Mudanças na aptidão produtiva das diferentes regiões brasileiras

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

Na curadoria de hoje, trouxemos um texto da plataforma Visão de Futuro do Agro Brasileiro, sobre as mudanças na aptidão produtiva das diferentes regiões brasileiras.

Mudanças da produção agrícola: uma análise dos biomas brasileiros

Diferenças no desenvolvimento sugerem que o progresso da agricultura brasileira foi distinto nos biomas brasileiros. Enquanto os biomas Cerrado, Caatinga, Mata Atlântica e Pampa fizeram parte do processo de desenvolvimento, os biomas Amazônia e Pantanal ficaram à margem. A agricultura brasileira carece de análises que levem em conta a interação histórica dos recortes político e geográfico, com os pressupostos do capitalismo natural1, cuja melhor expressão são os biomas.

O bioma Amazônia é um exemplo atual do debate sobre desenvolvimento sustentável baseado no capitalismo natural que, apesar do grande potencial em recursos naturais, ainda não gerou suficiente bem-estar à população local. Não obstante, o bioma apresenta algumas ilhas de prosperidade que não deixam dúvidas sobre o potencial do espaço rural para geração de riqueza e bem-estar. Essas ilhas sugerem que não é suficiente simplesmente transferir e adaptar tecnologias geradas em outras regiões agrícolas, mas produzir conhecimento e desenvolver tecnologia local. É preciso acelerar a incorporação tecnológica visando a maiores ganhos de produtividade, adotando como estratégia um projeto integrado de desenvolvimento sustentável.

Esse desenvolvimento sustentável deve prever a recuperação e preservação das características básicas dos biomas, uso mais eficiente e sustentável dos recursos naturais e serviços ambientais e ecossistêmicos, todos tendo a inovação como instituição principal no aperfeiçoamento ou elaboração das políticas públicas, que deve ser a tônica no desenvolvimento sustentável dos biomas brasileiros.

Em 2019, a ONU declarou a década de 2021 a 2030 como a Década da Restauração de Ecossistemas (Nações Unidas, 2019). Com liderança do Programa da ONU para o Meio Ambiente (PNUMA) e da Organização das Nações Unidas para a Alimentação e Agricultura (FAO), a iniciativa pretende inspirar e apoiar governos, organizações multilaterais, sociedade civil e empresas do setor privado para colaborar, desenvolver e catalisar iniciativas de restauração de ecossistemas em todo o mundo, considerando que a restauração de ecossistemas degradados é uma medida comprovada de mitigar os efeitos das mudanças climáticas, melhorar a segurança alimentar, manter o fornecimento de água e conservar a biodiversidade (Zandonai, 2021).

O bioma Mata Atlântica, por sua vez, apresenta uma agricultura madura, exportadora de tecnologias e com forte impacto econômico, social e ambiental, inclusive pela concentração do setor de serviços ligados à agricultura. A agricultura da Mata Atlântica não deve ser analisada simplesmente do ponto de vista rural, mas deve-se considerar a movimentação do meio rural, nas dimensões econômica, social e ambiental, para o meio urbano. As prioridades do capitalismo natural relacionadas ao setor agrícola na Mata Atlântica são: 1) recuperação e preservação das características básicas do bioma e suas relações com a vida urbana; 2) intensificação produtiva; e 3) transbordamentos socioeconômicos da produção agrícola.

Já a Caatinga vivenciou muitas transformações políticas, econômicas e ambientais, que promoveram algum desenvolvimento, dando origem a questões críticas como a migração que, agravada pela urbanização precária, levou ao aumento da violência e da disputa hídrica. O problema da Caatinga não se restringe à falta de chuva, mas também é fruto de múltiplas restrições, tais como a inadequação do solo e a estrutura agrária. Assim, a solução não passa apenas pela intensificação da produção nas áreas irrigadas. Será necessário amplificar a agricultura multifuncional (turismo, agroecologia, produção orgânica, etc.), que pode contribuir para o aumento da renda dos agricultores.

