O Solo: um Eixo fundamental para a Vida Terrestre

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

O solo, elemento vital à existência terrestre conhecido como pedosfera, desempenha papel crucial na interação entre os diversos sistemas do planeta, como os organismos (biosfera), a água (hidrosfera), as rochas e sedimentos (litosfera) e o ar (atmosfera). Sua influência e interação com esses elementos afetam diretamente a qualidade de vida no planeta.

CONSERVAÇÃO DO SOLO – Razão Consultoria Ambiental

A má administração e a degradação do solo têm desencadeado desequilíbrios nos fluxos hídricos, na emissão de gases de efeito estufa e na mitigação dos efeitos dos poluentes, impactando a regulação da qualidade da água e do ar.

A relevância da preservação dos solos é consenso na comunidade acadêmica. Avanços técnico-científicos são necessários para preservar as múltiplas funções do solo, desde a produção de alimentos, fibras e combustíveis até sua contribuição no armazenamento de nutrientes, água e carbono, além do papel na filtragem e purificação hídrica e na redução de poluentes orgânicos e inorgânicos.

A crise hídrica recente no Brasil evidenciou a influência direta do solo nesse cenário. Problemas como erosão, compactação e impermeabilização comprometem não apenas os nutrientes do solo, mas também a capacidade de infiltração e filtragem da água, prejudicando a recarga dos rios e aquíferos. Além disso, tais questões estão intimamente ligadas a inundações urbanas, resultado da falta de absorção hídrica devido à cobertura asfáltica, levando à acumulação em áreas mais baixas.

O solo também está intrinsecamente ligado às questões climáticas. A pesquisa agropecuária se empenha no desenvolvimento de soluções tecnológicas para evitar a degradação do solo e reduzir as emissões de gases de efeito estufa (GEE), com foco especial no sequestro de carbono. Este último processo é essencial para a redução desses gases na atmosfera, tendo o solo como um dos principais reservatórios de carbono no planeta.

Programas como o ABC, do Governo Federal, direcionado à redução de emissões na agropecuária, representam avanços significativos no conhecimento e controle das emissões. Através do levantamento e monitoramento de áreas sob diferentes práticas de manejo, será possível estimar a quantidade de carbono sequestrado ou emitido. O sistema de plantio direto e o reflorestamento despontam como práticas que contribuem para esse sequestro.

Evolução da Classificação de Solos no Brasil

O conhecimento aprofundado sobre os solos e suas funções é essencial para o correto manejo e mapeamento de suas capacidades. A identificação dos componentes e camadas do solo e aprimoramento dos critérios diagnósticos são resultados da experiência acumulada ao longo dos anos em diversos países.

No Brasil, a classificação de solos teve início no final do século XIX. Os primeiros levantamentos sistemáticos ocorreram a partir de 1947, com a Comissão de Solos do Serviço Nacional de Pesquisas Agronômicas (SNPA) do Ministério da Agricultura. Esse trabalho evoluiu nas décadas seguintes, culminando no Sistema Brasileiro de Classificação de Solos.

A fundação da Embrapa, em 1973, impulsionou os estudos. A Embrapa Solos (RJ), criada a partir da SNLCS, gerou informações essenciais para o desbravamento do Cerrado e o Zoneamento Ecológico-Econômico (ZEE) no país. Esses avanços resultaram no Sistema Brasileiro de Classificação de Solos, cuja 5ª edição foi publicada em 2018.

A Conquista do Cerrado

O Cerrado, antes considerado impróprio para agricultura, tornou-se uma das maiores fronteiras agrícolas do mundo. A Embrapa Cerrados (DF), fundada em 1975, liderou pesquisas para corrigir a acidez natural e a baixa fertilidade dos solos, viabilizando cultivos com boa produtividade e retorno econômico.

Os desafios atuais da pesquisa agropecuária na região do Cerrado incluem o aprimoramento de práticas conservacionistas, como o plantio direto e os sistemas integrados de produção, buscando sempre a sustentabilidade e eficiência.

 

Referência do conteúdo: Embrapa 29/11/2023

Fonte da imagem: razaoconsultoria

Quer saber mais?
Assista o Podcast Escancaragro: Se inscreva. Comente e compartilhe!

 

 

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: agropecuária, cerrado, clima, manejo, preservação ambiental, redução de poluentes, reflorestamento, solo

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

fevereiro 2024
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829  
LinkedIn
YouTube
Instagram