Notícias
0

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Principais Notícias da Semana no Mundo Agro

Fique informado e compartilhe nas suas redes sociais

GERAIS

Brasil bate recorde histórico na exportação de frutas em 2021

O Brasil alcançou recorde histórico de exportação de frutas em 2021.

No ano, as exportações brasileiras de frutas foram superiores tanto em volume quanto em receita. O faturamento superou US$ 1,21 bilhão, sendo 20,39% acima do computado até dezembro de 2020. O volume total de frutas frescas enviadas ao exterior foi de 1,24 milhão de toneladas, superior em 18,13% em relação ao mesmo período do ano anterior.

Dentre as frutas mais exportadas pelo Brasil em 2021 estão: mangas, com US$ 248 milhões e 20% do total exportado no período; melões, com US$ 165 milhões e 14% de participação; uvas, com US$ 155,9 milhões e 13%; nozes e castanhas, com US$ 151,9 milhões e 13%; limões e limas, com US$ 123,8 milhões e 10% de participação.

As exportações das frutas nacionais em 2021 tiveram como principais destinos a União Europeia (48%), os Estados Unidos (16%), o Reino Unido (14%), a Argentina (4%) e o Canadá (3%).

Fonte: Mapa

Abrapa compartilha experiência brasileira com países africanos

A experiência brasileira de desenvolvimento da cotonicultura a partir da utilização de alta tecnologia e da busca constante de melhoria da qualidade da fibra é um exemplo para os países africanos. O compartilhamento deste know how é um dos objetivos do seminário “Integração Africana para o Melhoramento Genético Sustentável do Algodão”, promovido pela Agência Brasileira de Cooperação (ABC), do Ministério das Relações Exteriores (MRE).

O evento online, iniciado nesta quarta-feira (26), reúne representantes da ABC, de instituições brasileiras do setor público e privado e dos 15 países parceiros da cooperação técnica do Brasil na África. A Abrapa participou da abertura do evento. Desde 2009, a entidade apoia a iniciativa de cooperação com o continente africano, levando sua experiência na promoção do associativismo e do cooperativismo, com o objetivo de impulsionar o desenvolvimento do setor algodoeiro nos países do C4 – Benin, Burquina Faso, Chade e Mali.

O Programa Brasileiro de Apoio ao Fortalecimento da Cotonicultura em países em desenvolvimento da África, coordenado pela ABC com o apoio do Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento (PNUD) e do Instituto Brasileiro do Algodão (IBA), é executado em parceria técnica com instituições nacionais públicas e privadas de excelência no setor do algodão.

Fonte: Abrapa

PRODUÇÃO

Aprosoja solicita a liberação emergencial de herbicidas no Brasil

Associação Brasileira dos Produtores de Soja (Aprosoja Brasil) solicitou ao Ministério da Agricultura na última quarta-feira (19.01) a liberação emergencial dos herbicidas Diquat e Paraquat para a dessecação das lavouras de soja.

Em nota divulgada à imprensa, a empresa Syngenta, detentora do registro do Diquat, disse ser contra a permissão para que “produtos não avaliados e aprovados pelas autoridades regulatórias brasileiras sejam disponibilizados aos agricultores”.

No entanto, a liberação emergencial de defensivos tem um precedente histórico. Em 2015 o governo federal autorizou o uso emergencial de benzoato de emamectina, produzido pela própria Syngenta, para o controle da lagarta Helicoverpa armígera.

Segundo a Aprosoja, a liberação emergencial do Diquat teria bem estabelecidas a sua forma de entrada, aplicação e segurança no uso (como se trata de produto genérico, todas essas etapas já foram concluídas), bem como a destinação final de embalagens.

Importante destacar também que, diante da falta de comprovação sobre a toxidade do Paraquat, autoridades sanitárias dos Estados Unidos liberaram o uso desse herbicida por mais 15 anos, além de o Canadá ter autorizado o uso, assim como Austrália e os países do Mercosul, onde o uso e a comercialização do Paraquat – banido pela Anvisa em 2020 no Brasil – continua permitida.

A falta do Diquat tem prejudicado o processo de dessecação, que é a utilização de herbicida para preparar as lavouras para a colheita e pode trazer prejuízos à qualidade da produção brasileira e ao país como um todo.

Outro impacto é sentido no bolso do produtor. O litro, que antes era comprado por R$ 30,00, está custando mais de R$ 160,00. No início desta safra, o aumento no preço do produto era de 300% e hoje alcança 500%, conforme constatam produtores.

Fonte: Aprosoja

Embrapa e Abapa lançam sistema de alerta para doenças do algodão e da soja

Em fevereiro, a Embrapa e a Associação Baiana dos Produtores de Algodão (Abapa) promoverão o lançamento virtual do Monitora Oeste, um sistema digital que envia ao celular alertas do avanço da mancha de ramulária do algodão e da ferrugem asiática da soja sobre o Oeste da Bahia.

Será possível acompanhar a disseminação territorial das doenças sobre o Oeste baiano – região de destaque nacional na produção de algodão e soja. Dentro do Monitora Oeste, o usuário poderá fazer consultas a mapas diários das ocorrências e das condições climáticas favoráveis para que elas ocorram. As buscas podem ser filtradas por municípios, tipos de áreas de cultivo e núcleos fitossanitários.

O banco de dados do Monitora Oeste é alimentado por uma rede de informantes composta por pesquisadores, extensionistas e produtores regionais que percorrem os campos baianos de plantações de soja e de algodão durante o período de safra. Ao descobrirem focos de doenças, eles lançam as informações no sistema, e, instantaneamente, os alertas chegam ao celular do produtor cadastrado, dando-lhe tempo para a tomada de decisão.

Fonte: Embrapa

Conab avalia estimativa da safra no Rio Grande do Sul após perdas com estiagem

A Companhia Nacional de Abastecimento (Conab), que acompanhou a comitiva do Mapa nas áreas do centro-sul do país atingidas pela estiagem, segue os estudos previamente programados para atualizar os números da safra de grãos no Rio Grande do Sul, que serão divulgados no 5º levantamento do ciclo 2021/2022.

A pesquisa iniciada nesta segunda-feira (24) segue até sexta (28), em modalidade remota, com o auxílio da rede de informantes da Conab em todas as mesorregiões do estado, que abrange instituições como Emater, Irga, Cooperativas, Escritórios de Planejamento e agentes financeiros. Neste levantamento, serão avaliadas as principais culturas de verão (soja, arroz, milho), de forma regionalizada, em quatro roteiros que representam as principais regiões produtoras locais. Serão coletadas informações referentes ao percentual semeado e colhido, estádios das culturas, tipos de sementes, ciclo das cultivares, tecnologia empregada, calendário agrícola e qualidade das lavouras entre outras.

A pesquisa no Rio Grande do Sul também avalia o efeito das altas temperaturas na cultura do arroz. Técnicos da Conab explicam que muitos produtores reduziram a irrigação do total da lavoura, dando preferência para as áreas em período reprodutivo, como medida para garantir a irrigação até o final do ciclo. Os resultados quantitativos de área, produção e produtividade no estado estão sendo compilados e serão divulgados somente no dia 10 de fevereiro, durante a apresentação dos dados nacionais do 5º Levantamento da Safra de Grãos 2021/2022.

Fonte: Conab

Embrapa realiza leilão da genética Nelore BRGN

Os pecuaristas interessados em adquirir a genética de bovinos Nelore BRGN, da Embrapa, já podem se programar: o próximo Leilão Nelore BRGN da Embrapa Cerrados (DF) será realizado nos dias 17 e 18 de fevereiro de forma totalmente on-line pelo site da Multleilões na internet (multleiloes.com).

Serão ofertados 190 animais, sendo 81 touros jovens e 49 fêmeas Nelore BRGN (registrados ou controlados) no dia 17, às 19h30; além de 34 machos e 26 fêmeas comerciais no dia 18, às 10h.

Fonte: Embrapa

Medidas de contingenciamento e monitoramento da cigarrinha e enfezamentos do milho

O Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) em conjunto com a Associação dos Produtores de Soja e Milho do Mato Grosso (Aprosoja MT), a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa) e o Instituto de Defesa Agropecuária de Mato Grosso (Indea MT) realizaram, nesta semana, visita técnica no estado de Mato Grosso para traçar medidas de contingenciamento e monitoramento da cigarrinha e enfezamentos do milho junto aos principais produtores da cultura.

A presença desse inseto e os prejuízos causados pelas doenças têm gerado grande preocupação para os produtores que buscam adoção de medidas para não comprometer a safra de milho no estado. Até então, não há uma medida de controle isolada capaz de evitar a ocorrência da praga. As medidas preventivas podem reduzir ou evitar a incidência dessas doenças.

Segundo a Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária (Embrapa), essas doenças são causadas por microrganismos denominados mollicutes e também por vírus, que invadem sistemicamente e multiplicam-se nos tecidos do floema da planta de milho e são transmitidos de plantas doentes para plantas sadias, pela cigarrinha Dalbulus maidis.

Para informações sobre a identificação das doenças nas lavouras e sobre o manejo mais adequado para se minimizar os impactos gerados pelos enfezamentos do milho, pesquisadores da Embrapa Milho e Sorgo elaboraram cartilha sobre o Manejo da Cigarrinha e Enfezamentos na Cultura do Milho.

Fonte: Mapa

Embrapa disponibilizará mudas e sementes de amendoim forrageiro para viveiristas interessados

Produtores de mudas e sementes interessados em propagar as cultivares de amendoim forrageiro BRS Oquira (mudas) e a BRS Mandobi (sementes), e utilizar a marca “Tecnologia Embrapa” podem se cadastrar para adquirir os lotes lançados pela Embrapa. As propostas serão aceitas até dia 31 de janeiro.

Os lotes são exclusivos para viveiristas interessados em produzir mudas e sementes para comercialização. De acordo com o edital, a inscrição no Registro Nacional de Sementes e Mudas – RENASEM, como produtor de mudas de amendoim forrageiro, é um dos pré-requisitos para concorrer aos lotes das cultivares.

Outro detalhe importante é que os produtores poderão adquirir um lote de cada material ofertado. No entanto, caso ocorram  lotes remanescentes, poderão manifestar interesse em obtê-los. Da  cultivar BRS Oquira, estão sendo ofertados 144 lotes com 25 quilos de mudas brutas, ao valor de R$125,00 reais por lote, quantidade  recomendada para plantio de uma área de mil metros quadrados.

Já com relação à BRS Mandobi, a Embrapa está ofertando quatro lotes, ao custo de 3 mil reais cada lote, cada um deles com capacidade para plantio de 0,25 hectares e com diferentes taxas de germinação.

Vantagens das cultivares

A BRS Mandobi, além de ser propagada por sementes, apresenta excelente capacidade de consorciação com gramíneas, elevado vigor e produtividade de forragem de alta qualidade. É bem consumida pelo gado, melhorando a qualidade da dieta animal devido ao elevado teor de proteína e alta digestibilidade da planta. O material é indicado tanto para formação de pastos novos em consórcio com gramíneas, quanto para plantio em pastagens já estabelecidos. É uma leguminosa forrageira que tem como características longo tempo de vida e cobre rapidamente o solo, protegendo-o contra o impacto direto da chuva e do sol.

Já cultivar BRS Oquira é  propagada por mudas e recomendada para solos de média fertilidade, podendo, também, ser utilizada em sistemas intensivos, com irrigação e adubação, e se destaca em relação a outras cultivares de amendoim forrageiro disponíveis no mercado por sua elevada produtividade de forragem e maior tolerância à seca. As duas cultivares foram desenvolvidas pela Embrapa em parceria com outras instituições.

