O papel da clorofila na alimentação humana

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

Por Ursula Maria Lanfer-Marquez*

Até recentemente, a preocupação dos profissionais de saúde em relação aos efeitos biológicos da clorofila na dieta era limitada, visto que a substância era principalmente associada à sua função de pigmento verde em plantas. No entanto, a crescente adoção do consumo de vegetais verdes pelo bem-estar e saúde levanta questões sobre os benefícios potenciais da clorofila.

O que é clorofila? Principais tipos e benefícios para a saúde

Apesar da associação com a redução do risco de várias doenças, como câncer e doenças cardiovasculares, a falta de estudos diretos com clorofila isolada se deve à sua instabilidade química. Esta revisão busca explorar os possíveis efeitos biológicos da clorofila, considerando a propaganda que a associa a benefícios diversos para a saúde humana, apesar das limitações conhecidas em sua estabilidade e estudos científicos.

Desde a introdução do conceito de “alimento funcional” em 1984, as pesquisas têm se concentrado nas substâncias bioativas dos alimentos, como os fitoquímicos presentes em vegetais, explorando sua associação com a redução do risco de doenças crônico-degenerativas. Embora os alimentos funcionais não sejam considerados tratamentos para disfunções avançadas, eles são vistos como coadjuvantes na prevenção de doenças.

Estudos sobre substâncias antioxidantes na dieta indicam seu potencial para reduzir o risco de doenças como câncer e aterosclerose, embora a atribuição precisa dessa atividade biológica seja complexa, envolvendo vários componentes da dieta e hábitos de vida. A clorofila, promovida como benéfica à saúde, carece de evidências científicas conclusivas sobre seus efeitos positivos, destacando a necessidade de estudos mais aprofundados sobre sua estrutura, degradação nos vegetais e impacto no organismo humano para entender melhor suas contribuições potenciais para a saúde.

Estrutura química da clorofila

A clorofila, quimicamente complexa, não é uma molécula isolada, mas uma família de compostos semelhantes, incluindo clorofila a, b, c e d. Essas moléculas porfirínicas consistem em quatro anéis pirrólicos e um quinto anel isocíclico, com pontes metilênicas e um átomo de magnésio. O ácido propiônico no quarto anel é esterificado por um álcool acíclico, geralmente o fitol, conferindo hidrofobicidade. A clorofila a é a mais prevalente, compreendendo cerca de 75% dos pigmentos verdes em vegetais, enquanto a clorofila b difere ligeiramente na substituição no anel pirrólico II. Clorofilas c e d são encontradas em algas. Essa estrutura complexa é crucial para a função fotossintética e pode variar entre diferentes tipos de organismos fotossintéticos.

Degradação da clorofila em vegetais senescentes

Pesquisas utilizando marcação com isótopos indicam que o passo crucial para a perda total da cor da clorofila envolve a abertura do anel tetrapirrólico com a introdução de um átomo de oxigênio, mediado por um processo co-oxidativo catalisado pela enzima feoforbídeo a mono-oxigenase (Curty et al., 1995; Rüdiger, 1997). Esse processo foi corroborado por estudos posteriores de Hörtensteiner et al. (1998) e Matile et al. (1999). Os produtos primários dessa enzima são compostos incolores e fluorescentes, que se transformam rapidamente em catabólitos não-fluorescentes, cujas estruturas químicas ainda não foram completamente elucidadas (Oberhuber et al., 2001; Oberhuber, Kräutler, 2002; Takamiya et al., 2000; Wüthrich et al., 2000). Além da feoforbídeo a mono-oxigenase, outras enzimas oxidativas, como peroxidase e lipoxigenase, também podem contribuir para a descoloração da clorofila (Johnson-Flanagan, Spencer, 1996; Martinez et al., 2001).

Efeitos do processamento sobre a degradação da clorofila

O processamento de vegetais desencadeia reações de degradação da clorofila, envolvendo processos enzimáticos e não-enzimáticos, afetando a qualidade dos produtos. Durante o pré-processamento industrial e o armazenamento pós-colheita de grãos de soja e sementes oleaginosas, a clorofila é sujeita a diversas reações, influenciando a coloração e a qualidade dos grãos. Enzimas como clorofilase e feoforbídeo a mono-oxigenase degradam a clorofila, liberando ácidos graxos que podem oxidar-se. No processamento térmico, a feofitinização substitui o átomo de magnésio por hidrogênio, afetando a cor dos vegetais. Estratégias como branqueamento e uso de agentes alcalinizantes visam preservar a coloração verde, enquanto o desenvolvimento de corantes como clorofila cúprica auxilia na estabilização da cor, especialmente em produtos enlatados.

Degradação da clorofila após a ingestão por animais

Ma e Dolphin (1999) destacaram que a clorofila a ingerida por herbívoros ou animais aquáticos mantém seu macrociclo pirrólico intacto no intestino, apesar das modificações nos grupos periféricos da molécula, sendo a feofitinização favorecida pelo meio ácido do estômago, conforme evidenciado por Ferruzzi et al. (2001). A liberação do Mg2+ da clorofila depende do pH e de fatores biológicos, sendo absorvido pelo organismo animal para atender às necessidades diárias desse mineral.

Quanto à clivagem do fitol, ocorre durante o metabolismo bacteriano no intestino grosso, gerando diversos derivados que podem ter efeitos biológicos, levantando questões sobre sua absorção e impacto na saúde humana, uma vez que as reações de degradação variam de acordo com as condições digestivas e o processamento prévio dos alimentos.

Atividades antioxidante, antimutagênica e quimiopreventiva

Nos últimos anos, a pesquisa sobre as propriedades antioxidantes e quimiopreventivas da clorofila e seus derivados tem sido intensificada, embora os resultados tenham sido contraditórios. Inicialmente, tanto a clorofila quanto a feofitina e o feoforbídeo foram considerados pró-oxidantes em óleos comestíveis, o que levou à sua remoção durante o refinamento para evitar a foto-oxidação. No entanto, estudos recentes sugerem atividade antioxidante da clorofila e de seus derivados, como a clorofilina cúprica, embora o mecanismo subjacente permaneça incerto. Além disso, a pesquisa se expandiu para explorar os efeitos antimutagênicos e anticancerígenos da clorofila, indicando uma potencial atividade na inibição da formação de adutos de substâncias carcinogênicas com o DNA. No entanto, a generalização dos resultados de estudos em peixes para a nutrição humana é questionável devido às diferenças no processo de absorção intestinal entre os dois grupos, levantando dúvidas sobre a eficácia da clorofila na prevenção de doenças em humanos.

Digestão e absorção da clorofila

Embora os potenciais benefícios da clorofila e seus derivados tenham sido amplamente divulgados, a absorção e metabolização do anel porfirínico em humanos ainda são pouco compreendidas. Estudos recentes sugerem que a clorofilina cúprica pode ser absorvida por células intestinais humanas, indicando um possível transporte ativo e passivo da clorofila através do intestino.

O fitol liberado durante a quebra da ligação éster da clorofila também é absorvido e convertido em ácido fitânico, associado à ingestão de carnes de ruminantes e produtos derivados do leite, bem como à absorção intestinal de fitol por peixes. O ácido fitânico, recentemente destacado devido a várias atividades biológicas atribuídas a ele, inclui a ativação do sistema termogênico de adipócitos marrons e a prevenção da teratogênese em camundongos causada pelo excesso de vitamina A. No entanto, a compreensão dos mecanismos envolvidos e o papel da dieta nesses efeitos biológicos exigem mais estudos.

Considerações finais 

Diversas teorias veiculadas pela mídia atribuem à ingestão de clorofila uma série de benefícios para a saúde humana, desde prevenção de doenças cardíacas até tratamento de hipertensão e diabetes, embora careçam de comprovação científica sólida. Alguns autores sugerem que o núcleo tetrapirrólico da clorofila e seus derivados possam ter atividade antioxidante e quimiopreventiva, embora esse efeito seja provável apenas no trato gastrointestinal, sem comprovação de absorção intestinal significativa. A teoria da complexação com substâncias carcinogênicas é vista como a explicação mais plausível para atividades quimiopreventivas da clorofila. Enquanto o fitol, parte integrante da clorofila, parece desempenhar efeitos biológicos importantes, como atividade termogênica e inibição de efeitos teratogênicos do retinol, mas sua liberação durante a digestão ainda carece de evidências científicas robustas e requer mais pesquisas para ser esclarecida.

*Departamento de Alimentos e Nutrição Experimental, Faculdade de Ciências Farmacêuticas, Universidade de São Paulo

Referência: LANFER-MARQUEZ, Ursula Maria . Trabalhos de Revisão. Rev. Bras. Cienc. Farm. 39 (3), Set 2003

Fonte do texto: Scielo.br 29/01/2024

Fonte da imagem: segredos do mundo

 

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: alimentos, clorofila, dieta, efeito biológico dos vegetais, pesquisa científica

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

fevereiro 2024
D S T Q Q S S
 123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829  
LinkedIn
YouTube
Instagram