CuradoriaSoja
0

Cultivares de soja são destaque nos 50 anos da Embrapa

Vassourinha-de-botão (Spermacoce sp.)

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Hoje a Embrapa completa 50 anos (1973-2023). São cinco décadas de inovação agropecuária, de proximidade com o produtor e também de participação na transformação do Brasil, que deixou de ser importador de alimentos, na década de 1970, para se tornar uma das principais potências agrícolas mundiais.

Nesse conexto, um grande destaque vai para o melhoramento genético e para exemplificar a importância dessa área de pesquisa, troxemos algumas cultivares de soja desenvolvidas pela Embrapa e que são destaques da safra 2022/23.

A Embrapa tem três cultivares de soja em destaque na safra 2022/23, sendo uma convencional (BRSMG 534) e duas com a tecnologia Xtend® (BRS 2560XTD e BRS 2562XTD), que combinam a alta produtividade com tolerância aos herbicidas glifosato e dicamba. As novas cultivares são indicadas para várias regiões brasileiras e apresentam caraterísticas para adoção em diferentes sistemas de produção.

BRSMG 534

A BRSMG 534, desenvolvida na parceria Embrapa Soja com Fundação Triângulo e com Empresa de Pesquisa Agropecuária de Minas Gerais (Epamig), é uma cultivar de soja convencional com alta produtividade, estabilidade de produção e que ainda agrega a tecnologia Shield, linha de cultivares de soja que apresentam genes de resistência à ferrugem-asiática. “A cultivar Shield é uma ferramenta genética importante no contexto do manejo integrado. Mesmo não dispensando o uso de fungicidas, proporciona maior eficiência e segurança ao manejo químico da doença”, explica o pesquisador Roberto Zito. De acordo com o pesquisador, a cultivar se destaca ainda por apresentar resistência às principais doenças da soja (pústula bacteriana, mancha olho de rã, cancro da haste), moderadamente resistência ao oídio e aos dois principais nematoides de galha. A cultivar é do grupo de maturidade 7.2, o que é uma característica relevante, pois permite a realização de uma segunda safra, tanto de milho quanto de algodão ou sorgo. A BRSMG 534 é indicada para diferentes regiões de Goiás (RECs 301, 302, 303, 304 e 401), Distrito Federal (REC 304), Minas Gerais (RECs 302, 303, 304 e 401), São Paulo (REC 302) e Mato Grosso (REC 402).

Destaques da BRSMG 534:

– Opção de refúgio para áreas com predominância de soja Intacta;

– Boa opção de refúgio para áreas com predominância de soja Intacta;

– Apresenta excelente potencial produtivo, em especial com populações entre 320 a 360 mil plantas por hectare;

– Possui alta estabilidade de produtividade.

BRS 2560XTD

A BRS 2560XTD foi desenvolvida na parceria entre a Embrapa Soja e a Fundação Meridional. Além de ser excelente opção de refúgio para áreas com cultivares com a tecnologia I2X (grupo de maturidade entre 5.8 e 6.2), a BRS 2560XTD é uma cultivar com alto potencial produtivo e arquitetura de planta que favorece a ramificação abundante. O pesquisador da Embrapa Soja Carlos Lasaro Pereira Melo explica que a nova cultivar é adaptada à antecipação de semeadura, permitindo encaixe em sistemas de sucessão/rotação de culturas. A BRS 2560XTD é recomendada para Serra do Nordeste e Planalto Superior do Rio Grande do Sul (REC103); Centro-sul do Paraná (REC103) e Sul de São Paulo (REC103). Quanto à reação das cultivares às doenças, a BRS 2560XTD é resistente ao cancro da haste, mosaico comum da soja e podridão radicular de Phytophthora e moderadamente resistente a mancha olho-de-rã, oídio. Também possui resistência ao nematoide de galha Meloidogyne javanica. “Esta cultivar é ainda tolerante a sulfoniluréias (grupo químico de herbicidas utilizado para o controle de plantas daninhas), portanto é seletiva a ação desses herbicidas, seja quando utilizados para o controle das plantas daninhas em pré ou pós emergência da cultura, bem como para o controle da soja voluntária”, explica Pereira Melo.

Destaques da BRS 2560XTD:

– Cultivar transgênica do tipo “Xtend” com tolerância aos herbicidas glifosato e dicamba que facilita o controle de plantas daninhas;

– Permite o plantio antecipado, possibilitando a sua inserção no sistema de rotação e/ou sucessão com outras culturas;

– Resistência às principais doenças da soja, inclusive à podridão radicular de fitóftora;

– Resistente a diferentes doenças foliares;

– Maior sustentabilidade da lavoura, tanto produtiva (econômica) quanto ambiental;

– Ótima opção de refúgio para as cultivares “Intacta 2 Xtend” com grupos de maturidade entre 5.8 e 6.2;

– Uso da tecnologia Xtend como refúgio das cultivares “Intacta 2 Xtend” assegura maior longevidade da tecnologia BT.

BRS 2562XTD

Também compões os destaques da safra a BRS 2562XTD, desenvolvida na parceria entre a Embrapa Soja e a Fundação Meridional. A cultivar também é excelente opção de refúgio para áreas com cultivares com a tecnologia I2X com grupo de maturidade entre 6.0 e 6.4, por sua precocidade. A BRS 2562XTD possui alta estabilidade e performance produtiva, adaptada a diferentes ambientes de produção. “Além disso, a cultivar permite semeadura antecipada, possibilitando o encaixe em sistemas de sucessão/rotação de culturas. Esses atributos de lavoura podem variar em razão do clima, solo e manejo, mas em geral seguem as características mencionadas”, destaca o pesquisador Marcos Petek, da Embrapa Soja.  Quanto à reação das cultivares às doenças, a BRS 2562XTD é resistente ao cancro da haste, mosaico comum da soja e podridão radicular de Phytophthora e moderadamente resistente à mancha olho-de-rã e ao oídio. Também possui resistência aos nematoides de cisto (raças 3 e 14). É indicada para o Paraná (REC 201), São Paulo (REC 201), Mato Grosso do Sul (REC 204 e 301) Goiás (REC 304 e 401), Minas Gerais (REC 304) e Distrito Federal (REC 304).

Destaques da BRS 2562XTD

– Cultivar transgênica do tipo “Xtend” com tolerância aos herbicidas glifosato e dicamba que facilita o controle de plantas daninhas;

– Resistência às principais doenças da soja, inclusive à podridão radicular de fitóftora;

– Resistente a diferentes doenças foliares;

– Maior sustentabilidade da lavoura, tanto produtiva (econômica) quanto ambiental;

– Ótima opção de refúgio para as cultivares “Intacta 2 Xtend” com grupos de maturidade entre 6.0 e 6.4;

– Uso da tecnologia Xtend como refúgio das cultivares “Intacta 2 Xtend” assegura maior longevidade da tecnologia BT;

– Indicada para os biomas Cerrado e Mata Atlântica.

Proteção contra lagartas

As cultivares com tecnologia Xtend® (XTD) são opções para áreas de refúgio a serem utilizadas próximas às lavouras que utilizarem a tecnologia Intacta2 Xtend® (I2X). As cultivares Intacta2 Xtend® (I2X), além da tolerância aos herbicidas, agregam a resistência às principais lagartas da soja. Com o intuito de prolongar a vida útil dessa tecnologia e evitar a resistência das lagartas nas cultivares Intacta2 Xtend®, a Embrapa considera imprescindível a adoção do refúgio.

Intacta2 Xtend®

A soja Intacta2 Xtend® reúne três proteínas (Cry1A.105 e Cry2Ab2 e Cry1Ac), o que proporciona proteção contra seis espécies de lagartas que incidem na cultura da soja: Helicoverpa armigera, Spodoptera cosmioides, lagarta falsa medideira (Chrysodeixis includens), lagarta da soja (Anticarsia gemmatalis), lagarta das maças (Chloridea virescens) e broca das axilas (Crocidosema aporema). “A piramidação de três proteínas nesta tecnologia reduz a probabilidade de quebra da resistência”, explica o pesquisador Daniel Sosa Gomez, da Embrapa Soja. “Porém, um aspecto fundamental para evitar a seleção de populações de lagartas resistentes nas lavouras com esta tecnologia é o plantio de áreas de refúgio estruturado”, explica Sosa Gomez.

A recomendação atual de refúgio para a cultura da soja é, no mínimo, 20% da área com tecnologia diferente da Intacta2 Xtend®. Segundo o pesquisador, esta é uma medida preventiva que consiste no plantio de parte da lavoura com a tecnologia Xtend® – ou outras opções de soja não-Bt (sem a toxina Bacillus thuringiensis (Bt) – a uma distância máxima de 800 metros de lavouras com a tecnologia Intacta2 Xtend®. “A adoção da área de refúgio possibilita o acasalamento aleatório de mariposas oriundas das áreas com a tecnologia Intacta2 Xtend® e das áreas de refúgio, favorecendo a manutenção de populações suscetíveis e retardando a seleção de populações resistentes”, diz. A Embrapa defende ainda que o manejo de pragas nas lavouras com a tecnologia Intacta2 Xtend® siga as mesmas premissas do Manejo Integrado de Pragas (MIP).

Cultivares Intacta2 Xtend®:

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

Pesquisa viabiliza a produção sustentável no Semiárido brasileiro.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

março 2024
D S T Q Q S S
 12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31  
LinkedIn
YouTube
Instagram