Mosca branca: características e manejo

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

A mosca-branca, Bemisia argentifolii, foi introduzida no Brasil provavelmente através da planta ornamental poinsétia em São Paulo no final dos anos 1990 e se espalhou rapidamente pelo país. Este inseto tem uma vasta gama de plantas hospedeiras economicamente importantes, como hortaliças, feijão, algodão, soja e plantas ornamentais. A sobrevivência da mosca-branca em plantas daninhas durante a entressafra aumenta sua pressão sobre novas culturas.

Larvas da mosca branca na folha de uma rosa. Imagem macro.

Foto: Freepik

A mosca-branca é uma das principais pragas do tomateiro, tanto para processamento industrial quanto para consumo fresco. Para controlar eficientemente essa praga, recomenda-se o Manejo Integrado de Pragas (MIP), que visa reduzir a infestação e a infecção viral.

Características biológicas incluem a reprodução sexual e partenogenética, com a fêmea depositando de 100 a 300 ovos durante sua vida, dependendo da temperatura e da planta hospedeira. A longevidade das fêmeas varia de 38 a 74 dias, enquanto os machos vivem de 9 a 17 dias.

A mosca-branca causa danos diretos ao sugar a seiva das plantas, prejudicando seu desenvolvimento e produtividade, além de atuar como vetor de vírus como o geminivírus, que afeta gravemente a produção de tomate e outras culturas. A excreção de substâncias açucaradas pelo inseto facilita o crescimento de fungos, como a fumagina, prejudicando a fotossíntese e a qualidade dos frutos.

O controle da mosca-branca inclui métodos culturais, químicos e biológicos. Entre as práticas culturais, destacam-se o uso de mudas sadias, a eliminação de restos culturais e o uso de barreiras vivas. Armadilhas amarelas também são úteis para monitoramento.

O controle químico envolve a aplicação de inseticidas registrados, respeitando a rotação de grupos químicos para evitar resistência, e seguindo recomendações de dosagem e aplicação para maximizar a eficácia e minimizar impactos ambientais. Produtos como óleos e detergentes neutros são utilizados para interferir no metabolismo e respiração do inseto, enquanto técnicas de pulverização são otimizadas para garantir a cobertura eficaz das colônias na parte inferior das folhas. O manejo integrado é essencial para controlar a mosca-branca, combinando diferentes estratégias para reduzir a infestação e minimizar os danos causados às culturas.

Referência: Embrapa 14/05/2024

QUER SABER MAIS? ASSISTA AO EPISÓDIO: Saiba controlar mosca branca!

Neste episódio vamos descobrir tudo sobre uma das maiores pragas da agricultura: a mosca branca! Qual a distribuição, ciclo de vida, biótipos, métodos de monitoramento, culturas alvo, estratégias de manejo integrado e muito mais, ou seja, um guia completo sobre a mosca branca! Essencial para você que deseja descobrir como controlar e conviver com essa praga que todo ano está por aí em grande parte das culturas agrícolas do mundo!

 

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: inseticidas, manejo, mosca-branca, pragas

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram