ManejoNotíciasSustentabilidade
0

Agroecologia: alavanca da produção sustentável de alimentos

agroecologia produção de alimentos sustentável

Seja bem-vindo(a) a Newsletter da Agro Insight, um espaço de artigos autorais e curadoria sobre tecnologias, sustentabilidade e gestão para o agro.

Se você ainda não é assinante, junte-se a mais de 8 mil profissionais do Agro, consultores e produtores rurais que recebem gratuitamente conteúdos de qualidade selecionados toda semana, adicionando o seu e-mail abaixo:

(Notícias para o Agro)

Pesquisa identificou 33 “viveiros” da agroecologia em diferentes regiões e traz um amplo levantamento das práticas de transição para modelo de produção de alimentos  sustentável

Um estudo sobre as práticas de transição para a agroecologia no Brasil identificou os principais desafios e oportunidades enfrentados por agricultores e organizações de apoio nessa trajetória. Trata-se da publicação Agroecologias do Brasil: potenciais brasileiros para uma agricultura regenerativa a partir da transição para a agroecologia, um amplo levantamento realizado pela World-Transforming Technologies (WTT), com apoio do Instituto Ibirapitanga e da Porticus.

“O principal objetivo desse levantamento é dar visibilidade às diferentes práticas de agroecologia no país, que pode ser descrita como uma forma de produzir alimentos saudáveis, sem prejudicar o meio ambiente, promovendo a sustentabilidade social e econômica das comunidades rurais. Até então, não havia um mapeamento tão amplo e detalhado dos vários territórios onde se pratica agroecologia em solo brasileiro e a equipe da WTT se debruçou sobre várias fontes de informação para construir o que talvez seja o mapa mais detalhado sobre esse assunto”, explica Andre Wongtschowski, diretor de Inovação da WTT.

A pesquisa identificou 33 “viveiros” da agroecologia em diferentes regiões do país, cada um com características e desafios próprios mas, ao mesmo tempo, com similaridades importantes dentro da imensa diversidade encontrada. Exemplo disso é que esses territórios puderam ser classificados em três grandes tipos de agroecologia: as camponesas, em que prevalecem atividades circunscritas nas áreas dos estabelecimentos unifamiliares; as territoriais, baseadas em processos territoriais de gestão e manejo comunitário dos recursos naturais; e as intermediárias, em que prevalecem estabelecimentos unifamiliares, mas que são predominantemente baseadas em produtos da sociobiodiversidade.

“Isso mostra que há práticas que unem as várias agroecologias acontecendo no Brasil, ao mesmo tempo em que as especificidades de cada território são fundamentais para compreender os desafios e as potencialidades da agroecologia no país”, afirma Wongtschowski.

Nesta perspectiva, a publicação ressalta que sistemas agroalimentares desempenham papel econômico central para a manutenção da vida e sobrevivência de mais de 2 bilhões de pessoas no mundo, o que representa cerca de 10% da economia global, segundo dados da Organização das Nações Unidas (ONU). Por outro lado, apesar dos relevantes avanços tecnológicos que contribuíram para aumentar a produção de alimentos nas últimas décadas, os sistemas agroalimentares de hoje também são responsáveis por impactos negativos, tais como o agravamento da emergência climática, perigos para a biodiversidade, a poluição das águas e do solo, além do risco crescente do surgimento de novas doenças infecciosas.

Não à toa, pesquisadores do mundo todo têm chamado a atenção para o que se convencionou chamar de “limites planetários”, uma espécie de fronteira para que a humanidade continue existindo de forma segura no planeta Terra. Dentre os nove limites planetários já identificados, quatro deles — mudanças climáticas, interferência nos ciclos globais de nitrogênio e fósforo, queda da taxa de biodiversidade e mudanças no uso da terra — já estão comprometidos, em grande parte por conta do modelo vigente de produção agropecuária, que vem minando a capacidade da Terra de sustentar a vida humana e das demais espécies.

Por isso, a transição agroecológica representa uma importante missão para o desenvolvimento sustentável do Brasil. “A política científica do país deve acompanhar e se integrar a agricultores e agricultoras, suas organizações, instituições de pesquisa nos territórios e seus sistemas de incentivo e financiamento, para acelerar e apoiar a difusão deste modelo de agricultura que, para além do sustentável, se propõe a regenerar ecossistemas e relações sociais”, recomenda a publicação.

Para que isso seja possível, no entanto, os investimentos ainda precisam de melhor direcionamento para que as práticas sejam efetivamente transformadoras. Ainda que o Brasil invista cerca de 1,2% do PIB (aproximadamente R$ 90 bilhões) em pesquisa e desenvolvimento, apenas uma pequena parcela desse desenvolvimento científico é orientado por missões que sejam estratégicas. Ou seja, muito pouco da ciência produzida é feita de maneira a buscar soluções para os graves problemas sociais ou ambientais do país.

“Diante deste cenário, é urgente e necessário que se identifique os desafios de inovação da agricultura ecológica, de modo que ela possa ter capacidade para se expandir, em termos sociais e econômicos, dentro das comunidades de agricultura familiar. Afinal, existe um grande potencial de preservação das paisagens naturais que estas práticas agroecológicas podem proporcionar”, sugere o estudo.

A partir dos desafios e oportunidades identificados, a equipe de pesquisa da WTT, juntamente com apoiadores, seguirá em uma nova fase da pesquisa, com lançamento previsto para julho deste ano. “O próximo passo será descrever, desenvolver e disseminar inovações de base científico-tecnológico que ajudem as agricultoras e agricultores a superar esses desafios, dando um novo impulso às agroecológicas no Brasil. Sabemos que esse é apenas um primeiro passo para que a nossa agropecuária possa também ser ecológica e tenha sustentabilidade para o longo prazo”, enfatiza Andre Wongtschowski.

 

Assessoria de Imprensa

 

Camila Cecílio

[email protected]

Larissa Magalhães

[email protected]

 

*Conteúdo produzido por terceiros. A equipe Agro Insight não se responsabiliza pelas informações.

Se inscreva na nossa Newsletter gratuita

Espaço para parceiros do Agro aqui

Tags: Agroecologia, Produção de alimentos, sustentabilidade

Posts Relacionados

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Preencha esse campo
Preencha esse campo
Digite um endereço de e-mail válido.
Você precisa concordar com os termos para prosseguir

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

maio 2024
D S T Q Q S S
 1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031  
LinkedIn
YouTube
Instagram