Agronomia Raiz: O algodão no Oeste da Bahia

CEO, Josi Prado

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

A cotonicultura na Bahia cresceu exponencialmente desde 1998, tornando-se o segundo maior produtor de algodão no Brasil. A região oeste do estado se destaca na exportação desse produto, com altos rendimentos por hectare e práticas agrícolas mecanizadas e rotativas.

História da Produção de Algodão no Brasil | Universo AgroGalaxy

Spínola e Xavier salientam que o modelo produtivo adotado na cotonicultura do oeste da Bahia é um “modelo produtivista”, enfatizando a busca por altos rendimentos por hectare, uso intensivo de insumos e monoculturas em grande escala. São apontadas as vantagens e desvantagens desse modelo. As estatísticas do mercado mundial mostram os principais produtores e consumidores de algodão. No Brasil, após um período de queda, a produção algodoeira voltou a crescer, especialmente na região oeste da Bahia, que se destaca na produção do estado.

A produção de algodão no oeste da Bahia tornou-se um motor econômico na região, gerando um impacto significativo no setor agrícola do estado. Com uma produtividade por hectare entre as mais altas do país, essa região se destaca não apenas pela quantidade produzida, mas também pela eficiência no cultivo do algodão. O sistema de rotação de culturas entre algodão, soja e milho tem sido uma prática comum, mostrando a busca pela diversificação e otimização dos recursos disponíveis, fortalecendo assim a sustentabilidade do setor agrícola local.

A cadeia produtiva do algodão, embora essencialmente voltada para a indústria têxtil, tem seus desdobramentos em diversos segmentos. Além da pluma, utilizada na indústria têxtil, o caroço do algodão é aproveitado na produção de óleos, farelos e até mesmo biodiesel, expandindo as possibilidades de uso dessa cultura para além do setor têxtil. Essa diversificação de aplicações representa uma oportunidade de agregação de valor à produção, ampliando as opções econômicas na região e proporcionando alternativas para os agricultores.

Outros produtos do algodão como tortas e óleos produzidos do caroço do algodão têm inúmeras aplicações e servem de insumos na fabricação de uma gama de itens, pode-se vislumbrar uma série de aproveitamentos da cotonicultura, não necessariamente na cadeia têxtil. No oeste, estão se implantando diversas esmagadoras de grãos, para a produção de óleo de algodão a ser utilizado em diferentes produtos da indústria de alimentos e até como fonte de energia na fabricação de biodiesel.

Referência:  SPÍNOLA, Vera;  XAVIER, Marcelo. Desafios ao Fortalecimento da Cadeia do Algodão: o Caso da Região Oeste. Disponível em: Desenbahia. Acesso em 04/12/2023

Para saber mais, assista ao vídeo do Escancaragro:

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: algodão, Escancaragro, Oeste da Bahia, pesquisa e desenvolvimento

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
LinkedIn
YouTube
Instagram