Não há dúvidas de que o setor agrícola foi o grande vetor de transformação do Cerrado nas últimas quatro décadas e, atualmente, esta é a região mais importante para o desempenho agrícola do País. A despeito da dinâmica agrícola exitosa, a agricultura no Cerrado apresenta importante passivo ambiental, em especial quanto à questão hídrica, com consequências para o Pantanal. Ademais, a intensificação produtiva tem implicações ambientais relevantes, a exemplo do uso acentuado de agroquímicos, que se traduzem, não apenas em custos crescentes de produção, como também no aumento em custos ambientais e sociais e, para muitos segmentos envolvidos, inaceitáveis.

No Pampa, em razão da fragilidade do bioma e das limitações para a agricultura, desde o período colonial, a pecuária extensiva mantém-se como a principal atividade. Apesar disso, recentemente ocorreram importantes mudanças no uso das terras. A pecuária e o rápido avanço das monoculturas têm causado danos à biodiversidade e comprometido o desenvolvimento sustentável do bioma. Os sistemas integrados poderão ser uma alternativa, mas necessitam de maior aporte de conhecimento, em especial na gestão dos sistemas decorrentes da diversificação produtiva que ocorre no bioma.

No Pantanal, a questão crítica é a degradação ambiental, que afeta negativamente a dimensão econômica e, consequentemente, a social. Dentre os problemas ambientais, estão o desequilíbrio ecológico provocado pela pecuária bovina descontrolada, o desmatamento, a pesca e a caça predatórias, o garimpo irregular e o turismo descontrolado e, mais recentemente, a produção agrícola (grãos e cana-de-açúcar) intensiva na fronteira do bioma com o Cerrado. Não obstante a degradação ambiental interna, o Pantanal ainda sofre com a degradação ambiental do Cerrado, grande responsável pelos ciclos das águas. A solução para o bioma passa pela multifuncionalidade do espaço rural, o que deve incluir o desenvolvimento de sistemas madeireiros e de atividades como a apicultura, a aquicultura, a criação de animais e o turismo.

Cada bioma apresenta questões críticas que, apesar de peculiares, evidenciam interdependência entre as dimensões social, ambiental e econômica. O impacto causado em uma das dimensões repercute de alguma maneira em outra, indicando que ações fragmentadas não serão eficazes na formulação da estratégia e na implementação de programas, políticas e iniciativas, visando ao desenvolvimento sustentável da agricultura brasileira. Recuperação e preservação das características básicas dos biomas, uso mais eficiente e sustentável dos recursos naturais e serviços ambientais e ecossistêmicos, todos tendo a inovação como instituição principal no aperfeiçoamento das políticas públicas, devem ser a tônica no desenvolvimento sustentável dos biomas brasileiros.

Nota: O texto tem por base Buaianain et al. (2020) e Hargroves e Smith (2006).

BIBLIOGRAFIA E LINS RELACIONADOS

VISÃO de futuro do agro brasileiroIntensificação Tecnológica e Concentração da Produção. Brasília, DF: Embrapa, 2022. 8 p., 2022.

BUAINAIN, A. M.; FAVARETO, A.; CONTINI, E.; CHAVES, F. T.; HENZ, G. P.; GARCIA, J. R.; DAMIANI, O.; VIEIRA JUNIOR, P. A.; GRUNDLING, R. D. P.; NOGUEIRA, V. G. de C. Desafios para a agricultura nos biomas brasileiros. Brasília, DF: Embrapa, 2020. 69 p.

HARGROVES, K.; SMITH, M. H. The natural advantage of nations: Business opportunities, innovations and governance in the 21st century. London: Routledge, 2006. 576 p.

HAWKEN, P.; LOVINS, A. B.; LOVINS, L. L. H. Capitalismo natural: criando a próxima revolução industrial. São Paulo: Cultriz, 1999.

NAÇÕES UNIDAS. United Nations Decade on Ecosystem Restoration (2021–2030): Resolution 73/284. [New York], 6 Mar. 2019. Disponível em: https://digitallibrary.un.org/record/3794317. Acesso em: 20 out. 2021.

30ZANDONAI, R. Começa a década da ONU da restauração de ecossistemas. Nações Unidas Brasil, 7 jun. 2021. Disponível em: https://brasil.un.org/pt-br/130341-comeca-decada-da-onu-da-restauracao-de-ecossistemas. Acesso em: 20 out. 2021.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: Caatinga, cerrado, Mata Atlântica, Pampa

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
LinkedIn
YouTube
Instagram