Os interessados devem entrar em contato com Aureleano Silva, analista da Embrapa, por meio do e-mail: [email protected] ou pelo telefone: (61) 3448-4168.

Fonte: Embrapa

IAC lança o livro sobre compostagem

A busca pelo aumento da eficiência dos processos de reciclagem de resíduos orgânicos com o objetivo de reaproveitá-los na agricultura é feita por meio da tecnologia chamada compostagem. Sobre este tema, o Instituto Agronômico (IAC) lança o livro “Compostagem para fins Agrícolas” neste 25 de janeiro de 2022, às 9h, durante a live com o mesmo título da publicação.

Os interessados podem acessar a programação da live no site: http://www.iac.sp.gov.br/eventos/eventos_view.php?id=01407. A versão imprensa e online serão comercializadas pela Fundação de Apoio A Pesquisa Agrícola (Fundag).

Dentre os benefícios proporcionados pela tecnologia, estão a melhora da qualidade do solo, obtida pela reposição da matéria orgânica e de nutrientes. A compostagem também contribui para reduzir a temperatura média do solo e favorece a população de microorganismos benéficos. Esse cenário melhora a saúde das plantas, que se tornam mais resistentes às pragas e doenças, reduzindo a necessidade de controles químicos.

Fonte: IAC

Trigo no Cerrado de Roraima

Embrapa Roraima demonstra o potencial da produção da cultura do trigo no Cerrado de Roraima.

Uma Unidade de Observação foi instalada em campo na Vitrine Tecnológica da Embrapa Roraima, onde estão sendo testadas três cultivares de trigo (BRS 264, BRS 394 e BRS 404), semeadas em 06 de dezembro de 2021, para as condições do Cerrado de Roraima.

Ainda em janeiro de 2022 iniciam os testes no Campo Experimental Água Boa (CEAB), área maior que está sendo preparada para receber o plantio com as mesmas cultivares testadas na Vitrine Tecnológica. Será avaliado a adaptabilidade das cultivares de trigo às condições edafoclimáticas do Cerrado de Roraima, bem como a qualidade dos grãos produzidos, entressafra da soja/milho com uso de irrigação, avaliação da produtividade, densidade de semeadura, níveis de adubação, estudos de sanidade e qualidade da farinha produzida, podendo ser uma alternativa para os produtores de grãos nos cerrados de Roraima. Estima-se que num prazo de dois anos, a Embrapa Roraima estará recomendando pelo menos uma cultivar de trigo adaptada às condições de cerrado no Estado.

Fonte: Embrapa

MERCADO

Indicadores Cepea – Centro de Estudos Avançados em Economia Aplicada

Histórico dos indicadores ao longo do ano.

PRODUTO COTAÇÃO
Soja Incertezas quanto à produção nacional de soja, expectativas de maior demanda e a recente desvalorização cambial (US$/R$) ampliaram a disparidade entre os preços pedidos e ofertados pela oleaginosa, limitando a liquidez no mercado brasileiro. De um lado, produtores, especialmente os da região Sul, relatam grandes perdas na produção devido à escassez hídrica no principal período de desenvolvimento das lavouras. De outro, agentes consultados pelo Cepea apontam que as produções nas demais regiões do Brasil devem ser volumosas, compensando boa parte das perdas no Sul. Agentes também indicam a possibilidade de maiores demandas doméstica e internacional nesta temporada, o que tem deixado produtores reticentes nas negociações do remanescente da safra 20/21 e também de contratos a termo da safra 21/22. Consumidores também estiveram cautelosos nos últimos dias, diante da desvalorização do dólar e da expectativa da entrada da nova safra. No spot nacional, o Indicador CEPEA/ESALQ Paraná subiu 1,5% entre 14 e 21 de janeiro, a R$ 177,33/sc de 60 kg na sexta-feira, 21. O Indicador ESALQ/BM&FBovespa Paranaguá (PR) registrou alta de 2%, no mesmo comparativo, a R$ 180,15/sc de 60 kg no dia 21. Dentre as regiões brasileiras, entretanto, os preços registraram direções distintas. O dólar registrou queda de 1,17% entre as duas últimas sextas-feiras, a R$ 5,457 no dia 21. Saiba mais
Algodão O Indicador CEPEA/ESALQ do algodão em pluma continuou em elevação no balanço dos últimos sete dias, influenciado pelos altos patamares dos preços internacionais e pela posição resistente dos vendedores ativos. Entre 18 e 25 de janeiro, o Indicador CEPEA/ESALQ do algodão em pluma aumentou 1,08%, fechando a R$ 7,0120/lp na terça-feira, 25. Segundo informações do Cepea, cotonicultores estão mais voltados a atividades de campo da nova temporada e disponibilizam apenas alguns lotes da pluma a preços superiores no spot. Do lado comprador, indústrias estão cautelosas quanto a novas aquisições diante das altas nos preços e compram apenas quando há necessidade, utilizando a matéria-prima em estoque e/ou contratada. Esse cenário de menor demanda, porém, pressionou as cotações nos últimos três dias. Saiba mais
Milho Os preços do milho continuam em alta no mercado físico nacional, mesmo com o início da colheita da primeira safra no Sul. Segundo colaboradores do Cepea, as consecutivas valorizações têm preocupado compradores, que reportam dificuldades para recompor estoques. No estado de São Paulo, especificamente, mesmo com o aumento da oferta do Centro-Oeste, demandantes têm preferido comprar o cereal paulista, que estava nos armazéns desde a colheita da segunda safra. Porém, menores volumes – a preços mais altos – têm sido adquiridos, mas com entrega rápida. Entre 14 e 21 de janeiro, o Indicador ESALQ/BM&FBovespa, referente à região de Campinas (SP), subiu 1,6%, fechando a R$ 98,33/saca de 60 kg na sexta-feira, 21, acumulando 15 dias consecutivos de alta e voltando aos patamares de agosto de 2021. Saiba mais
Etanol Os valores do etanol hidratado recuaram na semana passada no mercado paulista. Segundo pesquisadores do Cepea, distribuidoras, na expectativa de possíveis novas quedas, se retraíram, comprando apenas os volumes de necessidade imediata. Usinas, com volumes em tanques, venderam a preços menores do que os praticados em semanas anteriores. Entre 17 e 21 de janeiro, o Indicador CEPEA/ESALQ do etanol hidratado foi de R$ 3,3041/litro em São Paulo, recuo de 1,42% em relação ao período anterior. Quanto ao anidro, a redução foi de apenas 0,04%, com o Indicador CEPEA/ESALQ fechando em R$ 3,8282/litro. Saiba mais
Arroz As cotações de arroz estão firmes no Rio Grande do Sul. De um lado, há restrição vendedora, visto que esses agentes aguardam patamares superiores para novas negociações. De outro, há maior interesse comprador, visando repor estoques. Compradores também apontam dificuldade de importar o produto do Paraguai, o que acabou elevando o interesse pelo cereal nacional. Mesmo assim, a liquidez continua baixa. O Indicador ESALQ/SENAR-RS avançou 1,46% entre 18 e 25 de janeiro, fechando a R$ 63,45/sc de kg no dia 25, após quase dois meses na casa dos R$ 62,00/sc. Saiba mais
Boi  Saiba mais

CLIMA

Previsão de chuva

  • A previsão de chuva acumulada entre os dias 24 e 31 de janeiro de 2022

De acordo com o modelo numérico do INMET, os maiores acumulados tendem a ocorrer em áreas das regiões Norte, Nordeste e Centro-Oeste do Brasil.

REGIÃO PREVISÃO DE CHUVA
Sul A semana deverá ter temporais isolados na Região Sul. Os acumulados de chuva podem ficar em torno de 80 mm em áreas do Rio Grande do Sul e do norte do Paraná.
Sudeste Deverão ocorrer acumulados de chuva próximos aos 100 mm também no centro e sul de São Paulo. Nas demais áreas da região, os acumulados de chuva deverão variar entre 5 e 50 mm.
Centro-Oeste A previsão é de acumulados superiores aos 100 mm em áreas do Mato Grosso e no sudoeste de Goiás.
Nordeste Os maiores acumulados de chuva deverão ocorrer no Maranhão, Piauí e no oeste da Bahia, com valores que podem ficar próximos aos 100 mm.
Norte Os maiores acumulados de chuva deverão se concentrar no leste do Pará, norte de Tocantins e centro do Amazonas, com acumulados podendo variar entre 80 e 150 mm.

Figura 1. Previsão de acumulado de chuva entre os dias 24 e 31 de janeiro de 2022. Fonte: INMET

 

  • A previsão de chuva acumulada entre os dias 01 e 09 de fevereiro de 2022

De acordo com o modelo de previsão numérica, a semana deverá ter totais elevados de chuva em parte das regiões Norte e Centro-Oeste. Nessas áreas, a tendência é de acumulados de chuva superiores aos 100 mm.

REGIÃO PREVISÃO DE CHUVA
Sul A tendência é de mais uma semana com totais de chuva abaixo de 40 mm no Rio Grande do Sul e em Santa Catarina. Já no estado do Paraná, os acumulados de chuva poderão ficar próximos aos 90 mm.
Sudeste Os acumulados de chuva deverão variar entre 20 e 80 mm, com maiores valores previstos para o oeste de Minas Gerais.
Centro-Oeste Há tendência de muita chuva na Região Centro-Oeste, especialmente no Mato Grosso do Sul onde os acumulados podem ficar próximos aos 100 mm.
Nordeste As chuvas deverão se concentrar no litoral sul e centro da Bahia além de áreas do Maranhão e Piauí.
MATOPIBA No MATOPIBA (área que engloba os estados do Maranhão, Tocantins, Piauí e Bahia), os acumulados de chuva poderão variar entre 50 e 80 mm.
Norte Os acumulados de chuva tendem a variar entre 5 e 80 mm na Região Norte, com maiores valores previstos para centrossul do Amazonas e do Pará e em Rondônia.

Figura 2. Previsão de chuva para 2ª semana. Fonte: GFS.

  • Temperatura

As temperaturas máximas deverão se manter elevadas em grande parte da Região Sul até o dia 26 de janeiro de 2022.A partir desse dia, a chegada de uma frente fria no Brasil vai amenizar a intensa onda de calor que atua na Região Sul.

A Figura 3 apresenta a previsão de temperatura máxima para o dia 28 janeiro às 15h. De maneira geral, as temperaturas deverão variar entre 26°C e 36°C.

Figura 3. Previsão de temperatura máxima para o dia 28 de janeiro de 2022 às 15h. Fonte: INMET.

CURSOS E EVENTOS

Selecionamos uma série de eventos importantes no mundo Agro e que podem interessar você. Todos online e sem custos!

Data Evento Instituição promotora Link de acesso
10/02/22

(09:00)

Anúncio do 5º Levantamento da Safra de Grãos 2021/22 Conab Clique aqui
20/01/22

(09:00)

Anúncio do 1º Boletim Hortigranjeiro Prohort 2022 Conab Clique aqui
20/01/2022 Implantação e manejo de recuperação de pastagens – Turma – 01/2022 Embrapa Clique aqui
Contínuo Produção de mudas de cajueiro – enxertia Embrapa Clique aqui
Contínuo Viticultura Tropical no Semiárido Embrapa Clique aqui
Contínuo Apicultura para Iniciantes Embrapa Clique aqui

 

 

 

 

 

 

 

 

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: , , , , , , , , , , , , ,

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

maio 2022
D S T Q Q S S
1234567
891011121314
15161718192021
22232425262728
293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram
Menu