politica-agricola/todas-publicacoes-de-politica-agricola/projecoes-do-agronegocio/projecoes-do-agronegocio-2020-2021-a-2030-2031.pdf/view. Acesso em: 20 ago. 2021.

ESTADOS UNIDOS. Department of Agriculture. USDA Agricultural Projections to 2030. Disponível em: https://www.ers.usda.gov/webdocs/outlooks/100526/oce-2021-1.pdf?v=9199.4. Acesso em: 20 set. 2021.

MENEZES, T. C.; BACHA, C. J. C. Mudanças nos destinos das exportações brasileiras de carne bovina. Revista de Política Agrícola, v. 29, n. 2, abr./maio/jun. 2020.

OECD; FAO. Agricultural Trade. Disponível em: https://www.oecd.org/agriculture/topics/agricultural-trade/. Acesso em: 20 ago. 2021.

OECD. Agricultural Outlook 2021-2030. Disponível em http://www.fao.org/3/cb5332en/Chapter2.pdf Acesso em: 20 Aug. 2021

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: algodão, Carne, Exportações, Mercado, milho, soja

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram