CuradoriaGrãosMercadoSoja
0

Panorama atual do mercado da soja

Retrospectiva 2021 – Mercado da Soja

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Fique por dentro do do mercado da soja através da publicação do Cepea!

As indústrias brasileiras estiveram mais ativas nas aquisições da soja em grão em julho. Esse cenário elevou a disputa entre compradores domésticos e externos da oleaginosa, resultando em alta nos preços nacionais, que alcançaram os maiores patamares reais desde março deste ano. Além disso, sojicultores brasileiros estiveram retraídos nas vendas de grandes volumes. Uma parcela dos produtores mostrou preferência por guardar o remanescente da safra 2022/23 em silos-bolsa em vez de comercializar no mercado spot – vale lembrar que esse tipo de armazenamento não é comum para a soja, pois pode elevar a umidade do grão.

Os Indicadores ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá e CEPEA/ESALQ Paraná registraram expressivas altas de 7,6% e 7% entre junho e de julho, com respectivas médias de R$ 146,84/sc e de R$ 137,38/sc de 60 kg no último mês. Ambos os preços são os maiores desde março deste ano, em termos reais (IGP-DI de jun/23). Na média das regiões companhadas pelo Cepea, entre as médias de junho e de julho, os preços da soja subiram 6,5% nos mercados de balcão (preço pago ao produtor) e no de lotes (negociações entre empresas).

Quanto às vendas externas, o Brasil já embarcou volume recorde de 72,7 milhões de toneladas de soja na parcial deste ano (de janeiro a julho), quantidade 20,12% superior à escoada no mesmo período do ano passado. Em julho, especificamente, embora as exportações tenham diminuído 28% sobre o mês anterior, observa-se crescimento de 31,9% na comparação com jul/22, de acordo com dados da Secex.

As negociações para exportação, no entanto, foram limitadas pela baixa disponibilidade de cotas para embarques entre julho e agosto. Com isso, as negociações para embarque em setembro foram intensificadas. Além disso, as negociações de soja para embarque em outubro deste ano também foram iniciadas – vale observar que o interesse nos embarques
no décimo mês do ano tem sido mais tardio desde 2017.

Indústrias

A maior necessidade de matéria-prima no mercado spot se deve à firme demanda doméstica pelos derivados e às expectativas de crescimento na procura externa, reflexo dos conflitos entre a Rússia e a Ucrânia (o que pode redirecionar importadores de óleo de soja para o Brasil) e da menor oferta na Argentina. Com a menor oferta no país vizinho, as estimativas do USDA indicam que o Brasil deve expandir suas exportações de farelo de soja na temporada 2022/23, tornando-se o maior fornecedor mundial desse subproduto, à frente da Argentina (que, atualmente, é o principal exportador global de derivados de soja). O Brasil não liderava as vendas externas de farelo desde a safra 1997/98.

Com isso, na média das regiões acompanhadas pelo Cepea, os preços do farelo de soja subiram 2,5% ente as médias de junho e de julho. Vale ressaltar que, em julho, 13 regiões brasileiras registraram as maiores médias desde abril deste ano, em termos reais. O preço do óleo de soja bruto e degomado na região de São Paulo (com 12% de ICMS incluso) avançou 1,9% entre junho e julho, a R$ 5.091,58/tonelada na média do último mês.

Mercado externo

Os contratos futuros da soja e seus derivados subiram na CME Group (Bolsa de Chicago) em julho. O movimento de alta se deve à menor área de cultivo de soja nos Estados Unidos em relação à safra passada e à redução na qualidade das lavouras norteamericanas, devido às irregularidades climáticas. Além disso, o preço futuro do grão foi influenciado pela valorização do óleo de soja, que, por sua vez, se deve à firme demanda do setor industrial. A elevação do petróleo também deu suporte aos preços deste subproduto, uma vez que aumenta o incentivo na mistura do biodiesel ao óleo diesel (o óleo de soja é a principal matéria-prima na produção de biodiesel nos Estados Unidos e no Brasil). Na CME Group, o primeiro vencimento do óleo de soja se valorizou expressivos 21,8% entre junho e julho, a US$ 0,6803/lp (US$ 1.499,79/t) no último mês – a média mais elevada desde nov/22, em termos nominais.

O primeiro vencimento do farelo de soja registrou significativa alta de 7,3% em julho, a US$ 435,98/tonelada curta (US$ 480,58/t), o maior valor nominal desde abril deste ano. Quanto à soja em grão, a valorização foi de 5,4% entre as médias de junho e de julho, a US$ 15,0821/bushel (US$ 33,25/sc de 60 kg) no último mês, o maior valor nominal desde fevereiro deste ano. Vale ressaltar, no entanto, que as valorizações do grão foram limitadas pelo menor embarque nesta safra. De acordo com o relatório de inspeção e exportação do USDA, na parcial da safra 2022/23 (de set/22 a 27 de jul/23), os Estados Unidos escoaram 50,51 milhões de toneladas da oleaginosa, volume 5,9% inferior ao embarcado no mesmo período da temporada anterior (53,68 milhões de toneladas).

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

CEPEA – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada. Agromensal soja. Julho de 2023.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada (Cepea), soja

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

abril 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
282930  
LinkedIn
YouTube
Instagram