Monitoramento agrícola da safra: Maio de 2023

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Curadoria Agro Insight)

A análise das condições da safra de verão e inverno 2022/2023 nas principais regiões produtoras revela que, no período de 1º a 21 de maio, houve um aumento no volume de precipitações nas regiões Norte e Sul do país.

No caso da Região Norte, as condições climáticas favoreceram especialmente o desenvolvimento do milho segunda safra. Já na Região Sul, as chuvas que estiveram concentradas no estado do Rio Grande do Sul contribuíram para a recuperação do armazenamento hídrico no solo, sem prejudicar a colheita da soja e o preparo das áreas para a semeadura dos cultivos de inverno.

De acordo com o estudo, o tempo seco no Centro-Sul reduziu a umidade no solo, mas em outras regiões produtoras as temperaturas médias foram mais amenas e contribuíram para a menor evaporação. Esse fator possibilitou a manutenção da umidade no solo em níveis satisfatórios para a semeadura, o manejo e o desenvolvimento dos cultivos de segunda safra e de inverno na maior parte do país. Conforme observado no mês anterior, o déficit hídrico persistiu em áreas da Bahia e de Minas Gerais.

Condições climáticas

Durante as três primeiras semanas do mês de maio, os maiores volumes de precipitação ocorreram nas regiões Norte e Sul do país. Na região Norte, houve volumes de até 315 mm em áreas do Amazonas e do Pará, favorecendo o desenvolvimento do milho segunda safra. Enquanto na região Sul, as chuvas foram concentradas no Rio Grande do Sul, com acumulados que variaram entre 105 e 210 mm na maior parte do estado, contribuindo para a recuperação do armazenamento hídrico no solo.

Nota-se que a distribuição das chuvas no Rio Grande do Sul foi irregular no pe- ríodo em análise, sendo registrado volumes mais significativos principalmente na primeira semana do mês. A redução das precipitações nas semanas seguintes foi fa- vorável para a colheita dos cultivos de primeira safra e o preparo das áreas para a semeadura dos cultivos de inverno nas regiões produtoras. No período de 15 a 21/05, praticamente, não houve precipitação no Centro-Sul do país, o que causou a redução da umidade no solo em algumas áreas.

No geral, a umidade no solo foi suficiente para atender a demanda hídrica das lavouras de algodão e milho segunda safra na maior parte do país. A média diária do armazenamento hídrico no solo ficou entre 35 e 60% na maioria das regiões pro- dutoras, com exceção de parte da Bahia, além do Noroeste, Norte e Centro de Minas Gerais e do Centro-Oeste de Goiás, onde houve restrição para as lavouras em estágios reprodutivos.

Apesar do baixo volume de chuvas no Centro-Sul do país, as temperaturas médias foram mais amenas, contribuindo para a menor evaporação de água no solo. Por- tanto, observou-se que os solo foi capaz de reter maior umidade ao longo do período em análise, mantendo-se em níveis satisfatórios para a semeadura, o manejo e o de- senvolvimento das lavouras na maior parte das regiões produtoras. No entanto, em parte da Bahia, no Noroeste, Norte e Centro de Minas Gerais, a baixa disponibilidade hídrica no solo persistiu, agravando o deficit hídrico em algumas áreas.

 

ALGODÃO

Mato Grosso

Apesar da redução das chuvas, o solo tem conservado umidade suficiente para manter o bom desenvolvimento, inclusive nas áreas semeadas fora da janela ideal. As lavouras têm apresentado dossel bem preservado, com boa estrutura reprodutivas e ótimo aspecto sanitário.

Bahia

Na região Extremo-Oeste as lavouras de sequeiro estão em fase de formação das maçãs e maturação e as irrigadas seguem em fase de formação de maçãs. As lavouras apresentam ótima condição. A redução das chuvas, nesse mês, favorece a qualidade da pluma.

Maranhão

No Sul do estado, as lavouras começam a iniciar a maturação. No entanto, as lavouras tardias se encontram em enchimento de maçãs, em boas condições de desenvolvimento e com boa expectativa de produção.

Mato Grosso do Sul

A ausência de chuvas significativas favoreceu os cultivos, visto que há umidade disponível no solo para as lavouras em produção. As lavouras que estão se aproximando do estágio de maturação não apresentaram problemas na qualidade da pluma durante o abertura dos capulhos. Esta condição climática também favoreceu a colheita das lavouras localizadas no Sul do estado.

Minas Gerais

As lavouras apresentam bom desenvolvimento e o clima seco vem favorecendo à maturação das lavouras e a qualidade da fibra.

Goiás

As plantações encontram-se, predominantemente, no estágio de abertura de capulho, e as lavouras apresentam boas condições sanitárias e de desenvolvimento favorecidas pela diminuição das precipitações.

Piauí

As lavouras se desenvolvem em boas condições e estão, em sua maioria, em maturação, com perspectiva de boas produtividades.

São Paulo

A colheita está em pleno andamento e as condições climáticas favoráveis contribuem para esse avanço.

ARROZ

Rio Grande do Sul

A colheita foi concluída. Considera-se uma safra satisfatória, diante das adversidades que a cultura enfrentou durante todo o ciclo de cultivo, como a estiagem, irrigação deficiente, altas temperaturas, amplitude térmica elevada e períodos de temperatura baixa repentina. Apesar da alta quantidade de grãos quebrados não ter afetado a qualidade dos grãos inteiros, percebeu-se a quebra de rendimentos.

Santa Catarina

Na região Sul, como a semeadura é mais tardia, como em Tubarão e São João do Sul, ainda têm poucas áreas a serem colhidas. Nas demais áreas produtoras a colheita foi finalizada.

Goiás

A colheita do arroz irrigado foi concluída e os grãos apresentaram qualidade satisfatória.

Tocantins

A colheita está finalizada. Houve o relato de queda na produtividade devido à ocorrência de áreas inundadas durante o desenvolvimento, com consequente diminuição na qualidade dos grãos colhidos.

Maranhão

A colheita das áreas de sequeiro está em andamento, em praticamente todas as regiões do estado. Nas lavouras de sequeiro, cultivado nas regiões da Baixada Maranhense e do Médio Mearim e na região Sul do estado, a colheita foi finalizada.

Mato Grosso

A operação de colheita está sendo finalizada com boa produtividade e excelente qualidade dos grãos.

SOJA

Rio Grande do Sul

O excesso de chuvas da primeira semana de maio paralisou a colheita em praticamente todo o estado e afetou a qualidade dos grãos em algumas áreas. Contudo, o tempo seco dos últimos dias favoreceu o avanço significativo da colheita que já alcança 93% da área semeada. Tem-se observado redução na produtividade das lavouras devido à condição de estiagem e a desuniformidade em razão da má distribuição das chuvas.

Goiás

A colheita foi concluída e a qualidade dos grãos foi considerada boa nas principais regiões produtoras.

Santa Catarina

No Planalto Norte e Sul, 98% das lavouras foram colhidas, com boa qualidade de grãos.

Bahia

A colheita está finalizando, com ótimos resultados de produtividade e qualidade de grãos, favorecida pela redução das precipitações.

Maranhão

Nas regiões Oeste e Centro, a colheita está próxima da finalização. Nas últimas regiões semeadas, Baixo Parnaíba Maranhense, Coelho Neto e de Chapadinha, a colheita está em andamento e é favorecida pela redução das precipitações.

Piauí

As lavouras se desenvolveram em boas condições em quase todas regiões produtoras. A colheita foi finalizada e as produtividades superam as estimativas iniciais.

Pará

A colheita está sendo finalizada em Paragominas, com um certo atraso devido às chuvas constantes.

MILHO PRIMEIRA SAFRA

Rio Grande do Sul

As condições favoráveis do clima e a proximidade do fim da colheita da soja, permitiu retomar a colheita das lavouras restantes de milho. O avanço só não foi maior em razão do desenvolvimento do milho safrinha nas regiões ao Sul e Leste.

Minas Gerais

Colheita segue avançando em todo o estado (97%), favorecida pelo tempo seco.

Paraná

A redução do volume de chuvas favoreceu os trabalhos de colheita, que alcança 96% da área semeada.

Santa Catarina

A colheita está praticamente finalizada e verifica-se boa qualidade de grãos.

Goiás

A colheita foi finalizada na região Sudoeste. No entanto, na região Leste a colheita avança lentamente devido à limitação de espaço para armazenamento de grãos.

Maranhão

A colheita dos grãos está ocorrendo nas regiões Sul e Oeste, e está sendo favorecida pela redução das chuvas.

Bahia

No Extremo-Oeste, a colheita segue lentamente, mas com ótimos resultados de produtividade, favorecidos pelo clima mais seco que garante a manutenção da qualidade dos grãos.

Piauí

As lavouras se desenvolveram em boas condições e estão se confirmando as estimativas de produtividade. A maioria das lavouras está em maturação e colheita continua avançando normalmente, sobretudo na região do Cerrado.

Pará

A colheita avança e ultrapassa a metade das áreas semeadas na região Sudeste do estado, principal área produtora. As condições climáticas continuam favoráveis.

MILHO SEGUNDA SAFRA

Mato Grosso

Mesmo não ocorrendo chuvas significativas nas últimas semanas, o solo ainda possui umidade suficiente para manter o vigor da cultura, incluindo os talhões que foram semeados fora da janela ideal de cultivo. Há expectativa de uma boa safra na maioria das lavouras, salvo aquelas semeadas muito além do final de janela. Os primeiros registros de colheita se concentram nas áreas que foram semeadas nas primeiras semanas de janeiro.

Paraná

A maioria das lavouras apresenta bom desenvolvimento, porém as áreas semeadas em épocas de muitas chuvas tiveram falhas na germinação.

Mato Grosso do Sul

Mesmo com a redução nas precipitações durante o período, a umidade disponível no solo foi adequada para o desenvolvimento da maioria das lavouras. Porém, em alguns pontos da região Norte, observa-se deficit hídrico nas áreas semeadas tardiamente.

Goiás

As lavouras estão avançando para a fase de enchimento de grãos e início da maturação fisiológica. As condições gerais das plantações continuam favoráveis, com um bom armazenamento de água no solo.

Minas Gerais

As lavouras apresentam bom desenvolvimento, apesar do volume de precipitações reduzido.

Bahia

A falta de chuvas regulares neste mês prejudicou o desenvolvimento das lavouras. A qualidade das lavouras é considerada regular a ruim. As lavouras estão em estágio de floração e enchimento de grãos.

Piauí

As lavouras, na sua maioria, se estabeleceram em boas condições, porém o deficit hídrico tem afetado o potencial de algumas áreas. Houve registro de precipitações localizadas no início deste mês, o que contribuiu para melhoria da qualidade dessas lavouras.

Maranhão

Na região Sul, as lavouras encontram-se em boas condições, com boa expectativa de produtividade. As lavouras estão entre as fases de floração e enchimento de grãos. Nas demais regiões produtoras do Oeste, Centro e Leste Maranhense, as lavouras estão em desenvolvimento vegetativo e floração. As precipitações regulares têm contribuído para um bom desempenho das lavouras em praticamente todo o estado.

Tocantins

As lavouras estão em boas condições fitossanitárias e, majoritariamente, em estágios de enchimento de grãos e maturação. A umidade no solo é considerada satisfatória na maior parte do estado.

Pará

As chuvas estão bem ajustadas, o que vem colaborando para o bom desenvolvimento das lavouras, principalmente naquelas que se encontram em desenvolvimento vegetativo. Na região Sudoeste, a colheita iniciou e nota-se boas produtividades.

TRIGO

Rio Grande do Sul

Observa-se o preparo do solo para iniciar a semeadura.

Paraná

O plantio alcança a metade da área prevista e a umidade existente no solo garante um bom estabelecimento inicial das lavouras.

São Paulo

A diminuição das precipitações nas regiões produtoras impactou na evolução da semeadura.

Mato Grosso do Sul

As temperaturas amenas na região produtora têm promovido o bom perfilhamento inicial e a umidade é suficiente para o seu desenvolvimento.

BIBLIOGRAFIA E LINKS RELACIONADOS

CONAB – COMPANHIA NACIONAL DE ABASTECIMENTO. Boletim de Monitoramento Agrícola, Brasília, DF, v. 12, n. 05, Mai. 2023.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

junho 2024
D S T Q Q S S
 1
2345678
9101112131415
16171819202122
23242526272829
30  
LinkedIn
YouTube
Instagram