Café na xícara e floresta em pé

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

Produção agroflorestal em Apuí gera renda para 115 famílias

O produto se diferencia como o 1º café agroflorestal produzido de forma sustentável na Amazônia brasileira

No Dia Nacional do Café – celebrado em 24 de maio – a história de Apuí, Amazonas, destaca uma transformação agrícola significativa na região. Nos anos 2000, a identificação de oportunidade de valorização e ampliação do cultivo de café sombreado, deu origem ao Café Apuí Agroflorestal. Com o apoio do Idesam, essa abordagem sustentável revitalizou a produção de café, promoveu a regeneração florestal e diversificou a produção agrícola local, contribuindo para a segurança alimentar das famílias envolvidas. Até hoje, 115 famílias já participaram diretamente da iniciativa.

A produtora do Café Apuí Agroflorestal, Solange Jesus dos Santos, salienta a importância da diversidade na produção. “O Café Apuí Agroflorestal é especial, pois não usamos o agrotóxico na produção. É uma forma de trabalhar aqui, em família, e com aquele amor todo. No cultivo do café, até que aconteça a colheita e ocupe a área de plantio, você pode ter o açaí, o cacau, o cupuaçu, você pode ter outras plantas também que dão suco, polpas e vários aproveitamentos”, explica.


No ano de 2023, o valor pago aos produtores foi de R$ 278.439,00. Para Marcelo Elias Pereira, cafeicultor, a produção é mais do que uma oportunidade de renda, mas uma vivência positiva em família. “Se meus netos vêm aqui comer uma fruta, uma laranja, um abacaxi, eu sei que eles estão comendo uma coisa sadia e orgânica. Se eu estou levando alimentos para a merenda escolar da minha comunidade, eu sei que estou transmitindo coisa boa”.

Desde a implementação do Sistema Agroflorestal (SAF), em 2012, o Café Apuí Agroflorestal expandiu-se por meio de parcerias com diversas instituições nacionais e internacionais, bem como com produtores locais. “A marca te garante que é um produto muito bom e com selo de pureza e de qualidade. O consumidor está comprando não só o café, está comprando o sonho de várias famílias que estão vivendo disso”, destaca Estevão Anghinoni, membro da Iniciativa e responsável pela torrefação do café.

Com a expansão da Iniciativa, em 2019, foi criada a empresa Amazônia Agroflorestal, com objetivo de garantir a compra de 100% do café produzido a um preço superior ao de mercado, além de oferecer premiações por práticas agroflorestais, orgânicas e de qualidade, assegurando sua comercialização. A técnica de campo da Amazônia Agroflorestal, Ludmilla Colares, reafirma a relevância da Iniciativa na região. “Apuí é atualmente um dos municípios do sul do Amazonas que mais desmata. Agora, estamos trazendo essa nova fase. Eu acredito que a produção agroflorestal do café seja uma virada de chave para Apuí”.

De acordo com Antônio Carlos Nascimento, técnico de campo da Amazônia Agroflorestal, existe a percepção de que o café produzido em agrofloresta tem melhor qualidade. “No sistema agroflorestal, não somente as árvores contribuem para o meio ambiente, mas, também, temos as anuais, que são as bananas, os cultivos do milho, macaxeira, abacaxi, abóbora, entre outros vegetais. Tudo é aproveitado e isso gera renda para as famílias”, enfatiza

Apoio do Idesam

Em 2018, o Café Apuí Agroflorestal galgou uma nova etapa com a obtenção da certificação orgânica participativa, em parceria com a Rede Maniva de Agroecologia, Organismo Participativo de Avaliação de Conformidade (OPAC). “Isso significa que não é necessário um órgão certificador grande e caro por trás, pois há uma certificação realizada por meio do correlacional entre os próprios produtores. Isso é muito interessante, não só para o relacional dos produtores dentro do território, que acabam se comunicando entre si, entendendo como é a cultura de cada um dentro da própria propriedade e permitindo essas trocas entre eles, como também agrega valor ao produto”, explica Ana Maria Guidi, analista de projetos do Idesam.

A iniciativa, realizada pelo Idesam e empresa Amazônia Agroflorestal, prevê, ainda, assistência técnica rural para auxiliar as famílias em todo o processo de plantio. “É por meio dessa assistência que conseguimos definir quais espécies vão entrar dentro dos sistemas agroflorestais. Para isso, consideramos os interesses da comunidade relacionados à economia, quais são as espécies que são mais vendáveis, os interesses culturais da região, entre outros fatores. Além disso, também consideramos aspectos ecológicos, como quais são as espécies que de fato se adaptam ao clima do Amazonas, que é mais úmido”, destaca Guidi.

Outro ponto importante é que o Café Apuí Agroflorestal é produzido essencialmente por meio da agricultura familiar, o que aproxima a comunidade do processo de produção. “Percebemos que a partir do momento em que o café passa a gerar renda para essas famílias e a integrar os jovens dentro do sistema de produção, vemos uma vontade de permanecer naquela localidade, aprender a respeito do cultivo do café, passar para as novas gerações a questão da sustentabilidade e do valor da floresta em pé. Com os produtores agroflorestais bem remunerados, as famílias permanecem em Apuí, o que contribui para a preservação das florestas da região”, conclui a analista de projetos do Idesam.

Sobre o Idesam

  O Idesam é uma ONG amazonense com atuação na Amazônia Legal desde 2004 e trabalha pela conservação e desenvolvimento sustentável da Amazônia e suas populações. Possui a qualificação de Organização Social de Interesse Público (Oscip) e possui o reconhecimento como uma das 100 melhores ONGs do Brasil em 2022 e como a melhor organização ambiental da Região Norte pelo prêmio Melhores ONGs 2020. Recebeu o Prêmio Empreendedor Social 2022, promovido pela Folha de S. Paulo e Fundação Schwab, na categoria ‘Inovação e Meio Ambiente’; e é credenciado como ator da Década das Nações Unidas da Restauração de Ecossistemas (2021-2030). Coordena as iniciativas Amaz Aceleradora de Impacto, Inatú Amazônia, Café Apuí Agroflorestal, Programa Carbono Neutro, Programa Prioritário de Bioecocomia e Observatório BR-319.

Sobre o Café Apuí Agroflorestal

O Café Apuí Agroflorestal é um produto orgânico de alto valor agregado, e alternativa sustentável de geração de renda e impacto que utiliza Sistemas Agroflorestais (SAFs) como modelo de agricultura regenerativa em Apuí, no sul do estado do Amazonas. É o 1° café agroflorestal produzido de maneira sustentável na Amazônia brasileira. É executado pelo Idesam e empresa Amazônia Agroflorestal.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: agricultura familiar, agroflorestal, Amazônia legal, Café, Cupuaçu, floresta em pé, Mercado, reflorestamento

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

julho 2024
D S T Q Q S S
 123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram