Conab: Hortaliças seguem com redução de preços

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Na curadoria Agro Insight de hoje, trouxemos um resumo das informações do 9º Boletim Hortigranjeiro (Prohort), divulgado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) na última semana.

Hortaliças

O movimento de queda nos preços das hortaliças segue firme nos mercados atacadistas do país. De acordo com a Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), alface, batata, cenoura e tomate apresentaram cotações ainda mais baixas, na comparação entre julho e agosto deste ano, na maioria das Centrais de Abastecimento analisadas.

A queda só não é mantida em relação ao preço da cebola, que continua apresentando aumento nas cotações dos mercados atacadistas. O preço médio ponderado do produto aumentou cerca de 12%. Neste período, a região Sudeste figura como principal abastecedora (quase 50%), seguida do Centro-Oeste (25%) e do Nordeste (15%). A alta atípica de preços neste ano pode ser atribuída, em grande parte, à performance da produção nordestina, que está abaixo do esperado.

Alface

A oferta aumentou em quase todos os mercados e os preços mantiveram tendência de queda, à exceção dos mercados do Centro-Oeste. No primeiro decêndio há certa estabilidade ou pequenas oscilações de preços.

Batata

Preços em queda desde maio deste ano. Com a intensificação da safra de inverno, sobretudo em MG e SP, os envios do tubérculo aos mercados atacadistas intensificaram-se, atingindo em agosto o pico deste ano. Em relação a julho, a oferta total aumentou cerca de 15%.

Cebola

Nova alta de preços ocorreu em agosto na maioria das Ceasas. Oferta no mês pulverizada. A Região Sudeste agora é a principal abastecedora (quase 50%), seguida da Centro-Oeste (25%) e da Nordeste (15%). A alta atípica de preços neste ano pode ser atribuída, em grande parte, a performance da produção nordestina, que está abaixo do esperado.

Cenoura

Nova queda de preços foi observada na maioria dos mercados analisados. Após o pico de preços em março, provocado pela baixa oferta em decorrência das chuvas intensas e constantes do final de 2021 e início de 2022, as cotações da raiz vêm apresentando quedas sucessivas, com a recuperação da oferta.

Tomate

A tendência declinante vem ocorrendo desde abril, quando os preços atingiram os maiores patamares dos últimos anos. Registra-se que em agosto a oferta total foi maior em 10% em relação a julho e 30% maior em relação a abril.

Frutas

Em agosto, dentre as frutas analisadas, a melancia teve destaque de baixa nos preços. De acordo com o Boletim Prohort, houve maior comercialização do produto e queda das cotações na maior parte dos entrepostos atacadistas, com a produção concentrada em Ceres/GO e no centro-oeste do Tocantins. O calor e a demanda retraída tiveram grande influência nesse resultado.

No caso da maçã, a relação foi inversa, apresentando alta em todos os mercados em função dos problemas na última safra, afetada pela seca na região sul.

Para o próximo mês, no caso da laranja, é prevista uma leve pressão para a elevação nas cotações, devido à absorção industrial para produção de suco feita pela indústria paulista. Já para outras frutas como banana e mamão não há uma tendência de movimento uniforme.

Banana

Alta da oferta e aumento de preços da banana nanica, principalmente originária de SC. Queda na oferta da banana prata comercializada no Sudeste, principalmente da banana de primeira qualidade. As exportações caíram novamente por causa da menor produção interna e baixa demanda externa.

Laranja

Ocorreram variações pequenas na comercialização e oscilações nos preços. Para o próximo mês, há uma leve pressão de alta nas cotações por causa da alta absorção industrial para produção de suco feita pela indústria paulista. As exportações continuaram baixas.

Maçã

Demanda fraca e queda dos estoques nas câmaras frias, o que provocou maior controle da oferta e preços mais elevados, sobretudo para as graúdas. A rentabilidade da cultura continuou positiva. As importações permaneceram elevadas por causa da baixa oferta nacional. As exportações diminuíram.

Mamão

Aumento da oferta nos entrepostos. Mamão formosa iniciou o mês com preços mais elevados por causa da baixa oferta. As cotações caíram no fim do mês. O papaya começou com oferta mais elevada e cotações em queda a partir da 3ª semana. As exportações caíram em relação ao ano passado.

Melancia

Elevação da comercialização e queda das cotações na maior parte dos entrepostos atacadistas, com a produção concentrada em Ceres (GO) e no centro-oeste tocantinense. O calor e a demanda retraída tiveram grande influência nesse resultado. As exportações cresceram.

BIBLIOGRAFIA E LINS RELACIONADOS

CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Boletim Hortigranjeiro, Brasília, DF, v. 8, n. 9, set. 2022.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram