Fungicidas para o controle da mancha-alvo da soja

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Hoje, na curadoria Agro Insight compartilhamos os resultados do estudo de Godo et al. (2023), que avaliaram a eficiência de diversos fungicidas no controle da mancha-alvo (Corynespora cassiicola).

A mancha-alvo na cultura da soja é causada pelo fungo Corynespora cassiicola. Os sintomas típicos da doença são observados nas folhas, iniciando por pontuações pardas, com halo amarelado e evoluindo para manchas circulares, de coloração castanho-clara a castanho-escura. Dependendo da reação da cultivar, as lesões podem atingir até 2 cm de diâmetro ou permanecer pequenas (1 mm a 3 mm), mas em maior número. Normalmente, as manchas apresentam pontuação no centro e anéis concêntricos de coloração mais escura. Também podem ocorrer manchas em pecíolos, hastes e vagens (Godoy et al., 2016). A doença é favorecida por chuvas bem distribuídas. Cultivares suscetíveis podem sofrer desfolha com perdas de até 40% de produtividade (Molina et al., 2019).

Problema em diversas culturas

Além da soja, o fungo infecta mais de 400 espécies de plantas, entre elas importantes culturas como o algodão, o mamão, a seringueira, o tomate, o feijão, a crotalária e diversas plantas daninhas. Apesar de testes de inoculações cruzadas mostrarem que isolados são mais agressivos quando inoculados no hospedeiro de origem, indicando evidências de especialização, isolados obtidos de soja e algodão no Brasil infectam ambas as culturas (Galbieri et al., 2014). Além da ampla gama de hospedeiros, o fungo pode sobreviver em sementes infectadas e em restos de cultura e formar clamidosporos que são estruturas de sobrevivência (Oliveira et al., 2012).

Problema que cresce

A incidência dessa doença tem aumentado na cultura da soja em razão do aumento da semeadura de cultivares suscetíveis, da utilização de culturas em sucessão que são hospedeiras do fungo, como o algodão e a crotalária e da menor sensibilidade/ resistência do fungo a fungicidas (FRAC, 2023).

Manejo

As estratégias de manejo recomendadas para essa doença são: a utilização de cultivares resistentes/tolerantes, o tratamento de sementes, a rotação/sucessão de culturas com milho e outras espécies de gramíneas e o controle químico com fungicidas (Godoy et al., 2016).

Controle químico

Desde a safra 2011/2012, experimentos em rede vêm sendo realizados para a comparação da eficiência de fungicidas registrados e em fase de registro para o controle da mancha-alvo na cultura da soja. O objetivo dos experimentos em rede é a avaliação da eficiência de controle no alvo biológico. Para isso são utilizadas aplicações sequenciais de fungicidas. No entanto, isso não constitui uma recomendação de controle. As informações devem ser utilizadas dentro de um sistema de manejo, priorizando sempre a rotação de fungicidas com diferentes modos de ação para atrasar o aparecimento de resistência do fungo aos fungicidas.

Tabela 1. Ingrediente ativo (i.a.), produto comercial (p.c.) e dose dos fungicidas nos tratamentos para controle da mancha-alvo da soja, safra 2022/2023.

 

TRATAMENTOS

 

L-kg p.c./ha

DOSES g i.a./ha Empresa fabricante
1. TESTEMUNHA
2. FEZAN GOLD (clorotalonil+tebuconazol) 2,5 1.125 + 125 Sipcam Nichino
3. PNR (clorotalonil+tebuconazol) 2 1.500 + 120 HELM
4. ARMERO (mancozebe+protioconazol) 2,25 1.125 + 90 ADAMA
5. EVOLUTION (mancozebe+protioconazol+azoxistrobina) 2 1.050 + 75 + 75 UPL
6. PNR (mancozebe+protioconazol+picoxistrobina) 3 1.239 + 87 + 99 INDOFIL
7. ALMADA 

(mancozebe+protioconazol+fluxapiroxade)

2,25 990 + 70,875 + 50,625 ADAMA
8. PNR (mancozebe+protioconazol+picoxistrobina) 2,25 990 + 70,875 + 70,875 ADAMA
9. BLAVITY (protioconazol+fluxapiroxade) 0,25 70 + 50 BASF
10. BLAVITY e MANFIL (protioconazol+fluxapiroxade e mancozebe) 0,25 e 1,5 70 + 50 e 1.200 BASF e Indofil
11. FOX XPRO  (bixafen+protioconazol+trifloxistrobina) 0,5 62,5 + 87,5 + 75 Bayer
12. FOX XPRO e MILCOZEB (bixafen+protioconazol+ trifloxistrobina e mancozebe) 0,5 e 1,5 62,5 + 87,5 + 75 e 1.200 Bayer e Indofil
13. PNR (protioconazol+tebuconazol) 0,4 70 + 120 NORTOX
14. PNR + MANFIL (protioconazol+tebuconazol e mancozebe) 0,4 e 1,5 70 + 120 e 1.200 NORTOX e Indofil
15. PROGRAMA
Adicionado Partner 50 mL/ha; Adicionado Rumba 250 mL/ha; Adicionado Strides 0,25% v/v; Adicionado Aureo 0,25% v/v; Adicionado Mees 025% v/v; PNR – produto não registrado, Registro Experimental Temporário (RET) III; Programa: Armero 2,25 L/ha + Rumba (250 mL/ha) / Blavity 0,25 L/ha + Manfil 800 1,5 kg/ha + Mees 0,25 % v/v/ Fezan Gold 2,5 L/ha + Partner 50 mL/ha / Evolution 2,0 L/ha + Strides 0,25% v/v.
Eficiência dos fungicidas
– SEVERIDADE

As menores severidades e as maiores porcentagens de controle foram observadas nos tratamentos com:

  • Mancozebe + protioconazol + picoxistrobina (70%)
  • Blavity + Manfil (70%)
  • Fox Xpro + Milcozeb (69%)

A adição de mancozebe, em mistura em tanque, nos produtos Blavity, Fox Xpro e Protioconazol + tebuconazol aumentou os controles de 59% e 58% para 70% e 63%.

– PRODUTIVIDADE

As maiores produtividades foram observadas para os tratamentos com

  • Fox Xpro e Milcozeb (4.419 kg/ha)
  • Blavity e Manfil (4.310 kg/ha)
  • Mancozebe + protioconazol + picoxistrobina (4.308 kg/ha)
  • Evolution (4.307 kg/ha)
  • Armero (4.274 kg/ha)

Tabela 1. Severidade da mancha-alvo e produtividade em relação ao tratamento com a maior produtividade, para os diferentes tratamentos.

 

TRATAMENTOS

 

L-kg p.c./ha

DOSES g i.a./ha Empresa fabricante
1. TESTEMUNHA
2. FEZAN GOLD (clorotalonil+tebuconazol) 2,5 1.125 + 125 Sipcam Nichino
3. PNR (clorotalonil+tebuconazol) 2 1.500 + 120 HELM
4. ARMERO (mancozebe+protioconazol) 2,25 1.125 + 90 ADAMA
5. EVOLUTION 

(mancozebe+protioconazol+azoxistrobina)

2 1.050 + 75 + 75 UPL
6. PNR 

(mancozebe+protioconazol+picoxistrobina)

3 1.239 + 87 + 99 INDOFIL
7. ALMADA

 (mancozebe+protioconazol+fluxapiroxade)

2,25 990 + 70,875 + 50,625 ADAMA
8. PNR2 (mancozebe+protioconazol+picoxistrobina) 2,25 990 + 70,875 + 70,875 ADAMA
9. BLAVITY

(protioconazol+fluxapiroxade)

0,25 70 + 50 BASF
10. BLAVITY e MANFIL (protioconazol+fluxapiroxade e mancozebe) 0,25 e 1,5 70 + 50 e 1.200 BASF e Indofil
11. FOX XPRO

 (bixafen+protioconazol+trifloxistrobina)

0,5 62,5 + 87,5 + 75 Bayer
12. FOX XPRO e MILCOZEB (bixafen+protioconazol+ trifloxistrobina e mancozebe) 0,5 e 1,5 62,5 + 87,5 + 75 e 1.200 Bayer e Indofil
13. PNR (protioconazol+tebuconazol) 0,4 70 + 120 NORTOX
14. PNR + MANFIL (protioconazol+tebuconazol e mancozebe) 0,4 e 1,5 70 + 120 e 1.200 NORTOX e Indofil
15. PROGRAMA

Considerações

A menor sensibilidade do fungo C. cassiicola aos diferentes grupos de fungicidas reforça a necessidade de monitoramento para conhecer a sensibilidade do fungo nas diferentes regiões.

A adoção de estratégias antirresistência, tais como limitar o número de aplicações de ISDH a duas aplicações por ciclo da cultura da soja, a associação com multissítios e a rotação de modos de ação, podem atrasar a seleção de populações resistentes, prolongando a vida útil dos fungicidas.

Todas as estratégias devem ser incluídas no manejo da doença, como a utilização de cultivares resistentes/ tolerantes, o tratamento de sementes e a rotação/sucessão de culturas com milho e/ou outras espécies de gramíneas.

BIBLIOGRAFIA E LINS RELACIONADOS

GODOY, C. V.; UTIAMADA, C. M.; MEYER, M. C.; CAMPOS, H. D.; LOPES, I. de O. N.; TOMEN, A.; MOCHKO, A. C. R.; DIAS, A. R.; FARIAS, A. de; SICHOCKI, D.; MOREIRA, E. N.; KONAGESKI, F. T.; SANTOS, J. dos; ASCARI, J. P.; KUDLAWIEC, K.; BELUFI, L. M. de R.; LIMA, L. A. de S.; SILVA, L. H. C. P. da; ARAÚJO JÚNIOR, I. P.; GOUSSAIN JÚNIOR, M. M.; STEFANELO, M. S.; MÜLLER, M. A.; MARTINS, M. C.; TORMEN, N. R.; KONAGESKI, T. F. Eficiência de fungicidas para o controle da mancha-alvo, Corynespora cassiicola, na cultura da soja, na safra 2022/2023: resultados sumarizados dos ensaios cooperativos. Londrina: Embrapa Soja, 2023. 13p.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: Corynespora Cassiicola, Doença de Planta, Fungicida, Fungicides, Mancha Alvo, Plant diseases and disorders, Safra, soja, Soybeans

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram