CuradoriaPecuária
0

Atenção pecuarista! A janela para o plantio de pastagens será curta

Atenção pecuarista! A janela para o plantio de pastagem será curta

(Curadoria Agro Insight)

O produtor que pensa em plantar um novo pasto tem duas notícias a receber. A boa é que a janela para o plantio ainda está aberta; a ruim, o prazo é curto, meados de fevereiro. As tendências climáticas para o trimestre – janeiro, fevereiro e março – apontam para condições pluviométricas suficientes para não somente plantar uma nova pastagem como para seu adequado estabelecimento.

Segundo o zootecnista da Embrapa, Haroldo Pires de Queiroz, o pasto precisa de 60 dias de chuva, em torno de 200 ml para se estabelecer, e as tendências de chuva, segundo boletim agroclimatológico do INMET (áreas em azul nos mapas), garantem que até o dia 15 de fevereiro será possível plantar pastagem, e assim, aproveitar ao máximo a janela.

Ele destaca que esse pasto é estratégico para o produtor rural, de outono-inverno e por ser um pasto recém-plantado, os seus primeiros seis meses são de alta qualidade, sendo estratégico para o período da seca. É um pasto de entressafra.

Essa pastagem é indicada ainda para o produtor que faz integração soja e pastagem e para aquele que plantar milho em sucessão a soja. Segundo o analista da Embrapa (Campo Grande-MS), com esse pasto safrinha é possível ter, na seca, um ganho de peso de cerca de 700 gramas/cabeça/dia, sem a necessidade de suplementação, somente o sal mineral e a garantia de engorda e terminação do animal.

Entretanto, para se obter tais benefícios, Queiroz destaca que um pasto de qualidade depende de água, luminosidade e temperatura, os chamados fatores ambientais. Porém, fatores como a qualidade da semente, preparo do solo e escolha da semente e do animal interferem igualmente no sucesso ou insucesso da atividade.

Dicas para formar a pastagem

Reforma ou manutenção

A primeira delas se refere à reforma ou manutenção. No processo de reforma da pastagem o produtor gasta muito mais que em sua manutenção. Na manutenção não há custos com maquinários, insumos e determinadas operações necessárias na reforma. Além disso, o pasto na reforma fica parado por seis meses e isso gera perdas. Com a correção de manutenção, o produtor dilui os custos ao longo do período.

Escolha da forrageira

Já a escolha da forrageira ‘ideal’ depende dos objetivos da propriedade rural. No caso de sistemas intensivos, é necessário um capim mais fácil de manejar. Por outro lado, se o objetivo é uma produtividade não tão alta, utiliza-se uma forrageira que exija menos adubação de manutenção. Além disso, é preciso considerar se a forrageira se destinará à manutenção do gado de cria ou à engorda de novilhos. Dependendo de suas estratégias, a pastagem pode ser utilizada também para silagem, fenação ou feno em pé.

Preparo da área e correção da fertilidade

Com a forrageira escolhida, o empreendedor rural precisa preparar o solo para receber a semente. Isso significa corrigir a fertilidade, controlar as invasoras e nivelar o solo para o depósito adequado da semente, garantindo sua melhor germinação. Alguns itens são obtidos por meio de uma criteriosa análise de solo e acompanhamento de profissional da área credenciado (engenheiro-agrônomo), o que garante a longevidade da pastagem.

Qualidade da semente

Em relação às sementes, é importante, semente, pensar em longo prazo. A semente deve ser de qualidade adquirida em estabelecimentos idôneos. O custo com sementes não chega a 10% se comparado a outros insumos e, além disso, um pasto bem formado pode durar até 20 anos. Já uma safra perdida, muito mais.

Manejo da pastagem

Há os cuidados extras do pós-plantio, como o monitoramento de lagartas, formigas, insetos cortadores e plantas daninhas; e entre 40 e 60 dias ocorre o primeiro pastejo. O produtor não deve deixar o pasto ‘sementear’. Assim que atingir a altura de manejo, realiza-se o primeiro pastejo, que uniformiza a altura e garante um bom perfilhamento inicial.

Fonte: Embrapa – Notícias

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

Janela para o plantio de pastagem se fecha em fevereiro

ZIMMER, A. H.; MACEDO, M. C. M.; KICHEL, A. N.; ALMEIDA, R. G. de. Degradação, recuperação e renovação de pastagens. Campo Grande, MS: Embrapa Gado de Corte, 2012. 46 p.

COSTA, J. A. A. da; QUEIROZ, H. P. de. Régua de manejo de pastagens. Campo Grande, MS: Embrapa Gado de Corte, 2013.

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

junho 2022
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
2627282930  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu